quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Melhor que tio...

Depois de um longo dia de trabalho, Saponildo vai ao supermercado ..
 
Estava eu no quarto organizando umas roupas, a Lígia brincando em cima da cama, quando ele volta vem ao nosso encontro.
 
"-Tu não sabe o que me aconteceu..."
 
Meu coração aos pulos, pelo tom com que ele falou, como se algo muito grave tinha acontecido, pensei em tantas coisas em questão de segundos, que ele foi assaltado, que bateu o carro, que atrapelou alguém.. que nada..
 
"- Fui chamado de SENHOR pela caixa do supermercado. Ela disse bem assim.. "A Lígia não veio? O senhor deixou ela em casa?".
 
Pensa numa pessoa morrendo de rir, essa pessoa era eu.
 
"- Olha, melhor senhor do que tio, ja pensou nisso?".

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Lamento...

É só isso que tenho a dizer! Mais 4 anos!

... e viva a democracia!

Politica se discute sim! ..e mantenho a minha posição!

Lamento pelos altas impostos, lamento pela corrupção ativa e escancarada!

Lamento pela política do pão e circo!

E viva o Bolsa família, viva o assistencialismo!

Lamento...

domingo, 26 de outubro de 2014

...até o mundo acabar...

...de janeiro a janeiro...
 

 
ou..
 
...de setembro a setembro...
 
"Sabe aquela música bonitinha que acolhe a alma? É essa! Palavras que abraçam o coração apertado e deixam o dia mais doce..."
 
Bom domingo!
 
Não consigo olhar no fundo dos seus olhos
E enxergar as coisas que me deixam no ar, deixam no ar
As várias fases, estações que me levam com o vento
E o pensamento bem devagar

Outra vez, eu tive que fugir
Eu tive que correr, pra não me entregar
As loucuras que me levam até você
Me fazem esquecer, que eu não posso chorar


Olhe bem no fundo dos meus olhos
E sinta a emoção que nascerá quando você me olhar
O universo conspira a nosso favor
A conseqüência do destino é o amor, pra sempre vou te amar
Mas talvez, você não entenda
Essa coisa de fazer o mundo acreditar
Que meu amor, não será passageiro
Te amarei de janeiro a janeiro
Até o mundo acabar
(de janeiro a janeiro/ Roberta Campos-Nando Reis)

sábado, 25 de outubro de 2014

JURA?

AQUARIO...

"Homens e mulheres de Aquário são absolutamente independentes e não levam a sério as diferenças entre os sexos. Ambos são liberais e inteligentes e costumam ter ideias à frente de seu tempo. Muitas vezes, a mulher é ainda mais independente e inovadora que o homem, especialmente nos costumes, nas ideias e na maneira de vestir-se. O homem, muitas vezes, é mais tradicional, mantendo alguns valores do “velho mundo”. Nenhum deles suporta manifestações viscerais e muito emocionais, mas, no amor, o homem é mais arisco. A mulher entrega-se com mais facilidade, porém sem romantismo. Na cama, empatam na liberdade de expressão, na necessidade de movimentos e na capacidade de deixar de lado o romance e até mesmo o sexo, se o papo estiver animado"

 
PEIXES...
 
"Homens e mulheres de Peixes são muito parecidos em várias características, no entanto, os homens agem unindo algumas características de seu signo oposto, Virgem - especialmente no trabalho. Costumam ser mais práticos do que as românticas piscianas, principalmente no amor. Sabem que, no fundo, carregam esse extremo romantismo e não gostam nem de pensar na possibilidade de se desmanchar e sofrer por causa de um amor. Eles bem sabem que isso pode acontecer, o que mostra que o perfil prático é apenas uma defesa que encontraram para conseguir enfrentar a vida e suas dificuldades. Na cama, eles conseguem ser os mais românticos dos homens, assim como as mulheres desse signo. Ambos possuem uma sensualidade sutil e delicada, que conquistam qualquer mortal"
 
 
Fonte: Terra

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Sexta pra que te quero!

Uma única verdade: estou dormindo tarde demais e acordando cedo demais. Resultado: uma pessoa mau humorada, rabugenta com olheiras enormes e sem paciencia!
 
Hoje quando cheguei ao trabalho e vi minha mesa entulhada de coisas por fazer, suspirei longamente.. e "é melhor assim".
 
É melhor estar focada no trabalho, isso afasta minha mente do que não adianta ficar pensando. Já passei da fase do encanto, já acostumei com a "ideia". Então vou levando e me deixando levar. Até quando? Não sei.
 
Já planejei. Agora é só ir dando passos de formiguinha. Eu chego lá. Devagar e sempre. E a tarde passou rápido. A mesa continua cheia, mas amanhã é SEXTA! E a ele dedico meus pensamentos nos momentos de solidão, então que venha a sexta e mais trabalho...

Nate Ruess

Tinha que ser pisciano. Gatíssimo. Ops... nem que todo pisciano é gato, mas é pela sua voz macia..Ops... nem todo pisciano tem voz macia... Ahh deixa pra lá!








Pra todos os estilos...













