terça-feira, 30 de setembro de 2014

...

Durante a semana por várias madrugadas acordei com um frio congelante, daqueles de tremer até a alma...

Pensei comigo... Sinal que estou ficando velha!

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Outro sonho sobre nós...

O sonho a seguir não aconteceu hoje, nem ontem, aconteceu a alguns anos. Por que nunca esqueci? Por que ele me apareceu tão real que eu acordei e conseguia lembrar de tudo com uma riqueza de detalhes, além do aperto no peito, talvez o mais significante de todos.

Agora entendo o significado. Eu nem sei como descrever tudo. O lugar parecia com aqueles que aparecem em filmes que retratam a roma antiga. Era aberto, alto, cheio de colunas de pedras. Havia muito vento.
 
Ele e eu corriamos de mãos dadas entre aquelas colunas. Fugiamos. Entre trocas de beijos e a procuras de novos lugares, corriamos. Até que ele se despediu, ele precisava ir, segundo ele: "Eles iam nos matar, se nos encontrassem juntos ali." Implorei pra que ele ficasse. Ele foi e eu fiquei ali parada, sentindo uma dor enorme.
 
Ele correu.
 
Pouco tempo depois passou por mim soldados. Andei em direção oposta e entrei entre umas colunas, ali havia um jardim tão lindo, com uma piscina natural de uma água limpida, tinha muitas flores e uma mulher sentada em uma pedra. Mergulhei chorando, quando saio da água a mulher disse-me que eu deveria ser forte e aceitar o que acontecia e que devia ir me despedir.
 
Lembro de entrar em um lugar que identifiquei como uma igreja, estava cheia de gente, sentei no último banco. Era um casamento. Eu sabia que era o dele. Não via a mulher, via ele com o olhar triste, perdido. Ao sairem da igreja, eles passaram pelo meu banco, nos olhamos e eles seguiram escoltados pelos mesmo soldados.
 
Acordei.
 
"Eu sabia desde o inicio que tudo me lembrava sinais romanos, roupas, local. Nunca me interessei em pesquisar nada sobre o assunto, mas agora depois de tantos anos e uma conversa sobre vidas passadas me fez refletir sobre tanta coisa e lembrar desse sonho e fui pesquisar alguma imagem sobre roupas romanas, pra me certificar se as roupa vestidas por nós e pelos soldados eram mesmo romanas e pra minha surpresa encontrei essas imagens justamente em um site do Instituto André Luiz (AQUI)"

domingo, 28 de setembro de 2014

Coração Pirata...

Quando a paixão não dá certo
Não há porque me culpar
Eu não me permito chorar
Já não vai adiantar
E recomeço do zero sem reclamar
 
O meu coração pirata toma tudo pela frente
Mas a alma adivinha
O preço que cobram da gente
E fica sozinha..
.
Levo a vida como eu quero
Estou sempre com a razão
Eu jamais me desespero
Sou dono do meu coração

Ah! O espelho me disse
Você não mudou...
 
Sou amante do sucesso
Nele eu mando, nunca peço
Eu compro o que a infância sonhou
Se errar, eu não confesso
Eu sei bem quem sou
E nunca me dou!
 
As pessoas se convencem
De que a sorte me ajudou
Mas plantei cada semente
Que o meu coração desejou
Ah! O espelho me disse
Você não mudou
 
(Coração Pirata-Roupa Nova) 

sábado, 27 de setembro de 2014

Livros que falam.

Que eu gosto de ler não é nenhuma novidade pra quem convive comigo, que eu gosto de escrever não chega a ser um segredo muito bem guardado. O fato é que por eu gostar de ler, as pessoas ficam me oferecendo livro emprestado e eu não sei dizer não.
 
Eu não tenho tempo!
 
(virgula)...
 
Eu tenho algum tempo. Um tempo entre o dormir meu e dela e o nosso acordar. Tipo... depois que ela dorme até eu dormir.. e quando eu acordo até ela acordar, esse é o meu "tempo disponivel" pra fazer essas coisas: ler, internet... tomar banho. É pouco. Banho é sagrado. Agora ler..
 
Aí que eu vou pegando os livros e empilhando em cima da comoda, de longe eu ja vejo 3 livros, que ficam ali me olhando e me pressionando quando eu vou le-los. Um dia quem sabe. Ja tenho mais duas meia leituras. Um que ja faz quase 2 anos que comecei, é terrivelmente chato, mas o que eu começo eu termino. Outro até bonzinho, massss deixa pra la. É em pdf, e sempre acabo na internet.
 
