terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Onde foi que erramos?



Essa era a pergunta que me fazia antes de dormir ontem a noite. Depois de mais um dia cansativo e igual a todos os outros, somente isso me passava pela cabeça, lembrando a conversa de telefone que tive com minha mãe pela manhã.
 
É verdade é que doía um pouco o peito, o coração apertava, as vezes caía uma lágrima, a ferida que nunca sara e sempre tentando entender o por que isso aconteceu com a gente, o porque de uma família ser assim e por que com a gente. Eu tento aceitar e deixo a vida me levar a muitos anos, mas é quando chega o final de ano, é que o assunto pesa, dói.
 
Um em cada canto, isolados. Muitas perdas, muitas dores e já nem digo tantas magoas, por que isso o tempo levou, mas que miserável destino a nossa família teve. Minha mae vivendo sozinha, um irmão que não encontra ninguém e eu escolhi por viver alheia a isso tudo. Sem mais vó, sem mais tia, minha mãe resolve passar o natal e o ano novo com a gente, o primeiro...
 
Tudo isso passava pela minha cabeça, até que sinto uma mexida na barriga, é minha princesa que dá sinal como se dissesse:
 
 "Calma...É tempo de recomeçar..."

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Caminhos


"Você não sabe o quanto eu caminhei
Pra chegar até aqui
Percorri milhas e milhas antes de dormir
Eu não cochilei
Os mais belos montes escalei
Nas noites escuras de frio chorei"

[A Estrada] - Cidade Negra

Não tem jeito, aqui é o meu canto! Por uns tempos atras a ideia de deixar o blog de lado passou pela minha cabeça, era tanta coisa, tanta confusão, mas o tempo sempre resolve tudo e as respostas as minhas duvidas vieram e a certeza da escolha do caminho certo.

Agora que a minha vida esta mais organizada, a vontade de voltar a escrever ressurge, quando eu entro no meu casulo não é fácil sair, só saio quando a paz e o equilibrio voltam a habitar o meu corpo, sabe quando tudo está se encaminhando bem e você não acredita e fica esperando por algo dar errado? A minha vida está assim, tudo certinho, tudo no lugar. Uma gravidez tranquila, um ótimo relacionamento com Papai Sapo, minha casa em ordem, meu trabalho não me exige demais... o que pode dar errado? Espero que nada.

Esses dias me peguei pensando sobre os caminhos que a minha vida tomou, tudo o que eu caminhei, as minhas conquistas e sei que nada nunca foi tão fácil pra mim. Muitos não sabem, mas eu sei de todas as dificuldades que superei.

Só esse ano eu acho que já ouvi a frase "Pra ti tudo é tão fácil" por mais de 4 vezes por pessoas diferentes, pessoas que me afastei, pq eu nao preciso de pessoas com esse tipo de pensamento em cima de mim. Pra mim é tudo tão fácil? Será? Eu não me expliquei a elas, e nem pretendo me explicar, pq só eu sei o que eu passei e o que eu passo quando eu me isolo do mundo, a diferença é que quando eu vejo um obstaculo, eu respiro e me concentro e faço de tudo para vencer, elas.. simplesmente reclamam da propria sorte.

Uma boa tarde!

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

...

A resposta que uso pra tudo nos últimos tempos é..."Viver um dia de cada vez",

Um dia de cada vez, em doses.. doses de alegrias, doses de tristeza. Cada dia tem uma forma, uma cor e um sabor.

O dia de ontem foi bem amargo, a tolerancia e a paciencia nunca foram meu ponto forte e sim meu ponto mais fraco e nunca fiz questao de esconder isso de ninguem.

Ser chamada de incopetente por alguem que nao tem competencia de cuidar da propria vida, é dose, e me faltaram centimetros para agarrar aquele pescoço fino que caberia perfeitamente nas minhas maos. O meu trabalho tem disso, sao doses diarias de amor e com um doce veneno de tempos em tempos.

É tao simples as pessoas assumirem o que realmente querem, ou o que nao querem, nao precisa procurar defeitos ou desculpas, mas nao, escolhem a dedo as suas vitimas, só que dessa vez escolheu a pessoa errada, pq brigar e defender o que penso eu sempre consegui e jamais abaixaria a minha cabeça estando na minha razao e nao estou mais vulneravel por estar gravida, estou ainda mais forte.

Mas como tudo de bom que eu planto eu colho, e minha competencia nunca foi colocada a prova, as incomodadas que se retirem, por que eu estou no meu juizo perfeito, eu nao fiz uma mudança louca na minha vida pra desistir por peixe pequeno, mas confesso que no fim, cairam algumas lagrimas do canto de olho, nao por tristeza, mas por raiva de sempre ter que me deparar com gente assim.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Entre sorrisos e laços...

Nossa! Como faz tempo que não passo por aqui. A vida está corrida, me falta tempo e o "tempo" que tenho é insuficiente para mim. Estou em um estado de exaustão, muito trabalho, muito curso, nas vésperas de minhas mini-férias atrasada!

Passei por muita coisa, muita preocupação. Noites sem dormir, uma médica louca que afirmou com todas as letras que com meu histórico médico, eu jamais poderia ter ficado grávida, que arrancou de mim meu chão, mas como em tantas outras vezes na minha vida, quando uma porta se fechou, abriram-se várias outras. E uma outra médica, me acolheu e me amparou e disse que no final tudo vai acabar e que ela não tinha o direito de dizer tais coisas pra mim.

Bom, um acompanhamento nutricional rigoroso e todas as coisas que eu mais gostava foram deixadas de lado, de inicio uma tristeza profunda e não posso dizer que estava feliz com toda a situação e que via beleza em tudo, mas já me adaptei a essa rotina. E agora no meu 5º mes e tudo se encaminhando muito bem, posso respirar com alivio.. Minha pressão se estabilizou, sem remédios, mas é um cuidado diario.

Não deixei de fazer nada do que fazia, e nao usei a gravidez como desculpa para trabalhar menos, deixar de estudar, senti a necessidade de abraçar o mundo e posso dizer que estou conseguindo.

Passei a curtir a gravidez no instante em que fiz a primeira ultrassom, em que pude ver aquele ser minusculo que ja tinha os dedinhos pequenos se incomodando com as cutucadas do médico, o que antes não parecia real se concretizava na frente dos meus olhos. Chorei quando ouvi as batidas daquele coraçãozinho.

Sorri quando o médico perguntou:

"-Vocês querem saber o que é?"

E isso nem de perto passava pela minha cabeça, que com tão pouco tempo eu saberia... e ansiosa perguntei se era um palpite e ele me deu a certeza...

"-É uma mocinha, bem preguiçosa!".

A nossa pequena que já tinha e tem seu nome escolhido, faz parte dos nossos dias, na hora das refeições, dos passeios, no trabalho, no carinho que todo mundo tem por ela antes mesmo dela conhecer esse mundo aqui fora, quando ela se agita quando escuta a voz do pai, como Cascão procura a minha barriga para dormir por perto. É entre sorrisos e laços que ando levando a minha vida corrida... talvez uma aquariana, talvez uma piscina, o seu signo ainda incerto, mas muito amada e agora desejada e com uma mãe guerreira que mais uma vez luta pela sua própria vida e pela vida dela também.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

...

"Quanto menos tempo eu passo sozinha comigo mesma, menos tempo tenho de pensar".