Gostos e sabores...




 
Casa, comida e roupa lavada.
Topa?
rsrs*

(Ah.. se eu tivesse uns milhões para um show particular...)

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Cara ou coroa...

Uma das mulheres que em tempo livre vão conversar comigo enquanto eu trabalho, é uma senhora, aparenta ter mais idade do que realmente tem, foi casada a muitos anos, o marido não a suportou por mais de 3 anos, não teve filhos e mora sozinha com a mãe que imagino ser uma senhorinha bem senhorinha.
 
A função da vida dela é reclamar da vida, entendo agora por que o marido não a suportou, tem mania de perseguição, acredita que todo mundo odeia ela e é para piorar vive em função da igreja.
 
Já faz algum tempo que ela vinha comentar sobre um senhor bonitão, segundo ela estilo Roberto Justus que ela estava a paquerar na igreja. Bom, hoje ela veio contar pra mim toda desiludida que ele apareceu por lá com uma mocinha toda bonitinha, mas como ela tem a boca grande e saiu contando pra todo mundo isso virou piada.
 
Na mesa do café, o assunto rendeu. A "chefa superiora" não se conteve, afinal é amiga dela há anos...
 
"-Olha I. nem eu ele ia querer, imagina vc"
 
Achei meio pesado, por que ela se acha a bonitona do pedaço, coisa que nem é, acho que devo ter olhado meio estranho pra ela..e..
 
"Nem a Lu...ele ia querer".
 
Encaro com um elogio? ... ou será que nem pra velhinho to servindo mais..rsrs.
 
Apesar da ironia, não gostei da brincadeira sem graça, com certeza ela se sentiu humilhada, mas acho que não está sofrendo tanto assim, afinal ela me confessou é que gosta de um garotão e não se importa em trocar as fraldas!

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Parecido com capacete, mas não é...

A mais ou menos um mês atras fui comunicada pela professora da Lígia que ela andava a dizer "palavras feias" e uma delas era "cacete" (ela só tem 1 ano e 7 meses, mas já fala bem declarado as palavras que consegue repetir, já memoriza a maioria, agora começou a formar pequenas frases).
 
 Cheguei em casa e falei com Saponildo que ele deveria ter mais cuidado com o que falava, principalmente quando está dirigindo, por que ela é não é mais uma esponjinha que só absorve, agora ela memoriza e depois fica repetindo e não sabe o significado do que fala. Ele ofendeu-se, disse que eu coloco tudo a culpa nele e que ele não tem o hábito de dizer "cacete"e jurou de pé junto que isso ela não aprendeu com ele, pois bem, eu sei que ele fala, só precisava aparecer uma oportunidade que ele se descuidasse.
 
Agora a noite na mesa....
 
Saponildo derrama café..
 
"- Cacete! Filho da p...!
 
Olho com desaprovação e aceno pra ele apontando a Lígia, ela com aquele sorrisinho sapeca achando a maior graça.
 
E eu não podia perder a oportunidade..
 
"Então você afirma que não foi contigo que ela aprende essas coisas!?"
 
Como sempre, ele acha uma saída...
 
"Lígia, cacete é parecido com capacete, mas não é a mesma coisa, ok?"
 
Fui obrigada a rir...

domingo, 19 de outubro de 2014

Sempre ela..P!nk

Se tem uma cantora que me identifico é com ela, suas músicas dizem o que eu gostaria de falar ou de ouvir...

Who knew

 

 
 [...]Você pegou minha mão, você me mostrou como
Você me prometeu que ficaria por perto
  Eu peguei as suas palavras e eu acreditei
Em tudo que você me disse...
 


Please don't leave me
 



[...]Eu sempre digo como eu não preciso de você
Mas sempre vai voltar pra isso
Por favor, não me deixe


Just give me a reason




[...]Apenas me dê uma razão
Apenas um pouco é o suficiente
Espera ai, nós não estamos quebrados, somente fora do eixo
E nós podemos aprender a amar novamente
Está nas estrelas
Tem sido escrito nas cicatrizes em nossos corações
Nós não estamos quebrados, somente fora do eixo
E nós podemos aprender a amar novamente 

1 hora e meia pro norte...

Bom, teve um tempo que eu quis muito, mas não tive coragem. Queria ter a coragem dele.. mas não tenho.
 
Ando as lutas internas, confusa emocionalmente, não tão quanto antes.
 
Agora estou a trabalhar isso em mim. Semana que passou fui fazer rematricula de minha pequena na escola, ano que vem o dia todo, preciso trabalhar mais (pra me afastar mais) ou cuidar mais de mim, ter mais tempo pra mim. Como disse a diretora "você não tem que dar satisfação da tua vida pra ninguém, vai ser bom pra ela". Assim espero como também espero não me remoer em culpa.
 
Ando a fazer planos e metas. Já iniciei com o Caixa 2, não se pode ir muito longe sem dinheiro. Não é a falta dele, mas é usar sem dar explicações. Até algum tempo não me importava, conta conjunta, tudo junto e misturado, gasto bem menos do que ganho.
 