A verdade é que só li 2 livros esse ano de gosto e espessura duvidosa, pra quem devorava livros. Estou em falta comigo e agora sem graça de devolver os livros sem ler.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

No corredor...

Caramba, se tem uma coisa que eu odeio nas pessoas é tal de "transferencia de responsabilidade". Mal entro porta adentro a fofoqueira de plantão me passa a última e logicamente que meu nome estava incluso.
 
Encontrei a outra pelo corredor, ela ia me virando as costas, ninguem me vira as costas e me deixa falando sozinha, agarrei ela pelo braço e disse tudo aquilo que estava entalado a dias, meses, bem baixinho, sem baixarias, somos adultas, temos que conviver, mas não suporto uma pessoa assim, to cansada de conversas distorcidas, das intrigas, vai arrumar um homem pra vida dela!
 
Diante de tudo isso, nao me saía da minha cabeça por meses, o dito passeio de fim de ano, de quem assinou nao podia desistir, eu desisti e perdi a vontade de ir, junto com o pagamento da primeira parcela, agora só tinha que encontrar alguem que quisesse ir no meu lugar.
 
Não sou hipocrita.. é o mesmo que fazer festinha de amigo secreto e abraçar quem vc nao gosta, eu nao iria nesse passeio nem a pau, so nao queria colocar fora o dinheiro que ja paguei.
 
Tracei como meta do dia, encontrar uma substituta. Fui em cada uma, perguntei se nao conhecia ninguem e bla bla.. inventei qualquer dor de barriga, e encontrei uma alma boa, que vai levar a mae dela, que deve ser bem mais interessante que minha companhia.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

E na hora do café....

Acho que a melhor hora do trabalho, ainda é a hora do café. Ninguém imagina o poder da língua de mais de 10 mulheres sentadas em volta de uma mesa. Na maioria das vezes eu sinto vergonha por elas, falam demais, expoe demais sua intimidade, entre tantas outras coisas. Damos risadas, tem dias que estão todas de mau humor, principalmente em dias como hoje que o clima não ajudou.
 
A que está do meu lado, puxa o celular e pergunta se eu já vi tal.. e tal video. Como eu vivo em outro planeta, que eu não sei nem o que acontece na rua da minha casa, muito menos vou saber o que anda rolando por ai.
 
O video segue, eu vermelha, roxa...o que eu ia dizer? Mostra pra uma mostra pra outra. Os comentários começam a surgir. "Olha como ela faz direitinho...!" "Tem muito profissional por aí que cobra e com certeza não faz assim" e bla blas...
 
O video mostra uma adolescente fazendo sexo oral em outro adolescente que não mostra o rosto. Lógico que não...
 
A mulherada falou, falou... mas ninguem percebeu o principal, nem eu e foi o motivo que levou a pessoa a mostrar o video..
 
"Vcs nao perceberam nada? Ela está de uniforme (apesar de aparecer somente a parte da camiseta), nao reconhem? É aluna daqui!"
 
Minha mente revirou por cada rosto de menina daquela idade. Sim menina, por que 14 anos é uma menina. Lembrei e reconheci. Foi só voltar pra secretária e puxei a ficha dela. Filha única, mora só com o pai, mãe falecida. Eu não queria estar na pele dela, se o video já caiu no alto escalão, imagino que ja ande nos corredores faz mais tempo.
 
Bem provavel que isso nao vai acabar bem. Estamos observando até onde isso vai dar, ninguém se manifestou ainda, nenhuma midia, nem os pais.. por enquanto todo mundo sabe, será que ela sabe? Me perguntei..Com certeza ela sabia que estava sendo gravada, não tem nem como negar, era um ambiente externo e por momentos ela olhava para o aparelho, mas custava tirar a blusa do uniforme, seria uma afronta para o pai? Afinal ele paga uma alta mensalidade.. e com certeza o que ela estava fazendo ela nao aprendeu na escola.
 
Mas quando se é adolescente vc nao pensa muito no que faz, você vai lá e faz, depois vc pensa.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Insonia...

Quando acordei na madrugada, pelas poucas horas que dormi, o barulho da chuva ja incomodava. A insonia se faz presente pelas duas ultimas semanas. Revirei-me na cama, fui até o berço cobri-la. Não conseguia dormir.
 
