terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Vem 2015!


Chegou a época de refletir o ano que se passou. E eu não fujo a essa regra, é inevitável! Em primeiro instante cheguei a pensar que esse ano foi melhor que o ano passado, fazendo um comparativo breve, mas assim estaria eu sendo injusta com o ano em que nasceu minha filha.

E muitos rodeios fiz em minha cabeça e cheguei a conclusão que eu seria uma ingrata se não agradecesse pelos meus últimos 5 anos, foram bons, muito bons. Entre altos e baixos, dignos de muitas surpresas da vida, mas no geral eu me saí bem.

Esse ano, não foi o melhor de todos, mas de longe passou em ser o pior. Então agradeço por ele.

Agradeço pelas pessoas maravilhosas que cruzaram meu caminho, agradeço aquelas que voltaram a cruzarem meu caminho e também aquelas que seguiram outros caminhos longe de mim.

Uma alegria - Minha pequena Lígia, uma felicidade sem fim. Noites mal dormidas, dentinhos, febre, engatinhar, primeiras palavras.. agora muitas palavras. Andar, correr, subir, descer, pular, cantar e uma infinidade de verbos de uma criança saudável e feliz. Agora já uma mocinha que está a abandonar as fraldas.

Um arrependimento - Cortar meu cabelo. Ceus, era um cabelão e eu não sei onde eu estava com a cabeça quando sentei e mandei aquela mulher passar a tesoura! Ela ainda me perguntou umas cinco vezes se eu tinha certeza. Eu tinha...

Uma escolha certa - Iniciei o ano, mais uma vez trocando o de local de trabalho. Foi uma escolha acertada. Conheci muita gente bacana que acrescentou na minha vida. Faço o que eu amo, com pessoas profissionais, talentosas e humanas. Foi um ano de muitos sorrisos com pessoas que vou levar pra vida toda (outras nem tanto).
 
Foi um ano bom. Um ano de revirar e abrir velhas feridas. Um ano que eu atingi a meta de leitura mínima em meio a esse furacão. Um ano em que eu estive muito saudável. Um ano que eu sorri e chorei na mesma proporção. Um ano que iniciou e terminou com a certeza de escolhas certas. Que eu sou realizada profissionalmente. Que eu não nasci pra ser mãe, mas que eu desempenho bem meu papel. Que eu tenho poucas e verdadeiras amizades. Que eu sempre vou optar por uma vida mais simples, com pessoas mais simples...

Termino o ano de alma limpa! Coração aberto a espera de um ano tão bom quanto esse...

Espero tantas coisas para o próximo ano, coisas que so dependem de mim.

Vou tirar minha CNH, pra carro, é uma necessidade imediata, já que não tem como levar minha pequena de moto por aí. Terminar a minha faculdade, agora que ela já esta grandinha já posso pensar nisso e junto iniciar a minha pos. Se tudo ocorrer como o esperado quero redecorar minha casa. Quero ler mais. Amar mais. Viver mais. Ser ainda mais feliz. Conquistar e reconquistar as pessoas importantes para mim. Mais sonhos. Menos noites mal dormidas.

E que venha e fique somente o que for importante!

Adeus 2014...


[...] Corra e diga aos anjos...
 

 
...que está tudo bem.
 
 
Vem 2015!
 

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Dancei a dança politica..

Eu fui. Eu fui e decidi ir em grande estilo. A decisão?
 
Foi no final da tarde e ela chega e pergunta pra mim se eu iria ou não. Estavas a pensar em não ir, mas com a delicadeza e a doçura dela ela me convenceu. Bem diferente de mim, percebi naquele momento o quanto errada seria de me privar de companhia de pessoas como ela que realmente gostam de mim.
 
Já que eu ia, eu ia me apresentar de forma impecável. Com direito a cabelo arrumadinho e maquiagem. Está aí uma coisa que eu posso dizer que sei fazer, eu sei me maquiar e gosto de causar esse impacto. No meu dia a dia não uso, é desnecessário.
 
Não lembro a última vez que fiz isso, acho que foi na minha ultima consulta de pre natal, faz tempo! Digo maquiagem completa! Com direito a preparação de pele, sombra, delineador. Fiz e me senti maravilhosamente bem. Estava precisando me olhar no espelho e me achar bonita.
 
Errei no tom da blusa, percebi quando vi as fotos, achei que estava com a pele mais escura do que realmente estou, então ficou tudo nude, desapareci, ou apareci demais, um ser pálido em meio a peles altamente bronzeadas.
 