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Tantos pitacos....

A minha grande dúvida era: pra quem contar e quando contar? Foi uma ordem meio natural: marido, mãe. blog e uma ou duas colegas de trabalho. Eis a questão colegas de trabalho, quis evitar ao máximo por que sabia que em um lugar que era habitado por várias mulheres e todas já mamães eu teria que ouvir muita gente se metendo na minha gravidez, coisa que eu não gostaria.

Ontem resolvi escancarar e não sei por que eu já estava certa, lá vieram opiniões variadas, desde a médicos, alimentação e coisas que eu nao posso fazer.

Eu fui obrigada a surtar com o povo.

Eu estou gávida, não estou doente! Vou continuar andando de moto, até me sentir desconfortável e quando eu ver que não dá mais, vou continuar trabalhando e fazendo as minhas coisas e vou comer de forma que eu me sinta satisfeita, nem de mais nem de menos, não é por que os médicos dizem que eu tenha que comer de 2 em 2 horas que eu vou ter que seguir a risca, eu tenho meu ritmo proprio.

Não vou fazer nada que não fazia antes, mas também não vou deixar de fazer nada que já fazia!

Tenho dito!

quinta-feira, 26 de julho de 2012

O que muda? 8 semanas!

Os anjos disseram "Amém" e eu me conformei em aceitar minha nova realidade: estar grávida. Não desejei, não foi planejado, mas muito festejado. Já estava na hora é o que mais escuto, no auge dos meus 30 anos, com a saúde em bom estado e com praticamente 10 anos de casamento nas costas, seria rídiculo que eu não aceitasse.

Quando descobri, na verdade, desconfiei, fiz os testes necessários e a noticia que eu tanto temia. Chorei de tristeza, pois se fosse deixar pela minha vontade, esse temido dia nunca chegasse. Como disse uma amiga: "O que Lucí mais teme no mundo?" Pois é. Temia.

Saponildo só sorrisos, eu também ficaria só sorrisos se eu me ocupasse apenas da concepção e não tivesse que carregar nada na barriga, mas como disse minha mãe "Agora você vai entender!". Já entendi.

Entendi que fiquei praticamente 1 mes sem conseguir comer, com enjoo, com um nariz ultra mega poderoso, que define qualquer cheiro a qualquer distância e que 99,99% me causavam nauseas. Disseram me que isso passava. Passou finalmente. Perdi quase 4 quilos, mas agora comecei a sentir sono e uma fome voraz nunca antes sentida.

Desejei a sopa da minha vó, que será impossível de se realizar, comi outras tentando satisfazer esse desejo. Desejei sopa de letrinha da Xuxa, que comia quando criança, já rodei os mercados e nada encontrei. Desejei torrada feita com pão de leite feita naquelas coisas que se colocam na boca do fogão. Sim esse eu consegui fazer marido virar as lojas de 1,99 pra comprar o equipamento e conseguir o pão de leite não foi tão dificil, e olha foi o melhor pão que comi na vida.

Desejei a risoles e o bolinho da padaria do seu Zé, um desejo ainda em aberto, pois Saponildo esquece. Também desejei o bife de um determinado restaurante que só abre ao meio dia, sabado esse sera realizado.

As idas ao banheiro estao mais constantes como também a minha sede e uma carencia infinita. De não estar/ ficar sozinha, pela minha vontade Saponildo nao trabalharia mais, e no meu trabalho ando igual cachorrinho atras dos outros, so pra ter companhia e eu era uma pessoa individualista, com certeza é sintomas desse (a) pisciano (a) que já carrego dentro de mim.

Mas, nas minhas 8 semanas, ainda tenho meus medos e meus sonhos, cá entre nós eu desejo uma menina, que ja tem até nome, mas se vier um menininho irá herdar o nome do pai e espero que o jeito também!

Uma ótima semana a todos!

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Um(a) molusquinho(a)....

... Ligeiramente grávidos...

terça-feira, 10 de julho de 2012

50%

"Na verdade 90%, mas ainda resta a dúvida. Não sei se fico feliz ou fico triste. Já chorei sozinha, agora já me acostumei com a ideia, não sei como vai ser, mas a verdade é que o universo conspirou a favor e quem sou eu para ir contra? Acho que existe até uma pontinha de felicidade dentro de mim, apesar de eu ser muito enfatica, eu nao queria, nao era a hora!"

... em breve os 10% que faltam...

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Doçura...



"Os melhores textos eu escrevi  em noites de insônia. Escrevo em meus pensamentos e não tenho o menor desejo de publica-los"

quinta-feira, 28 de junho de 2012

A voz do silêncio

Pior do que a voz que cala,
é um silêncio que fala.

Simples, rápido! E quanta força!

Imediatamente me veio à cabeça situações
em que o silêncio me disse verdades terríveis,
pois você sabe, o silêncio não é dado a amenidades.
Um telefone mudo. Um e-mail que não chega.
Um encontro onde nenhum dos dois abre a boca.

Silêncios que falam sobre desinteresse,
esquecimento, recusas.

Quantas coisas são ditas na quietude,
depois de uma discussão.
O perdão não vem, nem um beijo,
nem uma gargalhada
para acabar com o clima de tensão.

Só ele permanece imutável,
o silêncio, a ante-sala do fim.

É mil vezes preferível uma voz que diga coisas
que a gente não quer ouvir,
pois ao menos as palavras que são ditas
indicam uma tentativa de entendimento.

Cordas vocais em funcionamento
articulam argumentos,
expõem suas queixas, jogam limpo.

Já o silêncio arquiteta planos
que não são compartilhados.
Quando nada é dito, nada fica combinado.

Quantas vezes, numa discussão histérica,
ouvimos um dos dois gritar:
"Diz alguma coisa, mas não fica
aí parado me olhando!"

É o silêncio de um, mandando más notícias
para o desespero do outro.

É claro que há muitas situações
em que o silêncio é bem-vindo.

Para um cara que trabalha
com uma britadeira na rua,
o silêncio é um bálsamo.

Para a professora de uma creche,
o silêncio é um presente.

Para os seguranças de um show de rock,
o silêncio é um sonho.

Mesmo no amor,
quando a relação é sólida e madura,
o silêncio a dois não incomoda,
pois é o silêncio da paz.

O único silêncio que perturba,
é aquele que fala.
E fala alto.

É quando ninguém bate à nossa porta,
não há emails na caixa de entrada
não há recados na secretária eletrônica
e mesmo assim, você entende a mensagem

[Martha Medeiros]

terça-feira, 26 de junho de 2012

entre uma coisa e outra

Eu aqui entre a saga da fonte da minha impressora queimada e a minha falta de capacidade de escrever um artigo pra faculdade, ambos assuntos de extrema urgência pra mim.

O meu caso com a impressora praticamente se resolveu, bem no momento que eu já andava a pesquisar uma impressora nova. Desde que me mudei no meu primeiro momento de necessidade de usar uma impressora ela resolve queimar a fonte, entre inda e vindas, um técnico (melhor ele se diz técnico) depois de quase 1 mês com ela e várias ligações, corridas, diz-me que ela não tem conserto.

