quinta-feira, 31 de julho de 2008

Humanos...

Sou uma observadora das pessoas. Adoro observar personalidades. Muitas vezes decepciono-me. Penso muitas vezes encontrar pessoas raras, com inteligência, humor. Engano-me. Todos somos humanos. Dignos de erros e acertos.

É mais fácil observar defeitos do que qualidades. Encontro pessoas com muitas qualidades, mas com defeitos que são dificeis de suportar. Não há beleza, humor, inteligência que supere o defeito de se achar superior aos demais.

TODOS somos iguais, todos temos um coração, dois rins (salvo as exceções!)

Já não sou mais nenhuma menina, estou com 26 anos. Já morei em vários lugares. Conheci muitas pessoas, algumas que valeram a pena, outras nem tanto, mas nenhuma eu me arrependi de conhecer, pois com essas que não valeram a pena foram com as quais eu aprendi como o ser humano é.

Conviver com o "ser humano" não é fácil. Cada um tem sua razão. Posso eu acreditar que estou certa no que escrevo e posso ser questionada ao mesmo tempo. Eu conheço meus defeitos, mas reconheço que sou "humana".

Não sou preconceituosa, não me acho melhor que ninguém, para julgar uma pessoa pela aparência. Tem pessoas que fazem isso.

Hoje em dia, você é o que você tem. Beleza, dinheiro.. ninguém te julga pelo o que você realmente é, por seus sonhos, pela sua bondade, sua dignidade.

Não preciso mudar pra ser aceita. Se não gosta de mim, está vendo aquele X no canto superior direito, aperta nele!. Não sou a pessoa que segue modas, padrões . Que é idiota, achando que é sarcástico. Que acredita que criar estereótipos é legal. Não me escondo atrás de personagens. Não vivo em um conto de fadas.

Tenho coração. Amo. Sou amada. Sonho. Vivo. Sou sensível.

Ser forte, não é criar um tipo, fingir que nada o ataca, que é feliz, que nada te incomoda.
Ser forte é não fugir da realidade, falar a verdade, mesmo que isso doa a quem doer.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Terça? Quarta?

Deitada na cama, vendo TV, pensando.. pensando.

Estou a espera de uma resposta por telefone que deverá vir até sexta, se não vier posso esquecer o assunto. Isso me deixa extremamente ansiosa.

Conversa com o Sr. Sapo:

Eu: Me busca amanhã lá no centro as 6.
Sapo: Não dá, amanhã tem concreto, não sei que hora aqueles ($%$%¨#) vão terminar e tu sabe que eu não posso arredar o pé de lá.
Eu: Ahh tá.. tu sabe que eu não posso faltar, eu vou voltar como?
Sapo: Amanhã é quarta.
Eu: Quarta? Então hoje é terça?
Sapo: É. Tu achava que hoje era quarta?
Eu: Achava..rsrs..
Sapo: Tu ta vendo jogo na TV?
Eu: Não....
Sapo: Então não pode ser quarta.

Alívio total. Pra quem precisa de uma resposta até sexta, saber que estava pensando no dia errado, já está no lucro. Já andava triste, afinal sexta estava tão próxima e o telefone não ligava, ao menos ganhei um dia. Mesmo que tivesse contando os dias errados (rsrs)
Eu ando assim, não sei nem ao certo os dias da semana.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Dor...

Eu tenho muitas dores de estômago. Essa noite foi mais uma mal dormida devido a isso. Tenho experiência nesse assunto, desenvolvi técnicas para amenizar cada tipo de dor. A principal técnica é a paciência, nada do que eu fizer a dor vai passar, o melhor é ter paciência e esperar que o tempo é o melhor remédio.

Sempre tive dificuldades de concentração. Quando vejo as pessoas meditando, nunca me achei capaz de fazer o mesmo. Meditar significa limpar os pensamentos, não pensar em nada. Minha voz interna não me deixa em paz para isso.

Engano meu. Quando eu sinto dor, eu entro nesse estágio. Não penso em nada, apenas sento na cama, encosto as costas e controlo a respiração, fico estática. E assim eu consigo ficar por horas. Até que sou vencida pelo cansaço e durmo.

Durmo.. durmo..o sono dos justos, de quem sentiu muita dor e aprendeu que remédio nem sempre é a melhor solução. Bom, essa noite já passou.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Memória...

