domingo, 30 de agosto de 2015

Sem flores.

Sexta-feira recebi o que seria o "boletim" da nossa pequena Lígia.
E a cada passo dos olhos o coração se corroía por dentro.
Coisas que tenho que aceitar mas é tão difícil de compreender. Entre fotos lindas dela toda sorridente fazendo atividades, um comportamento comunicativo, cheio das vontades e sem limites.
 
Por várias vezes me pego pensando o que fazer para mudar isso. Por que eu mais do que ninguém sei que a vida não será fácil pra ela se ela permanecer assim, mas ai olho pra ela e me vejo. Minha fotocopia, ela apenas não aprendeu como camuflar isso, e eu aprendi?
 
Não. Dizem que nossos filhos sempre são versões melhoradas da gente. Isso me preocupa, por que vejo uma versão bem atualizada minha.
 
Sim, eu a educo, por que ela vive em sociedade e vai precisar de alguns moldes, mas jamais vou conseguir moldar a personalidade, vem dela.
 
Muito inteligente, uma característica que vem despontando nela desde muito cedo e talvez denote dai a impaciência de brincar com os demais colegas da mesma idade, pois eles nem falam, enquanto ela já conta a história do Chapeuzinho Vermelho para as bonecas. Colegas que nem seguram o giz, enquanto ela já diz que vai desenhar uma bonequinha bem linda para a mamãe e assim o faz com direito a tronco, membros, cabeça, cabelo e olhos...tudo no seu devido lugar. Amigos que nem identificam as cores primarias e ela já define, azul escuro, amarelo queimado e rosa pink. Que já tem noção de quantidade e sabe contar até dez, enquanto pica o queijo e vai comendo.
 
O que posso fazer?
 
Nada.
 
Deixar o tempo correr. Ela tem professoras maravilhosas que sabem que eu conheço a filha que tenho e que não ia adiantar florir e que o melhor sempre escrever a verdade, por mais que ela doeu em mim.

domingo, 23 de agosto de 2015

...far away...



Hoje entrei naquela sala em que tudo começou, procurando o que eu nunca ia achar ali, fiquei olhando as linhas correndo na minha frente, com uma esperança de que tudo pudesse recomeçar. Depois me peguei relendo alguns e-mails e pensando até onde foram sinceras cada palavra que recebi de ti, o último deles dizia que você voltaria. Não voltou.

Observando aquela sala, me peguei lembrando de dias passados, em que eu jurei a mim mesma que nunca ninguém saberia, em que eu sentada nos degraus daquela igreja eu te esperei, esperei pelo menos um telefonema dizendo que você não poderia ir naquele dia. Esperei.

Eu espero sempre tendo a certeza de que é inútil esperar, mas eu sempre espero. Espero e entendo, por que simplesmente não existe mais a possibilidade, nunca existiu.

Não fico triste com isso, por que compreendo.

Quem não compreende são os meus sentimentos que apenas insistem em me trair e continuar lembrando que você existe...

"Last chance for one last dance
'Cause with you, I'd withstand
All of hell to hold your hand
I'd give it all
I'd give for us"

sábado, 22 de agosto de 2015

Apenas feliz (ponto)

Eu ando tão feliz que tenho medo de acordar!

A última vez que me senti assim, até onde estou lembrando, foi no período da minha gravidez. Não no ultimo mes, nao mesmo. No ultimo mes, eu chorava por tudo, pela cor da cortina que nao ficou no tom rosa que eu queria, essa foi uma novela a parte. Não suportava mais o peso da minha barriga e já estava ansiosa pra sair daquele estado. Também nao foi nos primeiros meses, aqueles em que enjoava por tudo e chorava por tudo também. 

Feliz naquele tempo em que eu sorria por tudo, em que eu amava cada dia os detalhes da minha vida. Ando assim nas duas ultimas semanas. O que mudou? Nada, eu mudei. Mudei a minha forma de ver o mundo. Agradeço todos os dias pelas pessoas que estão no meu caminho e principalmente por aquelas que não estão mais nele.

Algum tempo eu vi um vídeo (la em baixo), sobre a energia que se esgota, como as vezes parece que tudo esta dando errado, é por que um ciclo de energia se encerrou e partimos para outro. Assim é. Fico feliz por essa possibilidade de sempre renascer, de me reconstruir e me refortalecer.

A vida anda ótima, sem noites de insonia, me alimentando bem e de forma saudavel, o trabalho estavel. Esta tudo como sempre está ou sempre esteve.

E você?
 
 

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

=))


Sabe aquelas situações inesperadas, inusitadas... aquilo que eu chamo de feliz coincidência.
Pois bem! Ainda pouco tive uma amostra dessas, parece uma coisa tola, mas eu fiquei tão feliz, que o cansaço foi embora, levou o sono o mau humor.
 
Lá em baixo Saponildo teimava comigo que a última vez que me viu com um tal papel eu carregava em uma pastinha. Ai céus, eu só tenho duas pastas onde coloco papeis importantes. Subo, venho procurar em tais pastas.
 
Nada. Reviro, descarto coisas que acho inútil guardar, olho a minha carteira de trabalho, jogo pra outro lado. Olho, reviro e não acho o que eu estava procurando.
 
A um tempo atrás eu perdi minha carteira de motorista, e tenho certeza que foi dentro de casa, eu tinha por mania, quando ia passar o cartão aqui perto de casa, em não levar bolsa, carteira, levava o cartão e a CNH e em uma dessas voltas pra casa, larguei em cima da mesa e sumiu. Foi na época que a Lígia começava a andar, pensei que ela tivesse colocado dentro de alguma coisa, mas eu sei que eu não sou tao desleixada.
 
Pensa, que eu procurei por tanto tempo que desisti e já conformada, amanhã eu iria registrar o dito BO pra dar entrada na segunda via.
 
Antes de colocar a carteira de trabalho novamente na pasta, folheio e o que eu vejo la no finalzinho, sim.. era ela, linda sorridente e ainda com validade por mais um ano. Maravilhaaaa! Nem São Longuinho teria tamanho poder, levando em consideração que eu lembro de já ter procurado dentro dela...
 
Bom, e o que eu estava procurando?
 
Não achei ali...
 
(mas achei em outra pastinha verde que eu nem lembrava mais que existia)...

domingo, 9 de agosto de 2015

pai..

Minha vida teve grandes marcos e posso dizer que a perda do meu pai, foi o mais significativo deles. Perdi-o por duas vezes, perdi-o em vida e depois pra eternidade, a segunda com certeza foi o mais doloroso, antes ainda nos restava uma esperança de tudo ser como era, não foi. Ele partiu.

Partiu e doeu muito. Hoje não doi mais, mas deixa muitas saudades e lembranças.

E hoje nesse dia, quando vejo tantas homenagens é inevitavel lembrar dele, só me resta silenciar e marejar os olhos pelos cantos

...

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

...das

...minha vontade de sumir, evaporar, virar pozinho plim plim.

...minha capacidade de rir de mim mesma...

...minhas tristezas bem escondidas pra ninguem ver e ouvir,

...minha falta de vontade de continuar e de parar.

...minhas contradições ...


Seria engraçado se nao fosse tragico.

=(

hoje eu lembrei que vc ainda existe...