Outras idas a lojas de informática, além de não encontrar nada compatível, quando encontro o cara teve a coragem de me cobrar quase 100 reais por uma usada, beeem capaz que eu aceitei. Idas ao camelo, ligações pra Hp (até que fui bem atendida) massss o problema seria encaminhado para uma assistência técnica em Florianópolis, em resumo na minha última tentatica foi uma lojinha aqui próxima, deixei a fonte com a atendente já que o "técnico" nao estava e ela ficou de me retornar a ligação. Retornou hoje pela manhã pra dizer que não tinha nada, e depois pra dizer que tinha uma de um cliente que deixou lá por mais de um ano e nunca foi buscar, vai essa mesmo, assunto esse bem resolvido.

A respeito do artigo, essa não tem jeito, leio..leio e não produzo, até lavar a louça me parece mais interessante, coloco a culpa na minha falta de leitura desse ano, não li nenhum livro, fora os didáticos.

[Comprometo-me aqui a ler, 6 livros até o final do ano, parece-me uma promessa alcançavel]

As frases não  vem, e nem o raciocio ajuda, escrever sobre um assunto que gosto mas não domino.. "matemática" e tenho opção? Não. Uma hora vai ter que sair, até delimitei o que tenho/preciso escrever, tenho a fundamentação, mas a coisa não fica redonda, parece paragrafos desconexos.

Já roi as unhas, já fugi, já arrumei a cama, brinquei com Cascão, vi um filme, mas o dever me chama e eu sei que uma hora eu vou sentar aqui e a coisa vai fluir, é sempre assim.

[...assim eu espero]

segunda-feira, 18 de junho de 2012

...

...é só um post Lucí! Queria escrever algo especial para aquele que seria o post de número 500, mas os dias foram passando e já completam mais de 8, desde a última vez que aqui apareci e de tão esperar pelo especial, que de nada especial aconteceu pra contar. A vida não anda nada especial, anda comum, no mesmo lugar, no mesmo ritmo.

A certeza se tem que fez a escolha certa é quando a gente percebe que a vida anda mais leve, é eu tirei um peso dos meus ombros, um fardo de cobranças a mim mesma, não me cobro mais em relação a isso, não vale a pena tanta auto-crítica.

A certeza que ainda se precisa de mais mudanças é quando a gente ve em que pé anda a vida, em que o tempo corre rápido no relógio com menos sorrisos durante o dia e menos saudade de casa.

Só o tempo, deixarei ele resolver, ele é mais sábio e mais experiente e espero que ele leve mais esse peso da minha vida...

domingo, 10 de junho de 2012

Mais uma de Saponildo

Sábado passado Saponildo chega em casa com cara assustado e dizendo que "achava que tinha feito algo errado e que me daria trabalho."

Levanto os olhos do computador e pergunto o que ele aprontou dessa vez..

Saponildo:
"-É que fui depositar um dinheiro na tua conta, meio com pressa e acho que depositei o cartão dentro do envelope!".

Não sei se a situação era de rir ou de chorar, a pessoa não tinha certeza de nada, olhei a conta do banco pela internet e vi que ele fez os depositos certos. Esperei até segunda pela manhã e liguei para a agência..

Tive que contar a situação pra moça que me atende o telefone, ela achando graça do que aconteceu me garantiu se o cartão tivesse dentro do envelope elas me retornariam a ligação.

Sim, o cartão estava lá. O pior quem teve de passar vergonha e ir até a agência?

Eu.

Cheguei lá, vespera de feriado, o banco lotado, não estava afim de pegar fila para passar vergonha, me dirigi a primeira mocinha desocupada que encontrei pelo caminho e contei a história...

"É que meu marido foi depositar um dinheiro na minha conta e depositou o cartão junto.. e bla bla.."

A moça se rindo toda foi buscar o meu cartão.

E eu acho que elas não acreditaram nessa história, a verdade é que eu também não acreditaria!

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Feriado e trabalho

Feriadão? Não. Ainda trabalho hoje.

No feriadão passado, do dia do trabalho, o combinado na escola seria meio a meio, metade trabalharia em um feriadão e a outra metade no outro. Fiquei com a segunda equipe, mas pra mim tanto fazia, eu apenas precisava organizar a minha mudança.

Mas parece que o povo que trabalhou naquele feriado não aceitou muito bem essa ideia. A semana toda durante o café eu ouvi coisas como: "a gente não vai trabalhar né?" "a gente já trabalhou no outro" "agora é a minha vez de folgar" e coisas dentro desse contexto.

O que me irritou profundamente é que em momento algum não vi ninguém do pessoal que "não trabalhou" esboçar nenhum tipo de reclamação ou dizer que não ia trabalhar é como se elas tivessem medo da gente não trabalhar nesse feriado também.

Sim, eu tenho um banco de horas que me daria o direito de folgar hoje se assim eu quisesse e elas não poderiam fazer nada, mas em nenhum momento eu disse que não ia trabalhar...

Como se isso não bastasse, a gota d`água foi a história do "tu não tem filho". Ta.. e onde diz que quem tem filhos tem o direito a mais folgas e a trabalhar menos ou vice-versa?

Isso foi esquentando minha cabeça e eu que andava a cuidar do meu genio nada facil acabei falando demais. Em meio ao café de quarta-feira em alto e bom som pra quem quisesse ouvir, falei que filho é uma opção pessoal e individual, se elas escolheram ter filhos e eu não, então eu não devo pagar pela escolhas delas, o filho é delas, não meu. E quando elas escolheram terem filhos elas sabiam que teriam que abrir mao de algumas coisas e por isso eu não tenho filhos!E que eu tenho raiva de quem se esconde atras de filhos e usa isso como desculpa pra tudo e que eu iria trabalhar no feriadão sim, por que eu sou uma responsavel, e tenho coragem de "não ter filhos" pra depois não usa-lo como desculpa pra minha falta de vontade.

Elas ficaram me olhando de olho arregalado, pois é... pra quem "ainda" não me conhecia.. Prazer, sou Lucí!

sábado, 2 de junho de 2012

Meme: 30 músicas que arrepiam!




Não sou o que se pode chamar viciada em música, meu vicio mesmo é o silêncio, a leitura, mas quando eu vi esse meme no blog da Ana Luisa: Minha vida como ela é simplesmente fiquei tentada.

O meme consiste em selecionar 30 trechos de músicas que te arrepiam. Bom, confesso que achei que seria mais fácil, mas não foi.

Primeiro achei que 30 música era demais. Descobri que era pouco na hora de fazer a seleção. O primeiro critério que utilizei foi dividir as 30 músicas em 15 trechos nacionais e 15 trechos internacionais.

O segundo critério, eu comecei a fazer a listagem nacional, por que achei que seria mais facil, tentei fugir do Legião Urbana, Cazuza, Capital Inicial e Raul Seixas, por que aí eu seria injusta comigo, por que ai eu teria que fazer uma seleção individual para cada um deles, por que não são só trechos, são músicas inteiras.

A seleção internacional foi mais fácil do que imaginava, já tenho escolhas bem definidas, sei o que gosto e o que não gosto de ouvir, mas em geral são mais pela melodia do que pelas letras, algumas são o conjunto.

A motivação da escolha dos trechos é extremamente pessoal, algumas lembram momentos bons, outras lembram pessoas, outras lembram fases da minha vida, outras eu apenas gosto sem explicação. Espero que apreciem por que são músicas que nas raras vezes em que escuto música, com certeza uma delas está na minha playlist.