Não fui a única. Teve a que errou no cumprimento do shorts, a que tem um corpo lindo mas que se vestiu de forma vulgar, a dama de negro. Mas no geral foi melhor do que eu pensava. Foi legal, pude me despedir de uma pessoa que não vai mais trabalhar comigo no próximo ano, mas que vai me fazer uma falta infinita. Com direito a lagrimas e abraços.
 
Sim. Mais de 20 mulheres maduras, estava eu entre as caçulas. Todas muito bem resolvidas (ou não). Entre casadas, viúvas, apenas uma solteirona, porem comportada. A pizza estava ruim, não gostei, mas como o que menos importava ali era a comida, o suco de abacaxi doce demais,
 
O amigo secreto revelado. Ganhei um creme maravilhoso, que eu iria comprar..do Boticário.
 
Foi uma noite tranquila e agradável. Sem fiascos, sem extravagancias.
 
Eu sobrevivi...
 
**Asas Negras - Obrigada pelo conselho, a gente sabe que é uma "dança politica" necessária, mas incorporar essa diplomacia que é mais difícil.**

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Férias!


Olha, se tem uma coisa que eu desejei nos dois últimos meses foi "FÉRIAS". Enfim chegou o momento esperado. Nem tanto pelo fato de eu acreditar que vou descansar, não vou. Porem não ter os horários tão rígidos já me aliviam. Era hora pra tomar banho, comer, sair de casa, trabalhar, dormir, acordar... muita regra!
 
Agora me sinto mais leve.
Pelo menos até inicio de fevereiro que é quando a loucura recomeça.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Era pra ser...

Não sei de onde vem essa calmaria que se abateu em mim nessa última semana. Estou pacifica, calma e tolerante. Isso é bom, me faz sentir bem e melhor ainda, faço bem as pessoas que estão a minha volta.
 
Estive a um nível de insuportável, usava o cansaço como desculpa. Isso não era verdade, apenas andava frustrada comigo mesma, o que mudou? Eu desisti.
 
Já fiz isso tantas outras vezes na minha vida. É maduro reconhecer que tem coisas que só nos fazem mal, geram inquietação, tristeza e ansiedade. Nos meus 32 anos, aprendi a reconhecer tais coisas. Se começam a me fazer mal, afasto-me e tudo volta ao normal.
 
Ao menos o que eu acho que seria normal. Sou uma pessoa boa, me reconheço assim. Gosto de poucas pessoas, e não me sinto bem com tanta energia ruim que estava concentrada dentro de mim, respingando em todos a minha volta, eles merecem o melhor de mim, não o contrário.
 
Sim, existem pessoas boas, que nos fazem o bem, que nos trazem alegria, que nos dão leveza e nos deixam mais doces. Essas sim, merecem meu tempo, minha dedicação, meus meio sorrisos, mesmo que sejam tortos.
 
Existem aquelas outras que eu sempre desejo tudo de bom, mesmo que não tão perto, nem tão próximos, mas que ao lembrar eu envio pensamentos felizes, que eu fico feliz em saber que estão felizes, mesmo seguindo seus caminhos longe de mim.
 
Era para ser um texto sobre mim, mas como sempre eu me jogo um pouco de lado. A sensação da escolha certa...

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Doses de felicidade

[...]

Eu ali, encostada na parede só observando. Final de tarde, aquele vento gostoso...

Ela corria da garagem até o portão, a Pink corria atrás.. "Coe papai!.. Peguei!"
Entre sorrisos e gargalhadas eles brincavam, ela corria.. chamava por ele, ele corria.

Eu sorri internamente, me deu "aquela vontade de ser feliz".

Só depende de mim...

[...]

sábado, 13 de dezembro de 2014

Em tempos assim...

Já escrevi sobre essa música por aqui, mas se tem uma música que é como se fosse um hino pra mim essa é "A música" (obviamente não esqueci de Metal contra as nuvens)


 
Eu, eu sou uma estrada de mão única
Sou uma estrada que leva pra longe
E segue você de volta pra casa
Eu, eu sou um poste aceso
Sou uma luz branca ofuscante
Piscando sem parar

Em tempos assim
Você aprende a viver de novo
Em tempos assim
Você se entrega e se entrega de novo
Em tempos assim
Você aprende a amar de novo
Em tempos assim
Outra e outra vez

Eu, eu sou um novo dia nascendo
Sou um novo céu que
Sustenta as estrelas de hoje à noite
Eu, eu estou um pouco dividido
Devo ficar ou fugir pra longe
E deixar tudo isso pra trás?

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Vida real...

 
Vai bater...vai bater...
 
O som estrondoso da buzina!
 
E o caminho de volta pra casa interrompido...
 
A minha cabeça a girar e a pensar como a vida é frágil. Ela acordou no banco de traz. Ele saí pra fora do carro. Muita discussão.
 