As vezes penso em descer, ligar a tv da sala, ler algum livro, tomar banho, comer, ir para a internet, mas nada me apetece, parece que tudo o que eu penso afasta ainda mais o sono de mim.
 
Escutei hoje no almoço: "Voce anda indo dormir tarde.."
 
Não tenho sono, não tenho vontade de dormir. Isso é o inferno em vida. Estar cansada e deitar na cama e deixar que os pensamentos tomem conta de mim.
 
Penso em tanta coisa, em coisas que eu fiz, que eu deixo de fazer, de conversas no trabalho, na roupa que ficou na máquina, na cachorra que faz barulho na sala, se a Lígia está dormindo bem, se ela não está com frio ou com calor, se amanhã vai ter sol ou chuva, se.. se.. se..
 
E hoje com certeza minha insonia perdurará, por que vou estar cheia de lembranças boas, muito boas, pois é só quando deitar minha cabeça no travesseiro é que vou estar sozinha comigo mesma e me permitir lembrar e quem sabe planejar, amor é para tolos, não é isso o que eu quero.
 
E tenho certeza de que hoje quando vc colocou a sua cabeça no travesseiro, teus pensamentos foram todos pra mim.

OVELHA NEGRA...

Tem dias que parecem que vc tem um peso nas costas. Eu já devia ter aprendido que esse peso nada mais é do "sexto sentido".
 
Estava almoçando ontem. Ainda comentei com Saponildo que ia trabalhar a "capricho", um inicio de gripe. Lígia na mesa meio enjoada, não queria comer, só brincando com a comida.. (depois comeu 5 bananas na escolinha, ai eu fico com aquela cara de paisagem como se eu não desse comida pra minha filha.. mas deixa estar!).
 
Eu ali, mais para baixo do que pra cima, de má vontade mesmo... sem um pingo de vontade de sair de casa.
 
Era os meus anjos me avisando que minha tarde não seria nada fácil. E não foi.
 
Me incomodei de um tanto.. de um tanto. Que eu queria bancar "a loka". E esfregar o dedo na cara de meia dúzia de gente e dizer que eu não preciso disso.. e bla bla bla. Mentira, eu preciso para manter minha integridade emocional.
 
Sei lá, por quantos 10,20... suspiros dei em cada canto. Respirei e contei até "trocentos". E não sou eu que ando impaciente não. Ando até calminha.. bem calminha, acho que até songona demais, por isso que isso anda a acontecer.
 
Até de insubordinável fui chamada, não pirei.. pq em todos os lugares que trabalhei eu ouvi isso, mas também não fiquei a dar explicações.. pensem o que quiserem!
 
Não sou insubordinável, a grande questão é que eu uso a cabeça pra mais coisas do que um cabelinho arrumadinho. EU PENSO! EU FALO! EU ARTICULO! EU LEIO! EU TENHO VIDA PROPRIA!
 
E tem gente que não gosta disso, tem gente que gosta de um rebanho manso. Eu não, eu sou ovelha negra!

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Junto com a primavera vem...

Nunca esqueci, não teve como. Lembro de dizer a você como eu era ruim com datas e você dizendo que o seu aniversário eu jamais esqueceria, era quando começava a primavera. E foi assim durante todos esses anos, a cada inicio de primavera eu lembro de ti.
 
Não seria diferente hoje. Quando ouvi alguém falar a data e pronto... lá eu estava por lembrar.
 
Verdade que são poucas as datas que eu lembro, não queria lembrar essa, mas quem mandou você nascer junto com a primavera?

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Pra surdo ouvir e cego ver...

Ele pensa que ainda me ofende em falar da minha família. Antes doía tanto, machucava tanto, era uma magoa tão grande que eu carregava comigo, hoje eu aceitei tudo o que aconteceu e sei que não foi culpa de ninguém, então não dói mais, mas me chateia ela ainda tentar me ferir com as historias do meu passado.
 
