domingo, 29 de março de 2015

...

Na minha busca pela paz eu sinto que mais me afasto dela. No momento é o que eu mais desejo. Ficar em paz, mas me sinto atormentada por dentro.
 
Queria mesmo é ficar sozinha pra ver se ela chega mais perto. Eu tento me aproximar, tento me acomodar, mas por mais que eu faça eu ainda sinto essa aflição.
 
Desisti de muita coisa, de muito trabalho, de pessoas. Desisti por estar cansada, cansada de sonhos, cansada de me desgastar, cansada de me cobrar demais. Apenas cansada.
 
Eu me sinto assim, cansada de tudo e de todos.
 
Ninguém sabe. Ninguém percebe. Eu não me permito deixar as pessoas verem as minhas fraquezas.
 
Meu corpo paga por minha alma dolorida. São dores de estomago incontáveis, dores de cabeça insuportáveis e noites de insônia a me instigar.
 
Acho que já fiz o que estava ao meu alcance ou ao menos tento fazer. Não sou tão forte como pensam. Eu sou fraca e me deixo contaminar pela energia negativa a minha volta. Eu absorvo e vou me esgotando.
 
É por isso que busco a paz. A paz perdida. As noites de sono. O calor do coração.
 
Infelizmente eu não confio em mais ninguém.
 
Eu me sinto sozinha, por isso escrevo. É minha forma de explodir emocionalmente.
 
Alguns usam drogas, outros álcool eu apenas escrevo ao vento. Escrever é minha ultima tentativa de acalmar minha alma, antes eu silencio.. dias e dias ando quieta pelos cantos. Ninguém percebe.
 
Não. Apenas uma pessoa percebe. A você que nota minha ausência, obrigada.
 
O corpo precisa de repouso. Eu tento, eu reviro pela cama. O corpo dói por que esta cansado, deseja relaxar, mas eu não consegui dormir.
 
Leio acima da minha media a procura do sono. Ele não vem, eu desisto, por que assim como o corpo cansa, meus olhos doem, ressecam por que desejam fechar. Eu os fecho por um tempo pra ver se o sono vem. Não vem. Não vem.
 
Acho que infelizmente chegou a hora de procurar um medico.
 
Medico da alma.

quinta-feira, 26 de março de 2015

...


Ela não sabe que eu a observo. Todas as vezes que ela se aproxima de mim é inevitável não pensar que  a vida já lhe tirou as pessoas que ela mais amava de forma trágica e sofrida e mesmo assim ela não aprendeu nada, não aprendeu a ser mais humana e principalmente que nem sempre quem mais amamos e pretendemos defender são merecedores. e que os fins..jamais vão justificar os meios. Mesmo assim ela não mede esforços pra prejudicar pessoas que atravessem o seus caminhos.
 
Mais uma vez eu atravesso o caminho errado.
 
Já cheguei a conclusão e desisto. Não vou mudar, não vou me contaminar, eu sei que eu sou correta nas minhas ações e na minha coerência, infelizmente tem quem me julgue errada ou pior .. tem quem não tenha coragem de me enfrentar.
 
Eu tento.
 
Eu não mereço.
 
Já enfrentei situações piores na minha vida e estou aqui de pé.
 
E ela também.
 
A igualdade... somos duas guerreiras da vida.
 
A diferença?
 
Eu jogo limpo, com as minhas capacidades.

domingo, 8 de março de 2015

Deixa pra lá...

Dizem que o que vale é a intenção, dizem também que devemos dar valor aos pequenos gestos.
 
Eu tento.
 
Quando acordei, ao descer a escada avisto flores em cima da mesa, bonitas sim, porem laranjas como a do dia das mães, em cima de uma caixa de bombons.. próximo.. escrito "Feliz dia das mulheres".
 
Até ai tudo bem...
 
O detalhe é que o bilhete foi escrito em uma folha dos cadernos de rabiscos da Lígia, em folha pautada e de caneta comum azul, com uma letra não tão esteticamente bonita, pelo menos não havia rasuras.
 