Eu ali, envolvida com meus pensamentos. Tinha acabado de ler um email que recebi. E se aquele momento fosse o último, ele faria parte dos meus últimos pensamentos.
 
Eu ali parada, olhando para os estilhaços de vidro.
 
Não teve como não lembrar do livro "Um dia". A personagem principal morre e um de seus últimos pensamentos foi uma foto de infância e que o grande amor da sua vida estava a sua espera.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

...

- Stress dá tristeza?

- Não sei. Pq? (respondo com o olhar longe..)

- Por que vc está triste...

Ele me conhece melhor que ninguém...
Apenas errou no motivo da tristeza...

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Continuamos insistindo...

"Mas aí, daqui uns dias.... você vai me ligar. Querendo tomar aquele café de sempre, querendo me esconder como sempre, querendo me amar só enquanto você pode vulgarizar esse amor. Me querendo no escuro. E eu vou topar. Não porque seja uma idiota, não me dê valor ou não tenha nada melhor pra fazer. Apenas porque você me lembra o mistério da vida. Simplesmente porque é assim que a gente faz com a nossa própria existência: não entendemos nada, mas continuamos insistindo."
 
Tati Bernardi...

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Uma folha em branco...

Quando cheguei a folha em branco já estava em cima da minha mesa, nela continham os nomes dos funcionários, com espaços para cada um preencher com "ideias de locais" para a confraternização do final do ano. Torci o nariz, fiz caras e bocas e coloquei somente uma "AQUI MESMO", essa era a minha sugestão.
 
No momento pensei naquilo que seria melhor pra mim, não estou nem um pouco disposta a abraçar desafetos em lugares publicos, passar vergonha em pizzarias e restaurantes, quero mesmo é que as ferias chegue e eu não precise olhar pra cara de meia dúzia de gente, e já que sou obrigada a ir pro trabalho, então por que não unir o "inutil ao desagradavel". Pensei...
 
A unica coisa que nao saia da minha cabeça era o por que da folha em branco se eu somente chego a tarde, com certeza ja tinha rodado a manha toda e ninguem quis colocar nada? Pois é.
 
Na hora do café.. uma "puxa" o assunto, quase sem "querer querendo". E inicia-se uma discussão. Assim como eu, muitas seguiram o que eu coloquei por livre espontanea vontade. Eu ali, comendo o meu abacaxi, só observando. Gente mau educada, que não sabe conversar, cada qual queria vencer sua opinião no grito, e eu comendo e observando.
 
A minha opinião foi durante criticada, estavam massacrando um querida colega, que colocou o mesmo que eu, por vontade propria. A argumentação teve até que "salgadinho é coisa de pobre".
 
Terminei o meu doce abacaxi, as caras ja estavam zangadas e as massacradas (mais bem educadas), desistiram de argumentar, pois era impossivel argumentar com gente tão ignorante que queria valer sua opinião no grito.
 
Aproveitei a oportunidade que o silencio iniciava... e...
 
"Agora entendo o por que a folha chegou em branco na sala, todo mundo tinha uma opinião, mas ninguém teve coragem de se expor, por que se vcs ja tinham um local escolhido, por que diabos, passar uma lista pedindo a nossa opinião? Até pq eu entendo que no minimo deve-se respeitar a opiniao do proximo, e vencer a maioria. Se vcs queriam ir em uma pizzaria, entao apenas dessem a opção de 3 pizzarias. Agora se vcs ja haviam escolhido o local, o que deveria haver na folha era se a pessoa desejava ou nao ir.".
 
E virei as costas.
 
Mas a situação entrou em um ouvido e saiu no outro. Por mim.. o que me anoja é gente sem personalidade, em cima do muro, que fica se encolhendo, com medo de dizer o que pensa ou quem quer dominar sem argumentação, que nao sabe se expor, que fica gritando. ODEIO!
 
Eu saí ilesa e nem perdi o sono, mas amizades foram rompidas, pq tem gente que abre so a boca pra ofender, o poder nem sempre esta nas maos de quem merece!
 
Quase nunca... e outra.. se até na escolha pra a Presidencia de um país, existe a opção NULA, pq para uma festinha de final de ano "É obrigado a ir?".

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

E da alegria de ser quem eu sou...

Por esse dias estava assistindo um vlog de uma menina e eu me identifiquei tanto com aquilo que ela falava, que por muitas vezes me questionei se existiam outras pessoas que agiam ou pensavam como eu ou se eu estava errada na forma de agir, pensar.. mas logo desistia de pensar, por que afinal eu gosto de ser quem eu sou e eu gosto de ser a pessoa em que me tornei.