Minha cabeça anda longe, ando distraída e sem paciencia. Ansiosa. Mas o rítmo de final de ano não me deixa cair. Logo vem as férias, é o que penso nas noites de insônia. Depois das férias, novamente trabalho e por fim as férias de inverno, tão ou mais desejada que as de verão. Vai passar rapido eu sei e ninguém precisa saber...
 
Mas eu preciso me sentir viva novamente, preciso muito.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

De onde eu vim...

Segundo a metereologia no momento é de 21C. Está uma noite agradavel, mas o dia foi bem abafado. Gosto do clima daqui, parece que as estações do ano realmente existem, nao gostava do clima de BC, apesar de serem cidades vizinhas, lá é bem mais quente.
 
Não gosto de calor, está ai outra coisa que detesto. Simplesmente por que nao se pode fazer muita coisa para "não sentir calor", as opções sao ar, ventilador, pouca roupa. Já o frio... tem as melhores, um bom chocolate quente, vinho, quanto mais roupa maior a sensação de aquecimento, pular, dançar.
 
Tá, tirar a roupa pra tomar banho no inverno, é cruel, é uma prova de coragem, não se pode pensar muito, tira e se joga no chuveiro, só na correria ja aquece o corpo. No calor tem pernilongo, que picam e me deixa toda embolada. Não conseguir dormir com calor, lençol que gruda no corpo, sair do banho ja se sentindo suada. O frio por si só pra mim é mágico.
 
Se eu ficar descrevendo pros e contra faria listas infinitas, mas a minha pessoa combina mais com o frio, mas casei com um "sapo abafado". Olha... é um homem calorento, acho que se ele realmente pudesse andaria só de bermuda e chinelo de dedo. É uma das muitas diferenças (abismo) que existe entre nós. Eu sou friorenta, é só uma brisa passar que já estou a me enrolar em mantas.
 
Esse ano, o verão aqui, foi de um calor quase em nivel insuportavel, a conversa em todos os lugares "nem o ar estava dando conta". Não mesmo. Dia e noite ligado e mesmo assim ainda sentia o bafo que vinha la da rua, mas la por final de março já dava pra dormir ao natural, prefiro assim, Sr. Saponildo não, no maximo o ar tem que estar em 18C, e eu a passar frio nas madrugadas. Aumentava, ele acorda e diminuia e as brigas no meio da noite. Ambos viemos de terras frias, que eu tenho tanta saudade...
 
Ir para a escola com as poças de agua congeladas pela geada. Ir pulando nelas pra quebrar o gelo. Ficar lagarteando no sol, tinha coisa melhor? Pinhão na chapa do fogão a lenha. Melhor, pinhão de qualquer jeito. O cheiro da laranja, inverno pra mim tem cheiro de laranja e bergamota que onde a gente vai carrega junto. Nostalgia presente. Inverno é lembrar da minha infancia e adolescencia, naquela cidade da serra gaucha em que nasci. Todo o inverno a espera da neve, tive a oportunidade de ver a beleza e a tristeza de um dia de neve e mesmo assim a minha mãe dizendo "vai pra catequese sim, a vida nao parou pq esta nevando!"
 
Lembro de dias muitos frios, os dedos doerem, voltar correndo da escola, pq sabia que tinha um fogão a lenha quentinho me esperando, o prazer de aquecer as mãos. A gente que viveu tudo isso aprende a conviver e a gostar do frio. Nasci naquela cidade que quando fazia 24C no verão era de um calor insuportavel.
 
Eu entendo quem tem essa aversao, afinal o que seria do branco se todos gostasse do preto, e acredito que seja algo pessoal, fisiologico mesmo, que nao tem nada haver com adaptação ao clima, pois casei com um sapo que também veio de uma cidade fria, só não sei como sobrevivia e jurou de pés juntos que na minha cidade natal, e até hoje cumpre que nunca mais colocará os pés la no inverno, o frio ele até suportava, mas o desgraçado daquele vento, que assobia no canto da casa ele nao suportava, falei no ouvido dele "meu amor, te apresento o minuano, que só tem na terra em que eu nasci". 
 
Post programado.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Amores que não deram certo VI

Aconteceu a tanto tempo, pensei muito se devia encaixa-lo nessa categoria, mas acho que ele merece um espaço aqui, assim como teve um espaço em minha vida.

Conheci Andre, de uma forma que se eu contar ninguém acredita! Voltanto a tanto tempo atras, uns 10 anos ou mais... já namorava *Amores que não deram certo V* Na verdade a nossa história esteva muito entrelaçada a essa.

Era sábado a tarde, apenas queria dar uma lição no outro que sempre me deixava esperando na internet, resolvi fazer outras coisas naquele dia. Tédio total, a menina que me morava comigo estava a me incomodar pra eu ligar para algum amigo pra ver se alguém deles poderiam vir desentopir a caixa de gordura, pois nao tinhamos grana pra pagar o conserto.