"Desculpe
Estou um pouco atrasado
Mas espero que ainda dê tempo
De dizer que andei
Errado e eu entendo"
Por onde andei - Nando Reis
 


"Flores na cabeça,
Nossos pés descalços
Nossa vida toda
De paz e amor"
Paz e amor- Nenhum de Nós



"Se hoje eu sou estrela
Amanhã já se apagou
Se hoje eu te odeio
Amanhã lhe tenho amor"
Metamorfose Ambulante -Raul Seixas
 


"Eu vou cuidar, eu cuidarei dele
Eu vou cuidar
Do seu jardim
Eu vou cuidar, eu cuidarei muito bem dele
Eu vou cuidar
Eu cuidarei do seu jantar
Do céu e do mar, e de você e de mim"
Os cegos do castelo - Titãs


"A tua piscina tá cheia de ratos
Tuas ideias não correspondem aos fatos
O tempo não para"
O tempo não para - Cazuza


"Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar
Que tudo era pra sempre
Sem saber, que o pra sempre, sempre acaba"
Por enquanto - Cassia Eller


"Não consigo dizer se é bom ou mal
Assim como o ar me parece vital
Onde quer que eu vá o que quer que eu faça
Sem você não tem graça"
Fogo - Capital Inicial

"Vim parar nessa cidade
Por força da circunstância
Sou assim desde criança
Me criei meio sem lar
Aprendi a me virar sozinha"
Garganta- Ana Carolina


"Baby Baby
Não adianta chamar
Quando alguém está perdido
Procurando se encontrar"
Ovelha Negra - Rita Lee


"Agora o que vamos fazer
Eu também não sei
Afinal, será que amar
É mesmo tudo?"
O que eu também não entendo- Jota Quest
 

"Já faz tempo
Eu vi você na rua
Cabelo ao vento
Gente jovem reunida"
Como nossos pais - Elis Regina
 

"O luar, estrela do mar
O sol e o dom, quiçá, um dia a fúria
Desse front virá lapidar
O sonho até gerar o som
Como querer caetanear o que há de bom"
Sina - Djavan
 

"Ainda vejo o mundo com os olhos de criança
Que só quer brincar e não tanta "responsa"
Mas a vida cobra sério e realmente não dá pra fugir"
Lugar ao sol - Charlie Brown Jr.

"Feche a porta do seu quarto
Porque se toca o telefone
Pode ser alguém
Com quem você quer falar
Por horas e horas e horas..."
Eu sei - Legião Urbana
 

"Vamos sair, mas não temos mais dinheiro
Os meus amigos todos estão procurando emprego
Voltamos a viver como há dez anos atrás
E a cada hora que passa
Envelhecemos dez semanas"
Teatro dos Vampiros - Legião Urbana


"Come as you are, as you were,
As I want you to be, as a friend,
as a friend, as an old enemy"
Come as you are - Nirvana


"You keep on shoutin'
I wanna rock and roll all night and party everyday"
Rock roll all night - Kiss

"Time
Don't let it slip away
Raise yo' drinkin' glass
Here's to yesterday"
Full Circle - Aerosmith

"But we're never gonna survive, unless...
We get a little crazy
No we're never gonna survive, unless...
We are a little..."
Crazy - Seal

"Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Oh, won't you please take me home"
Paradise City - Guns n roses


"I'm sick of sight without a sense of feeling
And this is how you remind me
This is how you remind me
Of what I really am"
How you remind me - Nickelback


"You live, you learn
You love, you learn
You cry, you learn
You lose, you learn
You bleed, you learn
You scream, you learn"
You learn - Alanis Morissette


"So,
So you think you can tell
Heaven from Hell,
Blue skies from pain"
Wish you were here - Pink Floyd


"Oh where, oh where, can my baby be?
The Lord took her away from me.
She's gone to heaven so I've got to be good,
So I can see my baby when I leave this world."
Last kiss - Pearl Jam


"When someone said count your blessings now,
'fore they're long gone
I guess I just didn't know how"
Who Knew - Pink

"Fathers, be good to your daughters
Daughters will love like you do
Girls become lovers who turn into mothers
So mothers, be good to your daughters to"
Daughters - John Mayer


"What I've felt
What I've known
Never shined through in what I've shown
Never be
Never see
Won't see what might have been"
The Unforgiven - Metallica


"Save tonight and fight the break of dawn
Come tomorrow - tomorrow I'll be gone"
Save Tonight - Eagle Eye Cherry


"I, I'm a one way motorway
I'm a road that drives away
Then follows you back home"
Time like these - Foo Fightres


"But I'm in so deep. You know I'm such a fool for you.
You got me wrapped around your finger, ah, ha, ha.
Do you have to let it linger? Do you have to, do you have to
Do you have to let it linger?"
Linger - The Cranberries

BÔNUS
"I'm late for work again
And even if I'm there, they'll all imply
That I might not last the day
And then you call me and it's not so bad
It's not so bad and"
Thank you - Dido


*Muita coisa boa ficou de fora, mas gosto musical não se discute, uma bom final de semana*

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Não abusa

[...]

O silêncio dura desde terça- feira quando nos despedimos e eu pedi que ela me ligasse pra me contar se estava tudo certo, o silencio denunciava que ela estava a aprontar ou pior ainda o que ela tinha deixado de fazer.

Como eu sempre digo a ela: "eu tinha quase certeza, mas bem lá no fundinho eu tinha uma ponta de esperança". Sim eu sempre tenho essa ponta de esperança em se tratando dela, por que ela que me arranca sorrisos.

Liguei hoje de manhã apenas pra confirmar minhas duvidas do por que de tanto silencio. Sim ela não foi lá conforme o combinado. O estranho é que eu não me irritei, ela não consegue despertar esse meu lado, acho que isso acontece quando a gente encontra irmãos do coração.

Entre sorrisos e brincadeiras sobre seus defeitos, combinamos as mentiras que contariamos juntas, como duas adolescente que querem esconder algo da mãe. E no final:

"-Eu sei que você me aguenta, mas eu sei que você me ama..."..

Pois é, eu a amo, mas não abusa...

Não abusa mesmo....

[...]

quinta-feira, 31 de maio de 2012

...

Quando mais nova e ouvia alguém falar "no meu tempo não era assim!' eu achava que isso era coisa de velho. Fato! Bom hoje eu mesma uso esse tipo de expressão e entendo muito bem a indignição dos mais vividos do que eu. É que realmente tudo evolui, o porém é que eu também acredito que algumas coisas para pior.

Conheci essa semana a escola em que vou fazer meu estágio da faculdade, é uma escola estadual, quando entrei era hora do intervalo, era um silêncio, eu esperava mais barulho, tudo meio morbido, jovens magrelos, de roupas justas, brancos, tudo um padrão, como se fossem fotocopias, casais se agarrando na escada com moletons por cima para disfarçar, como se ninguém soubesse o que acontecia por tras de tudo aquilo. Nao gostei do ambiente. A escola em que trabalho acredito que é mais feliz, os adolescentes parecem um pouco mais com a minha adolescencia.

E não falo sem conhecimento de causa, nao fui uma das meninas dos cantos, alienada, todos os meus anos, eu fui lider de classe e durante o meu ensino médio participei ativamento do gremio estudantil da escola, que nunca conseguiu nada por que uma andorinha só não faz verão e também minha geração lá tinha seus problemas.