Eu desesti faz tempo, desisti de nos, desisti de mim, vou levando, acho que o dia em que eu criar coragem e virar as costas não vai ter mais volta. Cada pessoa com suas fugas, a minha é o trabalho, queria arrumar um trablho 24 horas pra fugir e ocupar a cabeça em tempo integral.
Não tenho mais saco pra internet, a maioria das noticias importantes eu acompanho pela TV, quando sento pra descançar, isso ocupa minha cabeça, consigo me alienar um pouco, essa é minha droga. Uma vez eu costumava ler pra me alienar do mundo a minha volta, já fiz inúmeras tentativa de recompor esse habito, mas não tive sucesso, não consigo concentrar minha mente na leitura é como se não tivesse lendo.
Eu já sofri tanto, por tanta coisa, coisas das quais não tive culpa, fui coadjuvante na vida. Não faço o papel de coitadinha não cabe a mim, sempre cai e me levantei, tantas as vezes que nem se eu quisesse contar não conseguiria, mas cada queda sempre deixa uma cicatriz e as vezes elas abrem em feridas que me remoem por dentro e que me fazem chorar em silencio, por isso preciso desses tempos de alienação, pra acalmar as dores do peito, por que não é fácil sorrir pro mundo quando por dentro a gente sangra.
Eu só queria poder ser eu mesma, não ter que ser o tempo todo forte, ser acolhida por um abraço e poder chorar de soluçar, sem cobranças, um abraço que apenas me acolhesse com o seu calor, sem tempo, sem pressa que cuidasse de mim. Estou cansada de cuidar dos outros.
Eu tenho a consciência de que felicidade é utopia, mas é engraçado como em alguns momentos ela me contagia com coisas tão simples, que eu já cheguei a conclusão que a minha felicidade esta nas coisas simples, não sou tola, não fico procurando ou esperando ela chegar, so sinto a energia que ela descarrega.
Essa semana ainda, após o trabalho, fomos a uma loja de roupas no centro, na volta pensei que Lígia estivesse a dormir, quando ela começa a cantar “Boi, boi, boi, (enroles) peta, (enroles) neném (enroles), Não, não, não...(enroles) beijão (barulhinhos de beijo estralado)”. Isso me deixou tão feliz, que na hora pensei se podia existir felicidade, o mesmo coração que hoje dói, na hora se encheu de carinho.
Não escrevo pra ninguém ler, escrevo pra despejar, é como se eu tivesse falando, falando e a pessoa que estivesse ouvindo, não tivesse entendendo nada, mas estivesse ali, acenando com a cabeça, concordando comigo e me oferecendo um ombro pra acolher minhas lagrimas

domingo, 21 de setembro de 2014

Um email que não será enviado

Gostaria sinceramente que você se importasse. Penso que lá no fundo você se importa. As vezes me pego pensando se você ainda lembra de mim. Encho o coração de expectativas, na verdade eu nem soube o que fazer com a resposta. Esperei tanto por ela que na hora o coração endureceu.
 
A unica coisa que sei é que faz tempo demais, anos demais e quando li aquelas palavras foi como se fosse ontem, o "Lucí" escrito soou nos meus ouvidos com a sua voz, como se estivesse ali do meu lado me chamando. Lembro da doçura de como meu nome era dito.
 
Um dia me disseram que a pior coisa na vida é descobrir que você não foi o grande amor da vida do amor de sua vida. Verdade. Pensei muito nisso tudo, dessa tristeza eu sei que eu não sofro.
 
Tudo deu errado. Você diria que nunca é tarde pra recomeçar. É tarde sim!
 
Não somos os mesmos. O melhor do passado são as lembranças. Nunca mais passará disso. Mesmo que o coração aperte, o corpo deseje e deixar que a vida cumpra seu destino.
 
As lembranças ainda doem. Novamente eu espero uma resposta e ao mesmo tempo eu me preocupo por que sinceramente eu nao saberei o que fazer com ela. Tu podes pensar que eu não sei de nada.
 
Eu sei de tudo. Sei tudo.
 
Por vezes eu tive vontade de jogar tudo pro alto, daria 1 dia da minha vida pra saber se você pensa em mim, se em algum momento você lembra de mim ou o que te faz lembrar de mim.
 
Sou mais eu. Muito mais eu e vamos continuar sendo esse paradoxo, o que de melhor e o que de pior aconteceu em nossas vidas.

sábado, 20 de setembro de 2014

Contradições minhas.

Tenho como meta de vida levar uma vida mais simples, isso por aí tem nome, cada um da o nome que quiser, eu me sinto melhor assim, quando a vida esta em paz. Não sou compulsiva por nada, nao gosto de gastar dinheiro atoa, nao sou acumuladora.
 
Pra mim, menos sempre foi mais. Acho que desde sempre fui assim, talvez por isso nunca me enquadrei em nenhum grupo de pessoas, nao criei laços, por que nao encontro pessoas reais que pensem como eu, ainda mais sendo mulher, bem provavel que por isso sempre tive mais amigos da ala masculina, por que homens sao simples por natureza, no pensar, no viver e no consumir.
 
