segunda-feira, 18 de novembro de 2013

A resposta..

Por que mulheres como você nunca se apaixonam por caras como eu?
 
1. Que tipo de mulher eu sou?
2. Que tipo de cara você é?
 
3. Bem provavel que eu não seja a mulher que você pensa que sou, assim como você não deve ser o cara que pensa que é!

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Indo...

As vezes penso em deletar o blog, nao tenho tempo pra ele, quando tenho tempo nao tenho vontade de escrever (acredito que é consequencia da falta de tempo pra ler). Ainda nao consegui me desapegar, nao tenho assunto.
 
Falar da vida se resume em todos os dias praticamente iguais, a sensação que um dia se encerra e outro recomeça nao existe, parece que um dia eterno, tudo muito rapido. Falar sobre a maternidade é tão cansativo quanto viver a realidade, mas também é um momento que passa rapido.
 
Vivo sentimentos conflitantes, duvidas, passo por crises, mas passa. Eu sempre renasço, sou essa fortaleza, boa parte da minha força vem de eu acreditar que tudo eu consigo (as vezes demora um pouco e se nao aconteceu ainda é por que vai demorar um pouquinho mais).
 
Feriado hoje, dia mais ou menos, bom pra descansar, ainda vou colocar uma rede por aqui, preciso anotar isso, por que minha cabeça nao me ajuda tanto quanto antes. As coisas com o tempo se arruma, se eu nao aumentar meu nivel de exigencia.
 
O cartao continua no fundo da bolsa ainda, também nao tive coragem de me desapegar. O email eu respondi, apenas porque eu nao sabia o que responder e nem sei se respondi o correto, se é que existia uma resposta correta, mas talvez um resposta satisfatória.
 
Vamos ver. Aguardando.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Pequeno mas de grande importancia...

Sou uma pessoa observadora, partindo desse ponto posso falar coisas que magoem qualquer um, por que sei o que ofende ou não. Digo, posso, por que não faço isso. Acho que tudo tem um limite e magoar demais as pessoas nunca foi e acredito não ser meu forte. Discuto, debato, não levo desaforos e dentro daquilo que eu sei que tem volta.
 
Tem palavras que nao tem volta. Elas ficam ali na cabeça da gente e as vezes desce para o peito, faz a gente chorar quietinha quando lembra. Elas doem, ainda mais quando vem das pessoas que a gente ama e nos faz refletir que quando a coisa chega a um ponto desses é por que não tem mais volta.
 
Triste a gente fica, mas a vida continua, com certeza tem mais gente que precisa do nosso sorriso e a quem de valor pra ele.
 
Uma amiga colega de trabalho esse ano, diante de tantos problemas, disse que queria ser forte, igual a mim. Ela não me conhece realmente. Disse a ela que não era bem assim, que as pessoas me julgavam forte, achando que eu nao me abalo com nada. Pelo contrario, eu absorvo tudo e fica tudo guardado pra quando a cabeça encosta no travesseiro, ai se faz como criança... chora até dormir e no outro dia é outro dia, passa.
 
Mas nem sempre é assim. Tem situações que passam dias e dias e dias. Algum tempo atras (aprox. 10 anos), passei por um grande dilema semelhante e uma noite, parei e depois de muito refletir, concluia que eu não precisava passar por aquilo e nao merecia.
 
Eu não quero repetir erros como naquela noite, por isso o cartão continua na bolsa e um email sem resposta, mas sei que eu nao preciso passar por isso, mas a maturidade já me ensinou que situações se repetem o que não se pode repetir são os erros e as soluções que damos a elas.

domingo, 3 de novembro de 2013

Era...


Sabe quando voce esta sozinha e não sabe pra que lado olhar, falar? Eu me sinto assim a todo momento. Minhas angustias, minhas tristezas, são apenas meus problemas. Dói bastante, mas passa. Quando não se tem ninguém com quem dividir a gente aprende ser emocionalmente egoísta. Aprende a ser forte. Chorar em silencio e sorrir em aberto.
Até o final de ano. Foi o prazo que me dei.
Já fiz isso antes, mas cometi o erro de não me respeitar. Agora não, estou cansada demais.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

..coisa de criança

Não sou muquirana, mas não sou adepta ao desperdício. Uma calça descosturou na costura da parte de trás, sem tempo para costurar e sem vontade, ando com ela por casa com o furo, mas eu sempre lembro da existência dele.
 