Minha memória anda falha, tem me deixado na mão em vários momentos, por exemplo são as minhas próprias senhas, até a do banco. Estou horrorizada comigo mesma. Devo comer espinafre?

Dizem que espinafre é bom para as atividades cerebrais. Entendo que minha alimentação não é a mais correta que existe, mas também não é totalmente errada, o que seria eu sem o arroz e feijão.

Nunca tive preguiça de pensar. Ando extremamente preguiçosa. Será contagioso? Hereditário? (rsrs). Mesmo estando nesse estado de "preguicite aguda" eu ainda lembro dos momentos mais lindos de minha vida.

A séculos atras um professor de Marketing perguntou a turma que cada um contasse o melhor e pior momento de sua vida, e o que fariamos daqui a 1, 5 e 10 anos.... conforme a minha vez foi chegando comecei a entrar em desespero por que não encontrava as respostas em mim mesma, se fosse hoje com certeza eu não precisaria me retirar da sala para não responder uma pergunta tão simples.

Os melhores momentos da minha vida: Ir colher agrião na serra com meu pai. Os almoços de domingo na casa da minha vó. Ver minha mãe costurando. O dia que passei no vestibular. Quando descobri que já sabia ler e sai lendo tudo. Jogar dominó nas noites que faltavam luz. O dia em que o sapo e eu passamos a morar juntos. E todas as demostrações de afeto que recebi em blog.

Os piores momentos da minha vida: O dia do diagnótico fatal (apesar de estar avisada da grande probabilidade). A perda de meu pai, doeu e ainda dói. A perda de minha vó. (duas perdas perto uma da outra). Outros momentos que pareciam os piores ficaram pequenos diante desses.

Planos para daqui:

1 ano: Terminar a minha faculdade (se tudo andar no mesmo rítmo).

5 anos: Ter a minha casa. Talvez uma pós em educação. Filhos.

10 anos: Estar 100% curada. (pra mim, ainda se pensar em 10 anos a frente fica fora das minhas possibilidades).

Bom tudo isso, se a minha memória me ajudar, vai que eu esqueço.
Quem eu sou? Onde estou? Quem é você?

sábado, 26 de julho de 2008

Carteiras de cigarro

Estava vendo o noticiário do meio dia, e apareceu uma reportagem, que para variar peguei pela metade, apenas entendi que estão entrando na justiça ou já entraram, sei lá, só sei que é para retirar aquelas imagens das carteiras de cigarro.

Entre várias opiniões, que na minha opinião deveria conter no rodapé além do nome das pessoas se estas são ou não fumentes. Umas reclamaram que a foto choca até não fumantes. Outros que as imagens não chocam o público alvo. E alguns fumantes assumidos, falam que não olham por que isso os faz refletir.

Quando eu tinha uns 13 anos, uma empresa fez uma campanha em nossa escola mostrando o que o cigarro causava em nosso corpo, foi um filme chocante, eu que nunca tive a pretenssão do vício, fez com que eu tivesse ainda mais certeza. Já amigas minhas que já iniciavam no vício, permaneceram com a mesma opinião.

Eu tenho um fumante em casa, o que ele faz com a carteira de cigarro? Simplesmente ele virá a imagem pra baixo e pronto, não faz diferença pra ele? Fazz.. por que se não fizesse, ele não viraria a imagem.

Antes deles pensarem em retirar as imagens, que tal colocar dos dois lados? É uma opção, porém os fabricantes iriam aceitar? Bem provável que não. Tenho minhas dúvidas se as pessoas que querem retirar essas imagens são de não fumantes que sentem-se chocados com a situação..

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Solidão opcional

Quando criança, estar sozinha era por não ter opção. Minha mãe era e é costureira, costurava em casa, em um quarto e como meu pai trabalhava o dia todo, meu irmão com diferença de 10 anos também. Era somente eu e ela. Então ela me mantinha aos seus olhos, eu não podia sair daquele quarto, era ali que eu passei maior parte da minha infância, até entrar na escola.