Liga pra um, liga pra outro. Ninguem podia afinal era sabado. Desisti e o que era algo serio virou uma brincadeira de quem nao tinha o que fazer. Ligar pra qualquer numero aleatorio e desenrolar uma conversa, com os criterios de que fosse homem com voz jovem e solteiro.

Tenho certeza que foi o destino, que quando disquei aqueles numeros, caiu na casa dele. Ele atendeu, conversa vai e conversa vem, falei o por que iniciei a brincadeira, que era pq precisavamos de alguem pra vir arrumar a caixa de gordura, ele que estava com um amigo em casa, prontamente se prontificou a nos ajudar, que era so dar o endereço. (Nem pensei no perigo, quando se é jovem demais não se pensa).

Não demorou muito um carro parou em frente a nossa casa, e dele saiu um baixo moreno e um alto, de oculos e cabelo loiro meio desengonçado. Queria saber quem era a Lucí, me identifiquei e fomos obrigados a rir da situação, pq eles disseram que não sabiam arrumar e resolver o nosso problema, mas gentilmente chamaram um encanador, alem de pagarem pelo serviço. No mesmo dia, combinamos de a noite ir em um bar que era bem conhecido pelo povo de nossa idade.

A noite, eu ja havia decidido que nao iria, sentia-me culpada, eu tinha namorado, era apaixonada por ele, e nao achava certo sair com outro mesmo que nao fosse pra fazer nada, quando eles chegaram comuniquei a minha decisão, que nao iria e pelo motivo, que nao achava certo. Minha amiga foi-se com o baixinho pro bar e Andre, decidiu me fazer companhia ate eles voltarem (novamente um perigo, nao se pensa!).

Conversamos, ele pediu pizza, se interessou em saber sobre o meu namorado "ausente" sábado a noite. O inicio de uma bonita amizade. Ele fazia gastronomia, pretendia ser chef de cozinha pra trabalhar em cruzeiro (e conseguiu)... Durante esse tempo, tive que me dividir entre um namorado, e um amigo bacana. Andre entendia que toda noite, a partir da meia noite, eu pertencia ao mundo virtual, assim como os sabados e domingos.

Eu lembra da gente e da saudades desse tempo, pelo amigo que perdi. Da gente sentado no corredor da faculdade fazendo fofoca. Dele me ligar no final da tarde e me mandar correr se eu quisesse participar da degustação (ele fazia faculdade a tarde e no final da aula, tudo que eles faziam eles podiam convidar alguem pra comer). La estava eu... a especulação de que fossemos namorados era grande, mas sempre negavamos.

Foram momentos muito bons. Lembro e sinto falta das conversas, é o que faziamos de melhor, conversa na cantina, na biblioteca, na grama. Só pode ser coisa de outra vida, duas pessoas que eram completamente estranhas, terem criado tamanha afinidade. Ele, nascido em Rio Grande do Norte, com um sotaque fofo demais, educado, gentil e sempre me respeitou, eu tinha certeza que pra ele eu era uma amiga.

Mas meu inferno em vida ia começar, junto com os problemas que eu enfrentava em meu relacionamento, nao foi uma, nem duas, foram varias as vezes que ele acolhia meus choros, fazia de tudo para me alegrar, que estava ali presente. Nessa época fui alertada por minha colega de que ele estava apaixonado por mim e eu devia pensar bem no que fazer se um dia ele viesse se declarar. Me senti mal, disse a ela, que nao era verdade, que era somente meu amigo, mas ela pediu que eu observasse as atitudes dele.

Sim, eu observei. Todas as vezes que por algum motivo com o outro me desentendia ele se aproximava mais, ficava mais presente (eu achava que era pq ele queria me dar apoio, inocente eu). Ele saia da aula, ia em minha casa pra me levar pra aula, ficava por la e voltava comigo, fazia janta, dormia no sofá, assim como eu tambem por vezes dormi no apartamento dele, em outro quarto, ele ame ajudava com meus trabalhos e eu ajudava a fazer os dele. Teve uma epoca que ate financeiramente ele me acolheu, na minha santa inocencia, era somente amizade que ele sentia por mim. Mas as coisas estavam ficando mais escancarada, a cada briga com o outro... ele se aproximava mais..

Certa vez,  a mochila dele estava em cima da mesa, fui guardar uns livros para tira-la de la, e enxergo dentro um CD com meu nome "Lucí" na capa bem grande. Perguntei a ele, se o cd era meu e ele disse que nao. Nao satisfeita, perguntei pra ele pq tinha o meu nome. Ele me disse que eram musicas. Fiquei toda contentinha se era pra mim e ele disse que nao, que era dele. A inocente ainda nao tinha entendido e quis saber pq ele tinha um CD com musicas e meu nome.. e ele foi categorico, que eram musicas pra pensar em mim. Pela primeira vez ele nao se escondeu eu fiquei totalmente constrangida.

Esse episodio como outros que seguiram, refletiram na minha relação com ele e justamente na epoca que o meu namoro estava passando por uma crise. Ele ainda me acolhia, mas eu ja sabia dos sentimentos dele, ele nunca havia declarado, mas cada vez estava mais claro ele nao conseguia esconder e passou a cansar dos meus choros, da minha opção em sofrer, como ele dizia.