Por esses dias, organizando algumas coisas no jardim, escuto risinhos da sacada do vizinho. Sim estava eu de costas, e já sabia o por que dos risinhos das meninas, sim era por causa da minha calça furada no bumbum.
 
Espiei, elas olhavam e riam... quando olhava elas se escondiam.
 
Continuei e terminei o que estava fazendo e os risinhos não cessaram. Perguntei a elas do que elas riam, esperando qualquer resposta..
 
"-Tia, é que você não viu que sua calça está furada!".
 
... "Vi sim, uso assim para pegar um vento!" Brincando com elas e saí..  O fato entre eu não saber ou saber, era importante pra elas, por que pararam de rir e ficaram pensando sobre o assunto.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

....de janeiro a janeiro...

Não consigo olhar no fundo dos seus olhos
E enxergar as coisas que me deixam no ar, deixam no ar
As várias fases, estações que me levam com o vento
E o pensamento bem devagar
 
Outra vez, eu tive que fugir
Eu tive que correr, pra não me entregar

As loucuras que me levam até você
Me fazem esquecer que eu não posso chorar
 
Olhe bem no fundo dos meus olhos
E sinta a emoção que nascerá quando você me olhar
O universo conspira a nosso favor
A conseqüência do destino é o amor, pra sempre vou te amar
 
Mas talvez, você não entenda
Essa coisa de fazer o mundo acreditar
Que meu amor não será passageiro
Te amarei de janeiro a janeiro
Até o mundo acabar
 
(De janeiro a janeiro - Roberta Campos)
 
A.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

e no fundo da bolsa...

Mais um dia, pensei eu antes de sair de casa. Ela a postos, ele nem tanto, mas a gente precisava ir. Tem coisas que não se pode protelar.
Mercado Público cheio. Pessoas daqui, dali. Conversa. Briga de cheiros. Ele corre pra ver vinho, queijo, salame. Eu com ela a  tira colo, procurando comprar tudo o mais rápido possível pra sair daquele inferno. Faço o pedido, enquanto espero vou dando uma olhada por ali, por aqui. Pedido pronto para ser entregue, quando vou pegar.. uma voz ao lado apressado faz um pedido ao mesmo atendente que agradeço.
Queria fugir, passou tanta coisa pela minha cabeça. Olhos se encontram, meio sem graça. Não teve aquele “Ohh você por aqui! Quanto tempo?”. Não havia espaço para isso. Ele pergunta docemente.. “-Tua filha?”. Um SIM meio muito sem graça, seguido de Meu marido está ali comprando queijo, ficou com dica para desistência de qualquer tipo de possível pensamento de gracinha ou algum comentário sobre o passado, apesar de lembrar que esse tipo de indelicadeza não fazia o tipo dele...mas...
Um sorriso, gracejos pra ela em meu colo, pede para segura-la. Permito. Em mim apenas a insegurança da chegada de um marido ciumento a qualquer momento. Sorrisos.. e um cartão que guardei no fundo da bolsa.
Um marido que chega. Descubro que aos olhos dele, deixo de ser mulher e passo a ser mãe. Nenhum sinal de ciúmes, afinal na cabeça dele uma mulher com uma filha no colo não apetece a ninguém. Cumprimenta o sujeito, parecia um pavão cheio de orgulho ao ouvir que tem uma linda e esperta filha. Um adeus... e naquele momento a exumação de um passado.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

...na linha do tempo...