Não tenho medo, mas sei por antemão que vou pegar uma classe com alunos que nem saber ler sabem e com variações absurdas de idade. Fico preocupada com essa geração, mas cada um faz sua história.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

House, 8º temp. 12 ep.


14:04 / 16:16

"O convento deixa você ter isso?

Peguei emprestado de uma das enfermeiras.
Ainda estou sob votos temporários. Pode ser a última vez que escuto Eminem.

Você está usando um iPod. Mas nunca vi você usar um terço.
Em que dia Jesus morreu?

-Eu sei, um evangelho diz 'páscoa" o outro diz "o dia anterior"

Quantas vezes o galo cantou antes da terceira negação de Pedro? Uma ou duas vezes?

Você não pode acabar com a minha fé argumentando.

Porque? Por que é tão forte perante as contradições?

Por que não é forte. Não estou dizendo que não tenho fé. Só não senti o chamado ainda.

Ninguém se junta ao clerigo sem ter uma epifania. Como o amor de Deus falando com você diretamente

É o silêncio, a contemplação, a ordem. Preciso deles. Espero que o resto apareça mais tarde.

Não é uma resposta. Se quer silencio usa tapa-ouvido.

Eu tentei o mundo externo, não foi o bastante.

-Já foi casada?

Não.

Sem filhos. Nunca teve uma carreira.
Parece que você nunca deu uma chance para o mundo externo.
Você vai encontrar 14 horas diarias de reza silenciosa e nunca ter uma familia e tocar outro ser humano.

Só por que é disso que você mais sente falta. As enfermeiras falam.

Não tem nada de errado em se divertir.

Elas falaram que você quase morreu semana passada e você logo voltou pra diversão?

É por isso que você quer ser freira? Alguém partiu seu coração?

Não. Procuro por algo mais..

Assim como eu.

*

[Alguma semelhança?]

(post programado)

terça-feira, 29 de maio de 2012

Válvula de escape...

(...)


A diretoria decide por uma demissão. Não há contraponto.

Também decide que deve ser feita na terça-feira, e não na (comum) sexta.

Chamo o cidadão, e logo que ele senta na mesa oval, me fala:

- Tenho duas novidades para te contar!

Quais?

- Primeira: estou trocando de apartamento, e sabe por que?

Hmmm...

- Minha esposa está grávida!

...


(...)

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Momento mulherzinha (número xx não lembro!)

 

Lá eu não sou muito fã de cozinha, mas confesso que depois que vi esse menino João Alcantara cozinhando comecei a me "interessar" pelo assunto.

Faz um tipo "exemplar raro" de homem, é fofo, educado e lindo, sem falar no detalhe que sabe cozinhar.

Alguém discorda?


domingo, 27 de maio de 2012

...[meus sonhos vão te buscar]...

Olhos fechados
Prá te encontrar
Não estou ao seu lado
Mas posso sonhar

Aonde quer que eu vá
Levo você no olhar

Aonde quer que eu vá
Aonde quer que eu vá...

Não sei bem certo
Se é só ilusão
Se é você já perto
Se é intuição

E aonde quer que eu vá
Levo você no olhar

Aonde quer que eu vá
Aonde quer que eu vá...

Longe daqui
Longe de tudo
Meus sonhos vão te buscar

Volta prá mim
Vem pro meu mundo

Eu sempre vou te esperar

[Paralamas do Sucesso - Aonde quer que eu vá]

*[Eu senti, eu sinto e sempre vou sentir tua falta..]*


sábado, 26 de maio de 2012

das coisas que acontecem só comigo "8"

A semana que passou não foi das melhores, inacreditável ou não, os acontecimentos não me abateram, renderam boas risadas já que desgraça pouca é bobagem e o desfecho de uma das situações ainda vai me render semanas e semanas que ainda não sei ao certo como vai ser, mas não ando mau humorada. Bom se até o tempo anda sorrindo por que eu não vou sorrir, depois da chuvarada de ontem o dia amanhaceu com um sol lindo.

Durante a semana, andei na correria pra imprimir uns negócios que deixei pra imprimir em casa e não no trabalho, acreditava que minha impressora estava funcionando normalmente, mas não estava, ela despindocou com a mudança.

Lá saio eu em busca de um lugar que fizesse o trabalho que a incompetente nao fez. Em uma cidade em que eu não conheço nada, com pressa, chego no primeiro lugar que vi. Uma salinha com infiltração e um homem baixinho e barrigudo, daqueles que até sobe a polo rosa que ele vestia, a visão do inferno.

Ele pediu se eu tinha os arquivos, entreguei meu pen drive, igualzinho o da imagem.

(Desisti de comprar pen drives bonitos, potentes, a bonita aqui vive perdendo e eles sempre somem misteriosamente, então prefiro a quantidade do que beleza e capacidade, claro que tenho uns dois bons em casa, mas que nao saem de casa pra nada!)

Ele abriu os arquivos e de cara eu vi que minha fonte estava desconfigurada, ele gentilmente mudou, até ai tudo bem foi erro meu, deveria ter levado a fonte tbm, a impressão não era ruim, mas em casa teria ficado melhor. Paguei, agarrei as minhas folhas e corri para uma loja em que eu precisava comprar umas caixas. Lá eu lembrei que meu pen drive tinha ficado no outro lugar.

Já que ficava no caminho de casa não custava passar e perguntar se não tinha ficado ali.

Sim, acredito que esse foi meu erro. Eu peguntei a ele se por acaso eu não tinha esquecido meu pen drive ali e ele com um sorriso mais ironico do mundo:

-"Não moça, aqui não, só se foi em outro lugar!".

Meu sangue subiu, ferveu, como as coisas não estavam dando certo, nao precisava me segurar, chutei o baldinho, mandei então ele enfiar o maldito pen drive no **** e virei as costas.

Mas os olhos arregalados do piá ajudante dele nao me sairam da memoria e só isso ja valeu o dia e quem sabe a culpa não era do mordomo?

OBS: Jamais perguntar se esqueceu algo, se está na duvida é pq nao tem certeza, se eu tivesse chegado e pedido o pen drive quem sabe ele me devolveria, mas ja que ele nao devolveu, ele que enfie no ***.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

25 de maio

(...)




Não sabe o que é? Clique aqui.

(...)

"Amores que não derão certo II"


"Porque eu não disse
As coisas que precisava dizer?"

Precisaram-se de 15 anos para uma história virar uma história de amor que não deu certo, até então para mim era apenas algo que eu fazia questão de esquecer do meu passado e lutei muito tempo contra isso e com o tempo eu realmente esqueci.

Conheci Tiago no pior ano da minha vida (que eu acreditava ser, mal sabia que piores viriam). Meus pais haviam acabo de se separar naquele ano e o problema nem era a separação mas o fato de me sentir enganada pela maioria das pessoas que eu gostava.

Minhas amigas, todas passaram a estudar a noite com a desculpa de precisar trabalhar, eu não precisava. Ia sozinha para a escola e ele era a primeira que eu via todas as manhãs, naquelas fardas manhãs. Achava que ele era o jornaleiro, então um dia pensei em pedir que ele entregasse o jornal mais cedo, por que eu gostava de ler o jornal antes de eu ir estudar, foi quando eu descobri que ele não podia ser o jornaleiro, pois ele não carregava nenhum tipo de jornal. Não vi jornal, mas foi o dia em que vi o quanto aquele cara que passava todas as manhãs em frente a minha casa era bonito, parecia o Axl jovem, com a cabelo castanho claro pelos ombros e o sorriso largo e mais tarde ia ver de perto que seus olhos eram verdes.