Terminou meu namoro. Chorei uma semana sozinha.  Lembro bem, estava deitada na cama, ja tinha me esgotado de chorar, lembrei dele, que por aqueles dias esteve ausente, que nao me ligava mais com a mesma frequencia e nem era tao presente, eu sabia que ele trabalhava, estudava, mas sabia que ja estava perdendo o amigo, e por que nao? Com certeza que se ele tivesse uma chance ia me tratar com uma princesa e jamais me faria chorar, foi assim que pensei..

E num impeto, corro para o telefone, nem reparei que era quase meia noite, mas eu precisava perguntar isso a ele. Ele atende do outro lado, com voz de quem estava dormindo, perguntei a ele se podia ir la. Ele ja nem tao paciente, meio ironico, perguntando se o outro tinha me largado e que era tarde e ele trabalhava cedo, eu disse que mesmo assim eu precisava falar com ele. Disse que ia pegar um moto taxi.em outros tempo ele ia se oferecer pra ir me buscar..ele so respondeu que ia aguardar.

Quando cheguei no predio, o porteiro disse que poderia subir que ele me aguardava, quando sai do elevador a porta do apartamento dele estava entreaberta, logo avistei ele encostado no sofá, sem camisa, sem oculos, olhando a chuva, pela primeira vez eu o vi como homem. Quando ele me viu entrar, tirando o casaco que me protegia da garoa, que se tornou uma chuva intermitente, ele me perguntou o que seria de tao importante assim, que nao podia esperar outro dia.

"Vc jamais me faria chorar...?" Ele me puxou pra si, respondeu com um beijo e ali eu nao resisti mais e deixei me conduzir pelo resto da noite. E como foi bom, sexualmente falando foi a vez que fui mais bem tratada em todos os tempos. Pelo menos aquela noite eu nao chorei. Estava tao cansada emocionalmente, que o calor da cama me embalou naquela noite fria de inverno chuvoso, nem o vi saindo pra trabalhar. Acordei algumas vezes durante o dia, levantei tomei banho, comi e voltei a dormir, estava anestesiada, nao conseguia chorar apesar da dor forte no peito.

Estava dormindo, quando ele chegou, já era noite.. acordei com o barulho na porta, ele largando as chaves na mesa, entrando no quarto, largando a mochila, ouvi ele tirando a roupa e o barulho do chuveiro ligado, fingi que dormia, ja estava arrependida. Mas eu ainda estava ali e ele ia me procurar com a mesma paixao da noite anterior, eu nao tinha como fugir...e com ele eu conseguia esquecer um pouco da vida.
 
Na manhã seguinte acordei melhor, ainda chuvia, ele saia muito cedo. O calor daquela cama, que cama gostosa, macia, cheirosa, dormiria la pra sempre. O outro que nao me saia da cabeça, do coração. Ele voltou mais cedo, eu ja estava acordada, disse a ele que estava na hora de eu voltar pra casa, precisava das minhas coisas, ele disse que ia comigo que era pra ter certeza que eu ia voltar, ele queria que eu fosse morar ali com ele, me neguei, ele ja estava a fazer planos, na semana seguinte entrariamos em ferias, ele queria ir pro RN e eu queria ir pro RS, ele queria que eu fosse na casa dele, conhecer seus pais, conhecer a sua terra. Fiquei preocupada, nao era isso o que eu queria.

E iniciou-se uma discussao. Eu ja estava sensivel demais. Ele foi injusto, disse coisas horriveis, que se eu nao queria um compromisso com ele é pq queria apenas usa-lo, que assim que o outro aparecesse eu ia correr pra ele, que eu gostava de cara assim, gostava de ser maltratada, foi muito grosseiro e eu saí chorando, chamei o elevador, ele foi atras de mim, o elevador ia demorar decidi descer as escadas, e ele me fez uma pergunta que eu o deixei sem resposta "Por que mulheres como eu não se apaixonavam por caras como ele". E eu "Vc disse que nunca me faria chorar" e pedi que nunca mais ele me procurasse.
 
Pedido feito, pedido realizado e ele nunca mais me procurou. Viagei, virei as costas pra tudo aquilo que me fazia sofrer e renasci e nunca mais o vi, nunca mais o procurei é como se ele nunca tivesse existido. Vivi minha vida.
 
Alguns anos eu tive sonhos repetidos, cenas com chuva e um apartamento especifico, era como minha mente tivesse resgatando, eu ficava pensando se eu conhecia aquele lugar do sonho, mas ao mesmo tempo eu nao lembrava. Só relembrei apos reencontra-lo, era o apartamento dele, antigo, cortidas pesadas, masculino e ate a mesa de madeira redonda da sala.
 
Reencontrei-o em outubro do ano passado, (e no fundo da bolsa) estava eu comprando algumas coisas no mercado publico e ele estava no mesmo lugar, ele pegou a Lígia no colo e me deu um cartão, perguntou se eu usava o mesmo email, eu poderia ter dito que nao, mas disse que sim. Ele me escreveu com a mesma pergunta que eu não respondi aquele dia.
 