Em fase escolar, não fui a menina mais social. Na segunda série ganhei até um prêmio por ser aluna mais quieta da sala. Comportamento antagônico, pois fora da sala era e ainda sou conhecida pelo meu comportamento explosivo. Mesmo assim tinha muitos amigos. E ainda minha mãe me mantinha sobre seu controle, não podia brincar na casa de ninguém e muito menos na rua. Meu espaço dentro de casa, ampliou-se, além do quarto de costuras, podia usar a mesa da cozinha pra fazer minhas tarefas.

O tempo passou. Eu cresci. Hoje sou uma mulher que gosto de ser, estar sozinha, o que antes era imposição, hoje é opção. Gosto do silêncio, de fazer o que gosto a hora que quero. Não gosto de regras, rotina. Não gosto de barulho. É uma opção, não única, mas é a preferencial. O isolamento faz parte dos meus hábitos.

Sei que não é fácil compreender essa minha opção, quando a maioria das pessoas apreciam a vida em sociedade, e eu prefiro a companhia de um livro, da tv, da internet, do meu gato Cascão.

Preciso isolar-me pra fazer o que mais gosto, conversar comigo mesma. Resolver-me. Pensar.

Estar sozinha, querer estar sozinha, não significa que eu não ame, não viva, que eu não goste das pessoas, eu apenas tenho um jeito diferente de demonstrar meu afeto, podem ter certeza que nos meus momentos de convívio interno dediquei muitos pensamentos as pessoas que eu tenho consideração.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Conhece-te a ti mesmo...

O filosofo Sócrates sabia o que dizia. Eu não sou nenhuma filosofa, mas sei da importância do "auto-conhecimento". Quem conhece melhor nós do que nós mesmos. Posso parecer meio egoísta, mas é fato: Gosto de minha própria companhia, sou a pessoa que mais gosto de "auto-conversar", "auto-ouvir". Não é egoísmo e explico o por que. Por que eu sei dos assuntos que eu gosto, não me critico e não me faço perguntas as quais não gostaria de responder, quando não quero conversar me calo e nao interrompo o meu próprio silencio.

Conheço a mim mesma. Gosto dessa voz que tenho por dentro que me faz companhia.

De onde vem essa voz? Já me perguntei tantas vezes. Ainda não encontrei uma explicação lógica, nunca ouvi falar o que é ela, dizem que é nosso pensamento, e nunca ouvi falar onde ela se localiza. Alguns dizem que é alma.

E não é somente uma voz. Eu contabilizo duas. Uma que eu tenho controle, que me faz companhia, que eu gosto. E a outra voz, desvairada, insana, que resolve cantar as musicas irritantes, que faz eu me sentir mal, que me deixa mal educada e mau humorada.

Como se fosse igual os desenhos animados, de um lado um anjinho e de outro um diabinho, dando conselhos ao meu pensamento.

Quando nos conhecemos, sentimos prazer em estar consigo mesmo, mesmo quando o lado irritante, insiste em cantar lá no fundo: "créuu.. créuu.."

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Indignada!


Hoje foi daquelas manhãs que não conseguia tirar o sono da beleza. Estava pensando insistemente nas minhas contas de email em que não lembrava mais a senha.

Vim para o computa com a idéia fixa "sem lembrar as senhas eu não saio daqui". Saracotiei aqui, andei ali, pensei la. Algumas eu consegui. A do yahoo já eras. Sei la o que eu coloquei no meu perfil como data de aniversário, não tenho o hábito de mentir essas coisas, mas de fato o email não poderá mais ser acessado.

Eis que entro no email do meu blog do weblogger, está lá.. avisando que o blog deixará de existir em uma determinada data, e para pulos do meu coração, a data já passou a dias. Meus dedos tremeram, a boca secou. Corro o mouse e entro no blog, mas estava aparecendo.. (para um alivio temporário), fui começar a copiar os textos, eis que quase enfartei.. TODOS os arquivos passados já tinham expirado. Quase tive um chilique! Acho que tive um chilique!

As emoções se misturaram: ódio (do weblogger, mas com certeza eles nao vao perder o sono por minha causa), tristeza (por 2 anos de blog perdidos), ansiedade (começar um novo blog) e raiva novamente (eu gostava do weblogger)!
Mas está ai.. O Sonho Contínua, mais bonito, mais lindo... "o pra sempre, sempre acaba"!
E lá vou eu, para mais um recomeço. Inspirem-me.