Desse dia em diante eu comecei a observa-lo, eu não sabia quem ele era, o por que ele passava ali todos os dias, os horários em que ele passava, passei a sair sempre nos mesmo horarios e não sabia o nome. Foram uns 3 meses de observação e um dia eu estava na janela do meu quarto, quando eu ouvi outro cara que vinha junto com ele chamando-o pelo nome.

Depois de mais alguns meses ele passou a me dar Oi, depois de mais outros meses um dia ele me parou pra perguntar se eu estudava em tal escola, que era óbvio, meu uniforme era daquela escola e se eu conhecia fulano, disse que não conhecia e ele assumiu que era só pra ter assunto e falou o nome dele e eu disse que já sabia e ele disse que tbm sabia o meu e que tbm sabia o meu telefone e se podia me ligar.

E a pergunta que todos aqueles meses eu tentei compreender, perguntei então aonde ele ia pra passar todos os dias ali pela frente e ele me disse que ia trabalhar e que trabalhava na chapeação na frente a minha casa, só que do outro lado na parte de estofaria.

Um ano que estava pre determinado a ser um pessimo ano, foi otimo. Todo o flerte foi até o resto do ano, eu já tinha feito novas amizades, a gente se via todos os dias, ele me ligava as vezes, lembrando que era uma época sem internet e telefone celular. Por incrivel que pareça ele não dava olhares para as minhas amigas e a gente só conversava, ele saia mais cedo me encontrava na frente da escola, dava um oi,um tchau e eu continuava sem saber nada da vida dele, só que ele morava em bairro bem pobre, estudava a noite (mais faltava do que ia), hj eu sei o qto é dificil trabalhar e estudar, precisa-se de muita força de vontade, coisa que a gente nao tem muita nessa idade.

Minha mãe que já andava desconfiada com tanta conversa dizia que não me queria de conversa com 'aquele pé rapado", sinonimo de pobre pra quem nao sabe, puro preconceito. E qto mais ela dizia isso, mais as conversas se tornaram frequentes.

Final de ano ela me fez viajar pra casa de uma tia dela, voltei só pra época do meu aniversário, faria 15 anos, sem festa e sem ninguém por perto. Voltamos a conversar e uma semana apos completar 15 anos, ele me liga e me convida pra ir conversar la na estofaria e que os patroes dele (meus vizinhos) haviam viajado e ele ia ficar lá cuidando naquela semana e se eu podia ir la fazer companhia pra ele. Sim eu não era ingenua e sabia o que isso significava. Minha mae tomava remedios pra dormir eu esperava ela dormir e fugia.

Finalmente virou um meio namoro. Ele cozinhou pra mim aquelas noites, contou da vida dele, que morava só com a mãe e com a vó, que não sabia quem era o pai dele, que ele ajudava em casa, a mae dele nao fazia nada, e que ele estava guardando dinheiro pra comprar uma moto qdo ele fizesse 18 anos, que seria no proximo mes.

Disse que queria casar comigo, mas ja sabia que a minha mae chamava ele de pe rapado. A gente riu, viu tv, comeu, namorou de forma inocente, eu só tinha 15 anos e sonhava com o principe encantado. Foi tudo perfeito até a última noite.

[....]

Sai de lá chorando com muita raiva dele, mas muita. Ele me pedia desculpas, eu não conseguia ouvir, eu não queria ouvir. Naquela mesma semana a minha mae chegou em casa contando que encontrou no posto de saude uma suposta namorada dele e que estava gravida. Minha mae nao ia inventar um negocio desses e se eu ja estava decepcionada com ele por outra coisa aquilo simplesmente caiu meu chão. Eu precisava desabafar com alguem e desabafei com minha ex cunhada, que contou pro meu irmão e que contou pra minha mae e que contou pra policia.

[...] Fui colocada em situações humilhantes pela minha propria mae, sim eu desejei a morte, se eu ja nao confiava mais nos meus amigos eu nao podia mais confiar em ninguem, e se eu ja estava derrotada por acreditar que ele tinha me enganado, o que mais eu podia fazer? Ai nasceu a vontade de sair daquela cidade e tracei isso como meta de vida.

Troquei o caminho pra ir pra escola, mudei horario, fiz de tudo pra nao velo, ele irritado com a situação que ele tbm foi colocado passou a me ironizar, passou a ligar pra minha casa dizendo perversões e assim continuou mesmo depois que eu sai daquela cidade, qdo ia visitar minha mae ele ligava e ficava me provocando se fazendo presente pra eu não esquecer que ele existia.

E eu não conseguia, eu lutava pra não amar mais, mesmo ele me dizendo os absurdos que me dizia e sofria pq ele tinha me enganado me iludido.

[...]

Precisou 15 anos. Visitei minha mae do feriado do trabalho, ela nao esta muito bem de saude, dei uma corridinha la enquanto nao me mudava, no mesmo dia que chego, no cair da tarde o telefone toca, como sempre qdo estou lá, sempre atendo, uma voz de homem do outro lado me perguntando de forma educada como eu estava, de imediato, nao reconheci a voz, a muitos anos nao a ouvia mais. Qdo reconheci, nao senti vontade de insultar apenas respondi com a mesma educação em que me foi perguntado.

Ele me ligava pedindo pra eu dar uma chance pra gente conversar por que ele queria pedir desculpas pelo que me fez. Precisou 15 anos pra eu conseguir fazer isso de forma madura.

Descobri que ele nao havia me enganado, que sim ele tem um filho, mas nunca viveu com a mae do menino e que ele terminou com ela antes da gente realmente ficar junto e que acreditava que eu nao falava mais com ele pelo o que aconteceu aquela noite e nao por isso, pq ele mesmo ficou sabendo que ela estava gravida depois de uns 2 meses depois daquele dia e pq eu nao falei isso pra ele.

Bom, ao menos tudo se resolveu, o tempo nao volta mais,  que foi dito ou nao foi nao faz mais diferença. Percebi qto o tempo passou qdo vi o filho dele de 15 anos, tao ou mais bonito que o pai e pensei que ele tem idade pra ser meu, mas nao é. E o que eu achei que nao doia mais, voltou a doer por esses dias.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Pensamentos soltos.

Algum tempo atras, mais ou menos 2 meses, quando a vida estava uma m*, não que hoje não esteja uma m*, eu vinha pela BR para trabalhar e quando cheguei perto da entrada da cidade eu pensei... e se eu continuar reto, sem fim onde eu ia parar, dava pra sumir e nunca mais ninguém ia me encontrar,mas meu lado racional sempre fala mais alto e fui trabalhar.

Lembrei de um caso de desaparecimento, um desses tantos que aparecem na TV, de um homem que sumiu junto com a secretária da empresa, a mulher dele desacreditava que eles tivessem fugido juntos, faziam o tipo familia perfeita, não existe familia perfeita, só sei que eles desapareceram e nunca mais foram vistos.

Algumas pessoas somem, outras cometem suicidio e outras adulterio, são formas de fugir dos problemas. Eu não fujo, mas vou tratando os problemas de forma homeopatica.