Ele virou chef de cozinha, viajou meio mundo, trabalhou em cruzeiros e agora tem um restaurante na beira rio. Enquanto eu também segui minha vida, casei, formei familia. E depois do reencontro senti falta do amigo perdido. Encontrei o outras vezes pra conversar, mas nao sou mais a inocente e nao acredito que ele nutra essa amizade por mim, a certeza veio no convite em que ele dizia que aquele apartamento estava sem morador. Ententi, recusei e a vida continua.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

...

Os dias não estão faceis, não mesmo.
 
Em um dia desses da semana...
 
(...)
 
- O que anda acontecendo contigo? (uma pergunta irônica diante do meu silencio)
- Tu sabe o que anda acontecendo... (pergunta idiota tolerancia zero)
- Não sei, me diz o que é.. (se fazendo, ou uma esperança..)
 
- Não dá mais, tu sabe disso!
 
E mais silêncio.. Quando penso que não vou precisar ficar me explicando..
 
- Não dá mais, por que tu não quer!
 
Apenas um sinal positivo com a cabeça e mais silencio.
 
(...)

terça-feira, 14 de outubro de 2014

?

[...]

-Por que não se veste? - Indagou ele confuso e consumido pelo desejo. -Não fica bem você posar nua na frente de um homem casado.
 
-Sou casada também. Mas hoje, nós dois somos marido e mulher.
 
Ele não resistiu. Puxou-a para si e beijou-a ardentemente, deitando-a sobre o tapete felpudo que encobria todo o chão. Com uma quase selvageria, amaram-se por toda a noite. Renato estava impressionado com a volúpia daquela mulher, tão diferente de sua doce e meiga Carminha. Lorena por sua vez, gostava de experimentar coisas novas, e aquela não era a primeira vez que traía o marido.
 
Quando terminaram, ambos estavam exaustos e saciados. Renato nunca havia esperimentado sexo daquela maneira com a esposa, e Lorena não se satisfazia com o jeito afavel e pouco agressivo de Gílson. Renato a principio, se mostrara tímido e recatado, mas, à medida que ela o provocava ele ia respondendo com uma intensidade ousada e animal.

[...]

Trecho do livro "Gêmeas: não se separa o que a vida juntou - Mônica de Castro" pg. 164

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Ainda sobre brincos..

Pois é, quando não se tem nada mais interessante para fazer domingo a tarde, eu arrumo jóias. Minha pequena tirava o cochilo dos anjos, eu "ocupada" em organizar meus brincos, perdida em meus pensamentos.
 
Pensei em como nos últimos meses eu tenho gastado dinheiro com isso e que deve ter alguma explicação para essa minha fuga, eu sempre amei brincos, com o tempo desenvolvi uma segunda paixão por aneis, mas agora a coisa anda demais.
 
Nem sei se já escrevi por aqui, já escrevi tanta coisa que ja nem lembro mais.
 
Tive uma madrinha, sobrinha de meu pai, ela e o marido tinham uma joalheria na "capital" e de tempos em tempos eles levavam pro pessoal do interior um mostruario para vender. Meu pai gostava muito dela, para ajuda-la, ele sempre comprava as jóias dela para eu e minha mae, eu sempre podia escolher alguma coisa para mim, sempre escolhia brincos.
 
Guardava-os com o maior carinho e cuidado, sabia do valor, mas na minha adolescencia foram roubados do meu quarto, guardava em uma caixa, levaram com caixa e tudo, nunca descobri quem foi, infelizmente a pessoa que levou não sabia o valor sentimental que eu tinha por aqueles brincos.
 
Voltando aos meus pensamentos, enquanto eu organizava as minhas coisas, deparo-me com um brinco de argolas douradas. Se tem uma coisa que eu ODEIO, são brincos de argola, de qualquer tamanho, material. Não combina comigo. Eles estavam por ali, pq havia comprado para dar pra uma pessoa querida, mas nao a vi mais e acabei guardando, já separei pra dar pra alguem que goste.
 
E voltei a olhar o "falso rubi". Doeu tanto, fico com raiva e fico tentando lembrar quem poderia ter roubado meus brincos, com certeza era uma pessoa muito intima e que tinha acesso ao meu quarto. Do que adianta remoer agora, só me resta comprar..comprar..e comprar..quem sabe assim eu preencho esse vazio do peito!

domingo, 12 de outubro de 2014

Disfarçando as evidências...

Na Tv passa Altas Horas, prende a minha atenção, aparece Michel Teló cantando "Evidências" e minha cabeça dá um giro no tempo, a tanto tempo atras, mas nunca foi tão presente como agora...
 
Depois que tudo entre "eu e ele" terminou...
 
Estavamos em um bar, havia um "karaoke". O que era ainda amigo e hoje é marido, pede pra eu escolher uma música que ele ia cantar..