Um longo suspiro. Ignorei, o coração estava cheio de boas intenções, mas a pessoa esquece que eu sou detalhista, perfeccionista e que a embalagem é tão ou mais importante que o presente.
 
Dizem que lírios significam "amor eterno". Eu perdoei o detalhe. Será que o laranja tem uma simbologia especial.. por que algo me diz que no natal vem mais flor laranja, é sempre assim, quando o sujeito bate numa coisa.. vai longe, até eu reclamar.

sábado, 7 de março de 2015

Freud sempre rende...

Uma verdade. Eu leio desde sempre. Eu amava ler mesmo antes de conhecer as letras, antes de saber que eu precisava uni-las para formar palavras e depois formar frases e que depois iam virar histórias. Livros fazem parte da minha vida, da minha família.
 
Na minha casa havia uma estante, que para uma família humilde era bem recheada, segundo meu pai gastar dinheiro com livro era investimento. Nessa estante haviam enciclopédias, dicionários, coleções variadas e os meus preferidos.. os clássicos da literatura infantil, eu nem sabia quem era Hans Christian Andersen. As vezes minha mãe deixava eu  folhear algum livro, me colocava sentada no sofá, e eu ficava olhando os desenhos do livro que eu escolhia.
 
Havia o livro intocável, mais tarde descobri que nele continha a história da morte que vinha buscar a vovozinha da menina, aposto que minha mãe não leu, pois a menina convencia a morte do contrario. Quando eu aprendi a ler, eu lia uma historia por noite, tinha por habito de levar um livro para o quarto e ler antes de dormir, dizem que minha miopia decorre dai, de forçar os olhos nas luzes do abajur.
 
Li "gibis". Revistas. Jornais.. essa foi a infância e adolescência em um tempo que não havia internet e tv não era interessante o suficiente (ao menos para mim). Aprendi a apreciar literatura nacional, é o que havia na biblioteca da escola, de literatura estrangeira o máximo que me aventurei nesse tempo foi Sidney Sheldon, li o que estava ao meu alcance.
 
E assim foi indo. Leio por prazer, por hobby, leio por que gosto. Não tenho pretensão, vocação ou qualquer coisa na área da literatura.
 
Final de ano, minha mãe me questionou que tipo de livro eu gostava, ela sabe que eu leio de tudo, mas ela com certeza estava com vontade de me presentear, disse a ela que não escolho livros, são os livros que me escolhem, ela ficou pensativa.
 
É uma verdade, eu leio o que chega até minhas mãos. Emprestados, presentes e quando procuro uma biblioteca, gosto de andar pelos corredores e ser escolhida por algum titulo, assim eu já achei os melhores e nem sempre os mais conhecidos.
 
Dentro de tudo isso, eu tenho minhas manias, minhas rotinas e meus hábitos.
 
1. Os livros me escolhem.. sejam pelos títulos, pela capa ou por acharem que eu gostaria de ler.
2. Se eu começo um livro eu termino, seja bom ou ruim. Se for bom, leio mais rápido.
3. Inicio varias leituras ao mesmo tempo. Explico-me... não tenho preconceito, leio no computador, tablet e celular e em cada um eu inicio um livro, quando eu vou terminar? Vai depender do livro.
4. Faço anotações de tudo que leio.
5. Nem tudo que leio eu faço textos, não é o foco do blog, sou péssima em resenhas.
6. Uma dica, nunca..mas nunca mesmo procure nada sobre o livro que você está lendo na internet. A opinião dos outros nem sempre é compatível, mesma historia percepções diferentes. Então, depois que terminar ai sim.. é interessante saber o que os outros pensam sobre o que você leu, um bom site pra isso é o Skoob, não o meu blog.
 
"E por fim, o que Freud diria sobre pessoas que se escondem atrás do anonimato para dar sua opinião?"

quinta-feira, 5 de março de 2015

Vida da mãe...

Minha vida.
 
Eu respiro você 24 horas. Dois anos passam rápido demais. Tudo foi tão repentino, a descoberta da tua vida, o desespero, a surpresa e o encanto. A primeira vez que ouvi seu coraçãozinho bater e no mesmo dia descobri que minha vida ficaria mais cor de rosa. O encanto de te carregar dentro de mim para todos os lados e ser mimada só por que fazia parte de mim. Meu desejo insaciável por melancia.
 