Ela falava em como ela nao se importava com as pessoas, não de não se importar, mas de não ter o cuidado e o carinho com as pessoas. Bom, eu sou assim, não sou uma pessoa carinhosa, e não é que eu não me importe com as pessoas a minha volta, eu não sinto falta disso, eu não sinto falta de carinho

Convivo com pessoas carinhosas. Saponildo é uma pessoa carinhosa, quando olho ele com a família dele, eles se abraçam, se beijam, sorriem, se preocupam uns com os outros, tive muito a sorte de encontrar pessoas assim pelo meu caminho, mas não me façam tal cobrança, a reciproca até pode ser verdadeira, mas ninguem vai me ver sair por ai abraçando e beijando todo mundo.

Eu não gosto que encostem em mim! Não suporto! Aquela pessoa que mal de conhece e já vem te dando um abraço e beijo, ou aquela que vem conversar e coloca a mão em cima, sem delicadeza nenhuma eu me afasto.

O problema não é so a minha falta de contato, é o carinho verbal também. É muito dificil expressar meus sentimentos, seria como ir a luta todos os dias e lutar contra mim mesmo, encontrei formas que substituem tudo isso, eu escrevo. Escrevo mais do que hajo ou falo...Escrevo bilhetes, escrevo cartas, emails, cartões...

Acho que isso tem haver com "educação', ser ou não carinhoso. Não nasci em uma familia carinhosa, meu pai era carinhoso, é uma lembrança que tenho dele, minha mãe não, presa em seus sentimentos. Não... não estou a culpa-los. Sinceramente gosto do que sou hoje e agradeço a eles, mas não desejo isso a minha filha, tem que ser muita fibra para assumir uma personalidade assim, para ser aceita e saber se impor. Acho que o mundo seria mais facil se eu fosse uma pessoa mais doce...seria mais leve.
 
Por não desejar isso a ela, que faço um esforço em trata-la com muito carinho. As vezes esqueço dos abraços, beijos.. do "meu amor", "meu anjo". Peço a Saponildo me policie e chame a minha atenção quando estou em falta com ela, por que nem ele se acostumou com o meu jeito, mas compreende que nao faço isso por mal, apenas nao aprendi a ser carinhosa, entao nao sinto falta.. mas com ela as minhas atitudes sao diferentes, mesmo que condicionada, porem ja observei que com ele ..ela é mais espontanea, que pede abraço, beijo.. colinho, enquanto comigo eu tenho que pedir pra ela me dar o carinho, para que eu possa retribuir.
 
Eu quero um mundo mais doce pra ela...

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Mau educada...

Pé direito em dezembro. Nossa.. fim do ano está aí na porta. Passando rápido demais, isso é bom ou ruim? É bom, é ruim. Contagem regressiva para as desejadas férias, isso é bom ou ruim? É bom e também é ruim. Deixa, eu que sei!
 
Nas últimas semanas ando de mau com a vida. Mais precisamente amarga demais. Isso não é nenhuma novidade, como dizem por aí.. quando mulher perde a vontade de gastar dinheiro é pq a coisa está feia!
 
A mais de um mês venho me arrastando pra comprar um aspirador de pó novo, o meu não dava mais. Adiei.. adiei.. enquanto pude, mas ontem fui intimada a ir comprar um, então nao fui pela minha vontade, aproveitei e comprei umas coisas pro natal, não ligo a minima pra isso, mas quando se tem uma criança em casa se faz necessário, não quero mais tarde ter uma adolescente traumatizada pela falta da árvore de natal quando era criança. Comprei os presentes para as professoras dela, não tem preço o amor e a dedicação delas, por que a bichinha não é fácil
 
Na saída, eu com a caixa do aspirador, agarrada a ele, tapando quase toda a minha frente. Saponildo com a Lígia e as demais sacolas, sim... eu prefiro carregar a caixa de aspirador, por que eu não aguento o peso da minha propria filha, alem de ser um peso que nao para de se mexer e pular.
 
Na área de saída, esbarro em uma moça loira, alta.. pedi gentilmente desculpas, ela me olha de cara feia.. e faz um (aiiiii) se contorce toda e me chama de mau educada. Eu mau educada? Não sei ao certo se eu esbarrei nela ou ela em mim. Uma coisa estava certa, a loja tem local de entrada e saída, eu estava na saída, ela estava entrando contra mao, na porta da saida, ela deveria olhar por onde anda, ou ela nao viu uma pessoa carregando uma caixa? E eu ainda me desculpei pelo ocorrido e ela nem isso.
 
Com certeza essa ai nao vai muito longe com essa soberba...