Ontem comentei sobre meu interesse de infância sobre a vida dos ciganos, eu tinha um verdadeiro fascinio por eles, roupa, musica.. o colorido, as joias a alegria, herdei até um apelido do meu tio, "ciganinha" pelas saias longas que gostava de usar, o cabelo comprido e as varias pulseiras que enfeitavam meu braço até meus 8 anos.

Ouvi que ainda dá tempo. Será? Largar tudo, virar nomade... Vontade dá, mas o lado racional pergunta... "E quem fica? Fica como?"

terça-feira, 22 de maio de 2012

16 moments

(...)





(...)

Respira, ainda é terça!

Acordei e resolvi fazer o que andava procrastinando a dias. Simplesmente decidi, uma hora ou outra eu teria que fazer. Tinha que ir ao cartório no centro da cidade autenticar uma documentação. Bom, nem ideia eu fazia de como eu chegar lá, digito os endereços daqui e do local no google mapas, no mapa é tudo lindinho mesmo, coisa que já inumeras vezes fiz depois que vim morar aqui  e todo dia eu prometia, amanha eu vou!
Hoje eu fui.

Fiz um rascuinho basico em um papel, lembrando que to sem impressora. Um rascunho de ida e um rascunho de volta. Na ida tudo beleza, só em uma sinaleira que fiquei na duvida se ia reto ou virava e não dava tempo de consultar o mapa, mas eu sabia pra onde tinha que ir, perguntei pra menina da moto ao lado e ela não sabia, eu tenho que lembrar de nunca pedir informação pra mulher.

Mas no mais, foi fácil, encontrei o local facilmente, só ninguém me disse que não tinha como estacionar nas 4 quadras proximas, larguei a moto longe e fiz o caminho a pé.

Na volta o meu maior problema. Meu mapinha era baseado no local que eu devia ir e nao onde exatamente eu deixei a moto. Ataca um, ataca outro pra chegar na dita Marcos Konder, beleza! Consegui e quem disse que eu conseguia chegar até aqui, em uma altura do campeonato, parei um moçoilo, bonito mas um pouco sujo, e perguntei onde ia dar aquela rua reta, e ele me diz que ia dar na 101.

Sim, continuei reto toda linda, porem era uma entrada da 101 que ia dar em Blumenau, realmente eu estava muito perdida, pouco ia adiantar ligar pra Saponildo pensei nisso, mas tbm pensei que já que me enfiei naquele lugar eu ia sair dele.

Saí. (Cheguei em casa 1 hora depois desse sufoco)

Consegui.

Ao menos isso deu certo hoje!

E lembrar sempre: Informações sempre se pede ao sexo masculino, eles tem senso de direção e conhecem as ruas por nome!

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Uma semana que começa bem.

Sabe quando tudo ta dando errado é bem por aí ....

Tu vai pintar a unha e sai tudo lambuzado.
Tu precisa ir em um lugar, em uma cidade que você não conhece e o google mapas parece grego.
Tu vai ligar a moto e ela não liga de forma alguma.
Tu vai comprar uma caixa por que precisa levar umas porcarias pro trabalho e não tem a cor que você quer e tu acaba comprando a que tem por que precisa daquela caixa urgentemente.
Tu vai imprimir um trabalho e descobre que o cabo da impressora queimou e te deixou na mão, ai tu vai imprimir o que precisa e o bendito local não tem as fontes que você queria e desconfigura tudo o que tu fez e ainda paga caro por uma impressão de má qualidade.
E tu esquece o teu pen drive naquele lugar, volta e a pessoa afirma na cara dura que tu não esqueceu lá
Tua amiga enrolona que ficou responsavel de levar as cartas de apresentação pro estágio te liga e diz que não conseguiu os estágios para a parte da manhã.
Tu liga pra orientadora e o teu telefone de casa insiste em não funcionar as teclas 9 e 8.
Tu liga pro celular dela e ela não te atende.

E a manhã termina e tu não fez nada e o que fez deu errado e daqui a pouco tu tem que sair pra trabalhar.

Calma! Respira... é só segunda-feira!

Uma ótima semana a todas

sábado, 19 de maio de 2012

Sentimos sua falta :-)

(...)



(...)

Quando me amei...

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome... AUTO ESTIMA

Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades. Hoje sei que isso é...AUTENTICIDADE.

Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje chamo isso de... AMADURECIMENTO

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo. Hoje sei que o nome disso é... RESPEITO.

Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que se chama... AMOR-PRÓPRIO.

Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é... SIMPLICIDADE.

Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes. Hoje descobri a... HUMILDADE

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... PLENITUDE.

Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada. Tudo isso é VIVER.
Charles Chaplin

(Resposta as muitas dúvidas, hoje eu me amo de verdade, e você se ama?)


domingo, 29 de abril de 2012

sexta-feira, 27 de abril de 2012

A teoria do capacho

Há muito tempo, muito tempo mesmo, mais de ano, eu vi uma reportagem na TV Cultura com o zeladores, sindicos, de grandes condominios de SP, eles tinham uma teoria para definir moradores problematicos, passageiros, a "Teoria do Capacho".

Segundo eles, ao observar a entrada dos apartamentos, aqueles que mantinham um capacho a porta eram os moradores que adotavam aquele lugar como lar e pouco causavam problemas e quem não possuia um capacho a porta de entrada pertenciam a categoria oposta.

Bom logo que vim morar onde moro agora, em menos de um mês arrumei um capacho lindo, lilas escrito boas vindas, realmente tinha como um lar, a aproximadamente um mês, com a desculpa de lavar o capacho e retirei-o da porta e nunca mais o coloquei, talvez já estivesse sentindo que era a hora de procurar outro lar, digamos que a teoria tem lógica!

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Alguém explica?

(...)


Antes do assunto do post de hoje, queria falar que eu passei quase que pela mesma coisa que a Lucí.

Alguns dias atrás tive que faltar no trampo.

Só que o povo não ficou esperando eu voltar nem teve (o mínimo) de sutileza ou companheirismo...

As 9hs da manhã o celular começou a tocar. Como avisei que não iria, nem atendi. 09:15, denovo, e de 10 em 10 minutos alguém ligando. Lá pelas 11hs recebo o primeiro e-mail: "Onde vc está?". Lá pelas 13hs, o segundo: "Está lendo e-mails? Dê retorno".

Aí lá pelas 16hs a sutileza foi embora de vez: "Seu FDP, onde tu tá caral*%# ???", e assim foi, até o outro dia de manhã quando cheguei e cada colega que passava parava na porta e me olhava. E eu, que não nasci ontem, fiquei bem quietinho e fiz de conta que nada aconteceu.

Bom, vamos ao post de hoje.

Eu queria saber se alguém pode me explicar esse vídeo abaixo. Só isso.



:-)



(...)

"o mundo é um ovo"

Não sou o tipo de gente que gosta de reviver o passado ou fico procurando por ele, até por que não gosto de lembrar ou reviver o que já passou, massss era inocencia minha acreditar que mudar de faculdade, mudar de bairro ia impedir de eu reencontrar as pessoas.

Algumas semanas atras na faculdade, desci sozinha, ia em direção a cantina quando a vi, meio de longe, relance, mas reconheci e obviamente não podia estar vendo coisas, dei meia volta e vim pra casa, nao estava afim de relembrar nada.