Quando eu digo que deixei de te amar
É porque eu te amo
Quando eu digo que não quero mais você
É porque eu te quero

  Eu tenho medo de te dar meu coração
E confessar que eu estou em tuas mãos
Mas não posso imaginar
O que vai ser de mim
Se eu te perder um dia
 
Eu me afasto e me defendo de você
Mas depois me entrego
Faço tipo, falo coisas que eu não sou
Mas depois eu nego

  Mas a verdade
É que eu sou louco por você

E tenho medo de pensar em te perder
Eu preciso aceitar que não dá mais
Pra separar as nossas vidas
 
E nessa loucura de dizer que não te quero
Vou negando as aparências
Disfarçando as evidências
Mas pra que viver fingindo
Se eu não posso enganar meu coração?

  Eu sei que te amo!
Chega de mentiras
De negar o meu desejo
Eu te quero mais que tudo
Eu preciso do seu beijo

Eu entrego a minha vida
Pra você fazer o que quiser de mim
Só quero ouvir você dizer que sim!
 
Diz que é verdade, que tem saudade
Que ainda você pensa muito em mim
Diz que é verdade, que tem saudade
Que ainda você quer viver pra mim
 
(Evidências- Chitãozinho e Xororo)
 
Ele não percebeu mas meus olhos marejavam e meu coração doía.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Sobre ciúmes..

Vou partir do inicio, eu não tenho ciúmes! Então eu posso falar de como conviver com uma pessoa ciumenta é sufocante. Pelo menos 3 dos meu relacionamentos foram com pessoas "autodestrutivas" (sim, por que vc ficar a imaginar coisas que nao existem destroem qualquer sentimento e relação).
 
Saponildo já teve esse agravante em sua lista de defeitos. Com o passar dos anos, das minhas varias concessões, chegamos a um nivel que eu considero satisfatorio para uma relação. Ele até pode sentir, mas guarde-o pra si.
 
Uma cena por essa semana:
 
Após o trabalho, ele foi na padaria, enquanto eu e a Lígia esperavamos no carro, ela tontinha de sono, dormiu com uma "roquinha" (rosquinha de polvilho) na mão. Eu ali, sentada perdida em meus pensamentos, estava garoando, vejo ele saindo da padaria e atravessar a rua meio correndo, desviando dos carros. Na calçada passava um grupo de mulheres, a que estava mais proxima da rua, ficou olhando pra ele, mas nao com aquele olhar despercebido, era um olhar de cobiça. Assim que percebi o olhar dela, olhei pra ele e entendi, ele não tinha noção de como toda a cena o favorecia, a noite, a garoa, o correr o deixaram extremamente sedutor, sexy e um olhar afiado de uma mulher percebeu isso. Ele tambem percebeu, olhou de volta e entrou no carro.
 
Olhando a cena por diferentes graus de ciume:
 
A ciumenta louca - Bem provavel que não esperaria ele entrar no carro, pra dar um barraco e perguntar alguma baixaria para uma estranha na rua.
 
A ciumenta moderada - Assim que ele entrasse no carro, ia perguntar se ele a conhecia e isso acabar em uma discussao horrorosa.
 
A ciumenta em menor grau - Ia perguntar se ele a conhece e ficaria satisfeita com uma resposta negativa.
 
No meu caso, a não ciumenta, ele entrou e a gente foi pra casa, sem perguntas, sem stresse. Pronto, foi só uma mulher estranha que cobiçava meu marido como já vi isso tantas outras vezes. Não digo que sou fria, logicamente que se eu visse ele tento contato intimo com outra mulher na minha frente, eu nao ia ficar parada e o primeiro a levar uns tapas ia ser ele, pois afinal quem tem um compromisso comigo é ele, é ele que me deve respeito.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

E no divã...

Preciso de uma dessas "chaise" ou mais conhecidas como "divã" no meu local de trabalho. Preciso mesmo, principalmente quando exerço a função não remunerada de psicanalista,

A minha porta sempre está aberta, é um habito, na verdade nunca ninguém me disse que eu deveria fecha-la como também nunca ninguém me disse que deveria mante-la aberta. Estando lá ou não, a sala está aberta.

Mas quando estou dentro, subentende-se que eu esteja "trabalhando", ou seja, ocupada com alguma coisa, e muitas vezes em coisas que me exigem raciocinio, concentração além de coordenação motora fina. Acho que isso não fica bem claro a elas, por que é só terem um tempinho elas correm pra la, sentam na cadeira da frente e falam. Pelo amor de Deus e como falam.

Eu me atenho a abanar a cabeça, a dizer uns "arram", quando estou muito ocupada, quando não estou tanto assim, é hora de ouvi-las realmente, e pela minha fama, elas ja sabem.. falar e jamais pedir a minha opinião.
 
Poderia traçar mais perfis femininos que se possa imaginar. Algumas realmente me irritam como:
 
A feliz - Felicidade demais enjoa. Não é inveja, é a realidade, ninguem é tão feliz, só se tiver algum problema que não consegue detectar problemas, ou simplesmente ignora-los. Essa sente na minha frente e traça narrativas, das festas, das viagens, do final de semana perfeito, da familia feliz, é sempre otimista. Me cansa!
 