As vezes dá vontade de desacelerar a vida. Ficar atoa. Passar o tempo sem pensar que se está perdendo tempo. Ela já está com quase 8 meses, dorme o sono dos anjos que o tempo ainda lhe permite, sei que ao acordar vai me presentear com um belo sorriso e um olhar cheio de inocência.
Esse ano voou. Tenho a sensação que o dia passa que eu nem sinto.  É de manhã, logo será noite, e um novo dia recomeça. Uma única verdade, não tenho tempo. Meu dia é rigorosamente cronometrado, mas dou conta de tudo e esse tudo eu dou conta. Tento ser boa o suficiente, boa mãe, boa esposa.. acho que estou conseguindo.
Ainda tem o trabalho, já ouvi tantas besteiras sobre isso, só tenho uma coisa a dizer: “ – Trabalho por que gosto de dinheiro. Gosto do meu dinheiro, seja ele pra ficar no banco e eu só olhar o saldo e ficar satisfeita ou pra eu comprar o que eu bem entender com ele, sem precisar pedir a ninguém, muito menos pra marido.”
 
As coisas já se encaixaram, tudo sincronizado. Tanto que já deu pra pensar e fazer besteiras, que talvez um dia eu as desabafe por ai. As unhas continuam roídas, os cabelos por fazer, os quilos alguns permanecem em mim, mas por dentro calmaria
 
O temperamento ainda o mesmo, não atinjo o tão esperado equilíbrio. A doçura ainda se faz presente assim como a pimenta. Decepcionada com a maioria das pessoas, acho que voltei a ser eu mesma, talvez um dia eu conte por que sou assim esse bicho do mato, pois descobri os motivos revirando o passado, como já disse antes, lembro que nem sempre fui assim, mas também deixei de lutar contra.
O destino gosta de brincar comigo, traz o passado. Bate na minha porta. Isso não foi muito
legal. Respostas.
Vou dizer

Que nessas frases tem um pouco de nós dois
Que não deixamos o agora pra depois
Quando te vejo eu me sinto tão completo
Por onde eu vou

E nesses traços vou tentando descrever
Que mil palavras é tão pouco pra dizer
Que um sentimento muda tudo
Muda o mundo
Isso é o amor
(Na linha do tempo - Victor e Leo)

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Lembrei...

Hoje lembrei do meu pai, senti uma dorzinha la no fundo do peito. Lembrar dele não seria nenhuma novidade se isso agora acontecesse com maior raridade. Levantei cedo, o dia estava pedindo, sol e calor. Coloquei roupa na máquina. Aqueci água para um café. Dois momentos raros, acordar cedo e tomar café. Enquanto tomava café observava o sol que entrava pela porta da cozinha. Que dia lindo! Lígia ainda dormia, um raro momento de intimidade comigo mesma.
 
Lembrei dele, em meio a degustação daquele café mais frio do que quente. Lembrei do sorriso, o sorriso dela sempre me lembra a ele. Pensei, pensei em tudo o que aconteceu, deu saudades, mas uma saudade de quem já se acostumou a sentir e sabe que não tem jeito.
 
Infelizmente de perfeito ele não tinha nada, mas e quem é...?

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Sonhos já sonhados...

Chegava em casa, cansada do trabalho, largava as coisas em cima do sofá... escuto risinhos de meninas, elas estavam cantando e dançando, havia uma música baixa de fundo não identificada por mim. Ela corre ao meu encontro, me abraça e aponta para a sua amiguinha. Olho perplexa, a reconheci imediatamente, ela sorri com os olhos...a única coisa que me vinha a mente "como ela chegou até aqui? onde elas se conheceram?".
 
Levei minha menina até o banheiro dela. Rosa lindo, posso visualizar cada detalhe ao fechar os olhos, sentei com ela e perguntei quem era a amiguinha dela. Ela me olhou com os olhos tristes: "Você não gostou dela mamãe?" Como explicar a ela que elas não deveriam ser amigas? Não tive coragem. Apenas perguntei quem vinha busca-la e ela me diz que era o pai dela e ele ja deveria estar chegando.
 
A campainha toca, abro a porta, sim era ele. A minha esperança é que ele não me reconhecesse, o jeito era agir normalmente... quando entrego a menina, ele sai vira as costas e parecia sair, derrepente se vira e ia dizer alguma coisa.
 