Organizar o quarto, arrumar todas aquelas roupinhas lindas e me imaginar a vestindo. Te desejando ter pertinho de mim. Sentir você se mexendo dentro da minha barriga pela primeira vez, os chutes a noite. O grande dia, as dores... você nasce, eu só queria ouvir você chorar e saber que estava tudo bem, as 17:17... um dia de sol lindo. Calor.. e eu não sentia nada, estava irradiando felicidade, quando te vi pela primeira vez, os olhos puxados e os cabelos negros, que logo lembraram o pai. E foi assim, e é assim, o teu olhar e o olhar dele, pedem.
 
As noites sem dormir. O desespero. O que ninguém conta. Você sugou todas as minhas energias, mas cada dia aprendi a te amar mais e mais. Teu primeiro sorriso,  a minha ansiedade e enfeitar aquela careca linda, e você sempre toda linda. Não me canso de te admirar.
 
O primeiro dentinho. A primeira fruta. O trabalho que você me deu para beber agua e ainda me da. Quando começou a sentar, a engatinhar a falar .."mama" e depois "papa" e hoje diz "eu sou a vida da mamãe", e meu coração se desmancha todo em sorrisos e beijos.
 
As preocupações, a demora pra andar. O dia em que caiu e partiu a testa e nos fez ir pro pronto socorro as 10 da noite pra fazer 2 pontos. Você gritando, dizia "para titio", e eu te segurando chorava junto e junto chorava a cada troca de curativo e toda vez que olho para tua testinha linda e vejo a cicatriz, tento não me culpar, que cicatriz faz parte de toda a infância e espero que cresça e pense assim também.
 
Amo-te todos os dias. Amo a tua personalidade forte, teus sorrisos e tuas manhas, me encho de orgulho quando dizem que você é linda, inteligente e cheirosa. Peco em tanto que estimulo, já conhece as cores, já fala de tudo e mais um pouco e quando brava diz que sou "metida".
 
Fico feliz em ter certeza que fiz um bom trabalho até aqui, que você come de tudo, que é uma criança feliz e saudável e que sinto por você um amor que não cabe dentro de mim.
 
Te desejo felicidades, um futuro cheio de TUAS escolhas, sim por que você terá o direito de escolher e o que você desejar para tua vida, se errar ou acertar.. eu sempre vou estar aqui pra te acolher, te amar e jamais te julgar.

quarta-feira, 4 de março de 2015

Falta de.. sobra de...[assunto]

O mesmo tempo que me falta é o mesmo tempo que me sobra. Março já entrou ano a dentro. Bateu na porta cheio de sorrisos. É mês de comemorações dos dois piscianos que completam minha vida, os mesmos que me acalmam e que me estressam!
 
Os dias andam mais calmos. Ando a ler muito. Algum tempo, porem não sei uma palavra para descrever o que anda a se passar, seria uma letargia? Ando sem vontade pra nada. Pra nada mesmo.  Já cogitei a ideia de comprar pó de guaraná pra ver se da um up na pessoa aqui! Minha experiência diz que não me adianta, que preciso mesmo é de renovar minhas energias.
 
Então...
 
É serviço de dentro pra fora. Por fora está tudo ok. O mínimo está em dia, sobrancelhas e unhas. Então a bagunça é interna, é uma sensação de energia esgotada, preciso algo pra dar uma sacudida.. tirar essa energia negra que me cerca, não é tristeza, é desanimo mesmo.
 
O trabalho esta aceitável, como todo inicio de ano. Depois piora, ainda estou a me adaptar a algumas regras internas novas, como não poder usar o celular e também a me acostumar com a minha mais nova superiora que esta me deixando em estado de nervo abalado, as vezes pela total desorganização dela.
 
Eu abstraio. Eu sobrevivo.
 
Como diz a Lígia.. "minha vida, não precisa chorar".
 
Bom meio de semana!