A problematica - Essa é totalmente ao contrario da anterior, choraminga por qualquer coisa, é tanto mi mi mi.. que me da vontade de dar uns tapas na cara dela. Se tem sol é um proble, se chove o problema é ainda maior.
 
A alegrinha - Não é o mesmo que a feliz, a alegre é quase uma tola. Ri das proprias piadas, sempre sorrindo, cheia de graça que só ela ve.

A mau humorada - Ja senta de cara feia. Da vontade de dizer.. O que tu veio fazer aqui criatura? Ela tem um que de problematica.
 
A reclamona - É a pior de todas, reclama de tudo.. une a mau humorada e a problematica. Sempre tem alguma reclamação.
 
Nem tudo é tao ruim, tem as legais, que me fazem rir, que da pra ter um papo cabeça. Algumas me confidenciam coisas que poderia causar a "terceira guerra local". Eu sei que elas gostam de estar ali, sentadas naquela cadeira, que gostam de compartilhar de suas vidas, eu so queria entender o por que elas sentem-se tao a vontade, um dia eu perguntei..
 
.... e uma delas me disse... "É que vc é sempre tão sozinha, venho pra te fazer companhia"
 
E pra me fazerem companhia para a solidão que elas acreditam que eu sinta, elas falam..falam...

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Time after time..

Quem já viu?


 
Lindo demais....
 
-----------------------
 
Hora Após Hora
 
Deitada na minha cama
Ouço o tique-taque do relógio e penso em você
Presa em círculos
Confusões não são nada de novo
Recordações de noites quentes, quase esquecidas
Como uma mala de lembranças
Hora após

Às vezes você me imagina
Estou andando bem à frente
Você me chama
Não consigo ouvir o que você disse
Então você diz, "vá devagar" eu caio para trás
e relaxo em segundos

Se você estiver perdido você pode procurar
E vai me encontrar, hora após hora
Se você cair, eu vou te segurar
Estarei esperando, hora após hora
Se você estiver perdido você pode procurar
E vai me encontrar, hora após hora
Se você cair, eu vou te segurar
Estarei esperando, hora após hora
Depois minha imagem desaparece
E a escuridão virou cinza
Observando pelas janelas
Você está pensando se eu estou bem
Segredos roubados de lá do fundo
A batida do tambor está fora do ritmo

Você disse, "vá devagar" eu caio pra trás
O ponteiro dos segundos vai pra trás

Estarei esperando, hora após hora

Hora após hora...

(Time after time - Cyndi Lauper)

domingo, 5 de outubro de 2014

"Toda forma de amor"

Eu não pedi pra nascer
Eu não nasci pra perder
Nem vou sobrar de vitima
Das circunstâncias

Eu tô plugado na vida
Eu tô curando a ferida
Ás vezes eu me sinto
Uma bala perdida

Você é bem como eu
Conhece o que é ser assim
Só que dessa história
Ninguém sabe o fim





Você não leva pra casa
E só traz o que quer
Eu sou teu homem
Você é minha mulher


E a gente vive junto
E a gente se dá bem
Não desejamos mal a quase ninguém


E a gente vai à luta
E conhece a dor
Consideramos justa

Toda forma de amor
 
 (Lulu Santos-Toda Forma de Amor)

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Vamos falar de Peppa?

Eu acordo com a Peppa.
Eu durmo com a Peppa.
 
Só que tem uma criança em casa sabe do poder que essa porquinha rosa exerce sobre as nossas mentes, quando o desenho começa e "Oi, eu sou a Peppa" você promete que será a última vez. Não será mesmo.
 
Simplesmente eles amam ela. Como mãe me senti na obrigação de comprar uma Peppa pra Lígia. Já gastei tanto dinheiro com brinquedo para ela, que ela só olhou jogou no canto, como a "Barriguinha" uma pelucia enorme em forma de girafa que ela tem medo.
 
Com a Peppa foi diferente, fui fazer um teste primeiro, comprei do tiozinho que vende perto da rotatória, quando passei por lá ela dormia, chamei o tio e perguntei quanto que estava a Peppa e ele todo contentinho disse que 50 conto. Bem capaz que eu dava 50 reais por aquela coisa mal feita, chorei daqui, sorri dali e levei uma cópia nada fiel por 30, já me arrependi por que nao chorei um pouco mais, bem provavel que por 50, ele me dava o George também. Pego a Peppa e jogo no banco de tras.
 
Quando a Lígia acorda parece que ia ela explodir de tanta felicidade. "A Peppa, a Peppa..."
 
E assim foi, a Peppa come, a Peppa dorme, a Peppa passeia, a Peppa vai pra escolinha. E eu a me envergonhar por que ela anda pra todo lado com aquela coisa encardida... e nao consigo arrumar outra igual.
 
Dia desses ao largar ela na porta da sala dela, eu como sempre carregando a Peppa, ela entra correndo porta a dentro, quando pensei que ela ia me dar tchau.. ela só diz:"A Peppa."
 
Pois é, o que importa é a Peppa.. a mãe que se dane!
 
(Ultimamente ela tem falado bastante no George...)