Nao luto a favor e nem contra isso, nao me policio, tenho ainda meus rompantes, por que quando eu gosto eu amo, eu compro, eu levo, mas pratico o desapego, sem dó. Não me apego a nada.
 
Não tenho muitas roupas, já tive bem mais, mas precisava de novas, entao me desfiz das velhas, tirei um peso, pq algumas ate me traziam recordações de momentos bons e nem tão bons. Gosto de joias, como ja mencionei por aqui, tenho predileção por brincos.
 
Gosto de decoração, de faça por si mesmo, gosto de poucos moveis, gosto de conforto.
 
Gosto de ser simples.
 
Gosto de tomar banho, de andar com o cabelo molhado, de cara limpa e de chinelo. Gosto de cor, muita cor, amo as cores.
 
Só queria agregar a isso tudo uma vida mais saudavel. A minha vida é corrida. Queria ter mais tempo, mas pra ter mais tempo eu teria que abdicar de outras coisas que me completam, como trabalhar e me sentir util, ganhar meu proprio dinheiro.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Agradecida.

Não sei enumerar os dias que o sonho passou-se. Acordo e lembro de tudo com muita nitidez, era uma voz que ao mesmo tempo que escrevia e lia para mim o que escrevia. Não tinha rosto. Apenas uma voz que me dizia que era para dar o seguinte recado:

"Estou bem. Estou feliz".

Insistia eu em saber para quem era o recado, mas como nada conseguia como resposta, passei a insistir em quem era a pessoa.

A voz, escreveu e leu seu nome.

"R."

Lembro das palavras escritas. Lembro da assinatura em giz em um quadro negro.

Dias e mais dias se passaram.

Conversando com uma colega de trabalho e ela me dizendo como suas perdas familiares tinham a afetado, a mesma que a algum tempo havia me perguntado se eu não conhecia nenhum centro que psicografasse mensagens, pois ela gostaria muito de receber uma mensagem do seu irmão.

Naquele instante me veio o clique em perguntar o nome do seu irmão.

E ela me disse:

"R."

Empalideci, enfraqueci e quase desmaiei. Ela me vendo daquele jeito me perguntou o que houve e eu contei.

Ela em lágrimas.. Disse que acreditava em mim.

Eu não teria motivos para mentir e fiquei feliz em ser a portadora, transmissora e a merecedora e principalmente a escolhida para levar esse conforto a ela.

Obrigada a meus espiritos protetores que sempre me acompanham.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

FAMA: só mais uma!

Acho que se eu pudesse descrever o "encerrar do meu trabalho" de ontem e o meu dia de hoje, não seria bem com palavras mas sim com o desenho de "uma lágrima caindo pelo canto do coração". Era exatamente assim que eu me sentia ontem.
 
Por que diabos eu rodo, viro, mudo de cidade, mudo de trabalho e sempre tem alguem que ja me conhece de tal lugar, o problema nem é "achar" que me conhece, mas guarde suas opinioes pra si. Quando ELA me disse tais coisas e acredito que ela estava cheia de boas intenções ela não imagina como eu me sentia por dentro.
 
"Nossa, Lu. Ainda hoje a fulana comentou como vc está mudada, parece mais feliz trabalhando aqui, até está ajudando bastante e tals"
 
Fiz aquela cara de ponto de interrogação..
 
Ela complementa.. "É que a tua fama em tal lugar, era que vc nao fazia nada, ficava so sentada!".
 
Engoli em seco! E por dentro do olho uma lagrima queria sair. Até o momento eu não permiti que ela saia.
 
Doeu, por que "Fama", é por que mais de uma pessoa, que comentou. E depois pq eu me senti injustiçada por que eu nunca fui assim.
 
Depois que acalmei o coração hoje... fiquei pensando que isso foi de uma recalcada que realmente nao fazia nada e se incomodava por que eu fazia! Se realmente isso fosse realidade, eu não seria tão disputada.
 
Poderiam dizer tanta coisa de mim, que eu até concordaria e ainda daria risada, que eu sou mau humorada, nao tenho papas na lingua, antisocial, cheia de manias... mas isso nao! Confesso fiquei triste, bem triste! Acho que nem tanto pelo o que a pessoa falou, mas sim por ela ser alguem que eu gostava que falou pra outra pessoa que eu gostava também.
 
Bom, o jeito é voltar pro meu mundinho... o "nao gostar de ninguem facilita a vida".