Ontem, por incrivel que pareça estava com vontade de me arrumar, cheguei do trabalho, tomei banho, coloquei uma roupa decente, até maquiagem. Fui pra aula, fiz prova, desci com S. ela louca por um café (apenas desculpa para fumar), na hora nem me lembrei que ja havia visto tal pessoinha por lá, seguimos pra fila da cantina. S adoçando o café e eu pegando meu suco, quando uma batidinha no meu ombro esquerdo, viro e não vejo nada, quando escuto do lado oposto...

"-Oi Lulys!".

Meu mundo desabou, minha cabeça girou, tudo o que eu queria evitar, afinal eu sabia que eu estava diante da pessoa mais indelicada e perguntadeira da face da terra.

Um "Oi japa" saiu meio assustado.

S. passa por mim e vai em direção a uma mesa, e eu ali parada de pé, morta de vergonha, na hora pensei, "ainda bem que me arrumei".

Para minha total surpresa, a pessoinha mudou, não me fez perguntas e nem por um momento tentou lembrar o que passou, acho que a vida dela não anda muito boa, dois empregos, ainda não casou, a crise dos 31 batendo na porta, tbm não perguntei nada a ela, sorrimos, conversamos, S. veio ao nosso encontro, acredito que o sentimento de amizade voltou, carinho, não doeu nada e até penso em reviver esse momento.

Assim como eu, ela agora anda por outros caminhos, senti que estava mais madura, o único momento que me fez voltar no tempo, foi ela ficar me chamando de Lucí, ninguém mais me chama assim, e fazia tempo que não ouvia o som desse conjunto de letras, é inegavel que lembrei de coisas boas, gostaria de refazer minha amizade com ela, porem eu não queria o pacote completo por que eu sei que o mundo é um ovo.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Adoro...

Sexta- feira passada precisei faltar ao trabalho. Liguei, avisei quem eu achava necessário, abonei a falta em uma das faltas em que eu tinha direito, mesmo assim me senti muito culpada, até por que eu queria ir, mas não podia.

Cheguei ontem lá, meio de canto, escondida, desconfiada, parecia que havia faltado um mês e para minha surpresa descobri o quanto sou querida e abençoada e apesar dessa minha personalidade caracteristica, eu sou muito bem aceita ao ponto de sentirem a minha falta.

Cada colega que chegava, parava uns minutinhos na minha porta, eu senti a sutileza nos olhares e o companheirismo. Ninguém perguntou nada, mas nem precisava, nunca minha vida esteve tanto em pauta, mas parece que elas me acolhiam e entendiam esse momento que estou passando.

Acho que enfim encontrei o meu lugar, a delicadeza da sutileza, sem ninguém invadir minha vida, mas mostrar-se capaz de me apoiar sem nada em troca, fiquei feliz com o dia de ontem e isso me dá certezas de que eu fiz a escolha certa.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

corra e diga aos anjos..(2)

Há exatamente duas semanas foi meu "incidente" com a moto. Ainda não esqueci, pois teve como consequencia grandes reviravoltas. Não foi nada grave.

Eu acredito em coisas que muitos céticos por aí duvidam, eu acredito em anjos, como a maioria denomina e por acreditar na proteção deles que eu sempre peço que eles me guiem e me protejam. Parece que isso não combina comigo, acho que é uma das poucas coisas que restou da menina-criança.

Ainda lembro dos vários anjos que tinham no meu quarto, pelas paredes, até nas capas dos meus cadernos, um especial, confeccionado por mim, que ficava denpedurado no teto e conforme o vento ele se movimentava e assim ele dava as respostas as minhas perguntas, em geral antes de dormir perguntava a ele "Amanhã eu vou apanhar?" Só eu sei o quanto eu ficava feliz em receber uma resposta negativa, o que era raro.

Na adolescencia fui apresentada a literatura de Paulo Coelho e mais uma vez os anjos entraram para nunca mais sair da minha vida, no livro "As Valkirias", e hoje eu acredito que eles nos protegem de uma forma ou de outra, que só precisamos prestar atenção nos sinais, por que nos temos o livro arbitrio e nisso eles não interferem.

No dia do acidente, saia do trabalho como outro dia qualquer, a diferença é que eu estava com muita vontade de voltar pra casa e foi por causa dessa vontade que eu não percebi o aviso. Quase em casa, dobrei aquela movimentada esquina e um carro a minha frente não se decidia em qual pista ficava, estava no meio, geralmente eu esperaria e continuaria atras, afinal 1, 2 min, não fariam diferença, mas nesse dia fez, e eu ultrapassei, mas o sinal fechou em seguida, e ele ficou atras de mim e quando o sinal abre ele bate na minha traseira.

Bom, não posso reclamar, o aviso foi dado, eu quis seguir em frente, mas os anjos queriam me proteger de algo bem maior, foi só um susto. Quando Saponildo foi levar a moto pro concerto, ela perdeu freio, vasou gasolina, isso a menos de 3 quadras de casa. Era com esse tipo de situação que eu ia encarar uma BR, e os anjos evitaram. Tudo isso também serviu para a decisão de mudança de cidade.

Itajai me aguarde, apartamento alugado, mudança agendada e agora sim, vou morar pertinho de onde trabalho.

É só prestar atenção nos sinais!

"Corra e diga aos anjos
Que tudo está bem'

sexta-feira, 20 de abril de 2012

O Plano

(...)

Mudaram a casinha aqui. Tudo diferente.

Os textos já são ruins, e se saírem mal formatados então... é o fim da várzea.

Agora, quase 19hs... a noite já caiu em Porto Alegre. O vidro da janela permite ver a avenida cheia de carros, também dá para ouvir buzinas. O povo querendo ir embora.

Hoje... justamente hoje, eu posso sair mais tarde. "Ganhei" a vaga de estacionamento do diretor que saiu. Lugarzinho privilegiado, direto do elevador para o carro. Se eu ganhar algumas coisas, dele, além da vaga, acho que posso prometer que atravesso o Guaíba a nado.

Foi uma boa semana. Vi gente que há tempos não via, tive incomodações além da conta - todas resolvidas-, e senti saudade da Lucí.

Aliás, Lucí, cadê você sua linda? (querem apostar que vem uma respostinha cretina?)

Dias atrás vi um filme onde O Cabeça administrava os planos (vidas) das pessoas. E teve um lá que teimou em sair do plano original, e isso o fez alterar os planos de todos com quem teve contato; afinal, mudou o roteiro. Filme bem bonzinho.

Não foi no hotel, nem no aeroporto, nem no escritório, nem na faculdade. Mas eu a vi. Por uma total coincidência do destino. Era seu aniversário. Em um lugar simples, uma família alegre, feliz. Todos comemorando. Ela, como sempre; porém com uma diferença: o olhar. Não tinha brilho. Nenhum. O ****** estava lá do lado, feito uma estátua, que não fede nem cheira.

Pensei ser coisa minha, de observador, mas quando a criatura cortou o bolo (e o primeiro pedaço??) e deu o primeiro pedaço para a tia dar para alguém... eu tive que atender o telefone que tava tocando (:

As vezes tenho certeza de que eu escolhi todos os caminhos que percorri até hoje, mas às vezes também penso que O Cabeça pode nos traçar rotas (e nos fazer pensar que nós as escolhemos).

Penso, penso, penso, e desisto. Afinal de contas "nossas escolhas tem 50% de chance de dar certo, é assim pra todo mundo".

Por hoje é só.

Bjo a todos.

Lucí, apareça mais. Sentimos falta da sua ranzinzice

(...)