Eu acordei.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Desanimo

Sabe... as vezes eu tento fazer tudo certinho, quer dizer, eu tento fazer o que eu acho certo, mas tem muitos dias que eu não consigo.
 
Minha vida não é um filme americano, que mulheres acordam cedo, super dispostas, saem pra correr, voltam pra casa fazer café para os filhos e marido, levam os filhos para escola, trabalham, voltam pra casa, cuidam da casa, lavam, passam, vão ao mercado, fazem compras, cozinham e estão sempre lindas e maravilhosas.
 
Não é, nunca foi e nem será assim.  Tá certo, que já fui mais animadinha, já enfrentei problemas maiores e nunca me abati tanto como agora. Estou desanimada, deve ser por meu senso de perfeccionismo de querer fazer tudo como eu julgo certinho, acabo me frustrando e não fazendo nada.
 
Não consigo acordar cedo e nem dormir cedo, estou comendo como uma louca e o peso até então que era algo controlado, agora perdeu o controle e isso me deixa ainda mais angustiada. Meu cabelo cai impiedosamente, minhas unhas nunca tiveram tão feias, quer dizer, o que sobrou delas, pq a maior parte eu roi, minha pele está seca, minha sobrancelha por fazer, cheirando a leite azedo. Estou acabadinha e não tiro forças para reagir.
 
Minha casa só não esta um caos total, pq nos poucos dias de animo, eu coloco as roupas na maquina. Mas tenho pilhas da roupa da Lígia pra passar, a pia está transbordando de louça, minha cama está um ninho e o banheiro está desagradável.
 
Eu sempre gostei de levar as coisas em ordem, não sou a rainha da organização, mas no geral está sempre tudo organizado, limpeza por cima... o mesmo comigo, nunca fui impecável, mas mantinha minhas unhas e minhas sobrancelhas em ordem.
 
Sinto-me fracassada, por isso decidi que mês que em volto a trabalhar, é para a minha saúde e para a saúde de minha filha, não sera saudável para nos ficarmos em casa uma em companhia da outra, ela irá para uma escolinha, ter tardes mais animadas e talvez assim eu recupere o animo em viver.
 
Hoje no inicio da tarde, eu e Saponildo no quarto na sacada, quando olhei para a vizinha, fiz um comentário irônico com ele.. que se eu tivesse filho com 15, hj eu já poderia ter uma filha de 15 anos e estaria em casa de boa, sem me preocupar com nada, e ele disse para eu ter calma, que logo eu voltaria a arrumar o cabelo, cuidar das minhas unhas e teria mais tempo para mim. O estranho é que eu não reclamo dessas coisas pra ele, acho que ele está sentindo mais falta de mim do que eu mesma...

sábado, 6 de julho de 2013

Muita erva... ou não!

Na volta do centro, parados no sinal da prefeitura, horário de pico, sinal abre, sinal fecha e o carro pouco anda...
 
Do lado esquerdo passam dois adolescentes de bicicleta e junto com eles um música de fundo. Era o adolescente caroneiro segurando o celular no alto para o "motorista" ir ouvindo junto.
 
Saponildo comenta..
 
"Muita erva na cabeça".
 
Demos risada da situação.
 
Depois refletindo melhor, eles pareciam tão felizes, muita erva ou não, eles estavam felizes com uma coisa tão simples, hoje em dia a gente não se contenta com nada e quanto mais tem, mais quer.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

O que será?

Pais tentando entreter uma bebe aos prantos...
 
Mamãe desencanta Wando:
 
"Você é luz, raio, estrela e luar...manhã de sol...meu iaaaa meu ioooo..."
 
Papai tira do fundo do baú Beto Barbosa:
 
"Adocicaaaa meu amor.. adocica... adocica meu amor...a minha vida...oiii"
 
 
O que será dessa criança com pais de gosto musical tão duvidoso?...rsrs

terça-feira, 25 de junho de 2013

É...

Sou o que sou.
 
Não consigo mudar e nem sei se quero mudar. Tenho esse instinto selvagem dentro de mim que quando liberto, sai da minha frente, dos meus lado e da próxima encarnação. Não consigo me controlar. Simplesmente falo tudo o que me vem a cabeça e mais um pouco e o pior é que raras as vezes me arrependi.
 
Não importa o que aconteceu. Não vivo a vida de ninguém, não me importo com os outros, sou egoísta e autossuficiente e me irrita pessoas que querem fazer amizade sempre pensando no que pode lucrar com isso. Não sou assim e não admito sangue suga na minha vida.  E não estou nem ai pra quem me acha antissocial, chata, rabugenta.
 
Posso ser pior que isso quando eu quero.
 
Posso ser a melhor e a pior pessoa na vida dos outros.
 
Deu, me sinto mais leve.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

e na geladeira...

Abro a geladeira...
 
Um pacote branco... meio torto e bem estranho naquele lugar, chego mais perto pra ver o que os meus olhos não queriam acreditar e confirmo o nome na embalagem "farinha de trigo"
 
O que um pacote de farinha de trigo faz dentro da geladeira?
 
Bom, se não fui eu que o coloquei lá. então é mais do que confirmado que tem mais alguém surtado nessa casa.
 
 
rsrs....

quinta-feira, 13 de junho de 2013

A letra J




Tenho formação católica: batismo, primeira eucaristia e crisma, isso não significa que sou praticante e muito menos que concorde com tudo que a igreja prega, depois de mais velhinha adotei o espiritismo kardecista como doutrina religiosa e me considero bem feliz, obrigada.
 
Mas o fato que hoje dia 13 de junho é dia de Santo Antônio, não que eu chegue ao ponto de decorar dias santos, não é isso. Passei por um canal que mencionava a data, e fez com que eu lembrasse de um fato para escrever por aqui.
 
Na minha família, em meus tempos de criança e adolescente, ouvia se falar muito em simpatia. E eu até acreditava. Acreditei tanto que fiz uma.
 
Dizia-se que se no dia de Santo Antônio, se você pegasse uma baixela virgem, colocar agua gelada e pingar gotas de uma vela virgem, no total de sua idade, ia formar a letra inicial da pessoa com quem iria se casar.
 
Na curiosidade da minha inocência, um dia eu fiz, passei anos tentando fazer, mas como minha mãe não saía de casa eu não conseguia fazer, mas naquele ano, ela saiu e vendo a oportunidade...
 
Corri pra cozinha, catei uma tigela inox (bem usada, eu lá sabia que a virgindade influencia em alguma coisa) enchi de água gelada e fui atrás de um cotoco de vela. Acendi e pinguei as 13 gotas, ansiosa por demais e ali eu vi se formando a letra J.
 
Conhecia somente um menino com a letra J. Dono dos olhos azuis mais bonitos que já vi, interesse existia... mas deixamos passar os anos, mesmo assim o interesse continuou existindo, mas já não havia mais tempo e a vida nos levou pra outros lado e outros letra J conheci...
 
E depois de um bom tempo casada lembrei disso...que a pessoa que completa os meus dias foi predestinada por Santo Antônio e tem em seu nome inicial a letra J.
 
Acreditem se quiser.

terça-feira, 28 de maio de 2013

dos surtos nao entendidos.

A verdade é que não sei o que deve ficar e o que deve ir embora. Estou em crise novamente ou é falta de ocupar a cabeça com algo que me ocupe realmente, além de choro de uma pequena criança cheia de vontade e mimos.
 
Ando a ponto de surtar novamente, digo novamente por que andei a surtar a uns tempos atras ai. Abro o guarda-roupas e tenho vontade de pegar tudo o que tem ali dentro e jogar fora e comprar tudo novo. E por que nao o faço? Por que ainda nao surtei totalmente, as coisas ainda estão ao meu controle, mas de fato ando com essa vontade, é quase uma obsessão toda vez que vou pegar uma roupa... é infantil demais, velha demais, grande demais, pequena demais, madura demais, parece que eu me perdi e nao sei mais me vestir, ando a implicar ate com meus pijamas.
 
O mesmo acontece com a casa.
 
O mesmo acontece com a internet.
 
O mesmo acontece com as pessoas.
 
Sim. Eu já cheguei a conclusão que o problema sou eu, por isso tento me controlar. Não sei o que está gerando essa insatisfação com tudo, mas me sinto assim.Tudo o que tenho vontade de fazer, nao posso, nao consigo, tenho que adiar ou tenho que fazer picado. Nao posso tomar uma banho decente, fazer uma refeição ou antender o telefone, sem aquele choro ansioso que parece que adivinha as horas que estou ocupada ou com vontade de fazer algo alem de ser mae.
 
Nao sei quando tudo isso vai passar, quando tudo voltará ao normal. Sinto uma fome voraz e um sono que me consome, minha casa ta limpa demais e organizada demais. Nao li nenhum livro esse ano, na verdade nao fiz nada...
 
Algo nao vai bem no mundinho de Lucí.
 
Preciso de um animo que eu nao sei de onde tirar, tem mais coisas por baixo do tapete do que eu quero realmente falar. Enquanto algumas coisas se encaixam enquanto outras perdem o rumo.
 
O que eu penso realmente?
 
É que estou assim, pq estou me esforçando para entrar nos moldes esperados pela sociedade e toda vez que tento fazer o que todo mundo acha que é certo, eu acabo surtando (mais cedo ou mais tarde). Fico me esforçando para conviver com as familias. Ser o que dizem ser uma boa esposa, mae. Vestir-me como alguem para minha idade, me alimentar em horarios regulares e normais e dormir tbm.
 
Ca estou eu, sabendo e prevendo mais uma crise..

Editado; Da pra alguem dizer pra ela que eu nao sei quem é, e nao sei onde está o tal de né...

Né..nhé...né... nhé... (isso dava ate um funk daqueles bem vagabundos!)

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Sobre música...


 
Não sou uma pessoa entendida em música e muito menos o tipo de pessoa movida a música. Passo dias sem ouvir nada, na verdade na maioria do tempo prefiro o silêncio, música pra mim é sinônimo de barulho e raras as exceções não fico incomodada.
 
O clique gerador desse post sobre música, foi que um dia desses vendo Malhação (sim, eu vejo Malhação desde que Malhação é Malhação e pasmem, eu gosto!) mas retornando, estava eu assistindo a novelinha adolescente, quando já nem lembro mais o por que, apareceu uma participação do cantor Leoni, cantando a música "Porque não eu". Bom, se alguém das antigas está a ler por aqui, essa música foi tema, do meu primeiro blog e fazia fundo (no tempo em que se colocava música nos blogs). Eu gostava bastante dela, nesses casos, não enjoo da música.
 
Mas onde eu quero chegar com esse bla bla...? O que eu já andava a perceber, não somente na Malhação mas em outras novelas e programas, essas regravações das músicas, anos 80, 90.. isso é tão aceitável para a nossa geração toda essa nostalgia, ver todos os dias Léo Jaime na Malhação cantando desde Legião Urbana a Sandra de Sá, só me leva a um questionamento..
 
Os cantores dessa geração não agradam nem a eles mesmo, que se faz necessário um resgate musical pra ensinar a eles o que era o cenário do pop rock nacional,antes mesmo dessa turminha nascer, era tão bom, tão bom, que é contemporaneo e agrada a todos, até eu.

sábado, 18 de maio de 2013

Ali...

Tenho pensado muito sobre caminhos, escolhas e sobre minha relação pessoal com as pessoas ou a falta dessa minha relação.
 
Tento, mas não consigo. Endureci. É assim que me sinto, fria. Um tempo atrás ai, eu achei que estava mais doce, tolerante, apenas alarme falso. A única certeza é que em alguma fase da minha vida eu permiti que meu coração congelasse.
 
Fez um ano que havia retornado a terrinha. Agora foi diferente, um olhar diferente, uma busca e senti que definitivamente aquele não é meu lugar, permiti novamente que o frio congelasse meu coração, são as tristes lembranças que a cidade me traz, não vi em nenhum rosto, sinais conhecidos. Todos estranhos pra mim. Por que?
 
Por que pra mim eu conto nos dedos das mãos as pessoas que entraram na minha vida e permaneceram nela. E eu não sei por que sou assim, mas voltando a terrinha, lembrei que não nasci assim, um dia eu fui diferente, que eu cultivava amizades, eu só não sei onde e quando eu mudei, mas lembro que me tornei assim enquanto estive la, e a culpo por parte disso.
 
Eu fui a historia que todos diziam que ia dar errado, mas fui a única que deu certo. Pensei muito nesse olhar critico que as pessoas tinham sobre mim e não faziam nem questão de esconder. Quando ainda criança fui encaminhada para psicologa e taxada por louca por toda a família, pobres ignorantes, loucos eram eles, com valores morais distorcidos, eu era apenas uma inocente.
 
A vergonha ainda presente. Vergonha das coisas que meu pai fazia, e nem pensava em esconder, fazia ali pra quem quiser ver e comentar, sem pensar em todo mal que fazia a família e as crateras que nasciam em meu coração, que se transformaram no abismo entre nos.
 
Nos amores que não deram certo, que nasceram ali, entre olhares numa rua, que acabou em uma delegacia de policia e por fim um mal entendido desfeito, porem injustificavel, que os anos levaram as magoas, porem o passado nunca mais vai se apagar e pior nem se refazer.
 
Aquela amiga que sentava no meio fio da calçada, que riamos e sonhávamos, a mesma que está sozinha, rotulada, mas que ainda ri e ainda sonha e que foi capaz de perdoar a minha ausência por todos esses anos e me receber como se a última conversa fosse no dia anterior.
 
A escola, grande.. aquela em que por dias, semanas e meses, desenhei meus sonhos e escrevi meu futuro, mas nada que desejei ali se concretizou, a única vontade que nasceu naqueles bancos é que um dia eu sairia daquela cidade. Eu saí!

sábado, 4 de maio de 2013

(ponto)

Ainda a pouco dando uma passada rapida nos blogs da minha lista. Olho um..olho dois...e eis que um me chama atenção, não pelo conteúdo, mas por que em uma parte dele dizia a descrição que "a regra do jogo seria excluir o blog que deixou de atualizar a mais de seis meses" até aí, cada um faz o que quer com o seu proprio blog, o que me causou uma certa coceirinha foi o que veio em seguida "por que quem deixa de atualizar seu blog desrespeita seus seguidores". (ponto)
 
Tá.
 
Já desceu, meio indigesto, mas desceu.
 
Vamos lá.
 
Primeiro eu descordo dessa afirmação.
 
Acredito que blog sem fins lucrativos ou de cunho pessoal, não entram nessa categoria. Quando se começa a programar dias pra postagens, temas abordados, além do blog perder o carater livre, perde também sua essencia e espontaneidade. Fica robotizado. É o mesmo que escrever pensando na quantidade de visitas, escrever apenas para conquistar seguidores e escrever para ter alguns comentarios (ponto)
 
Eu por varias vezes, deixei o blog meio as traças, isso não significa que eu não passasse aqui as vezes, pra reler posts, olhar outros blogs e leio muitos, mesmo sem comentar e jamais me sinto desrespeitada quando entro em algum blog que está sem atualização, pior é entrar em blogs que eram excelentes e perceber que eles se perderam no meio do caminho, buscando uma popularidade, deixando de lado "o escrever livre" e apenas colocando conteudo que agradem uma maioria de gosto duvidoso.
 
Meu blog é pessoal, longe de mim algum dia pensar em ganhar algum dinheiro, pelo meu contador eu sei que tenho uma boa quantidade de acesso, mesmo sem estar atualizado. Porem, eu nao me sinto a vontade de fazer nada por obrigação. Escrevo quando tenho vontade, não tenho dia, não tenho hora e quando me ausento é pra não ficar me lamuriando pelos cantos, por que também ter um blog só pra reclamar da vida é dar forças para o pessimismo ou estar cheia de coisas para fazer e escrever no blog apenas para atualizar e deixar coisas importantes que acrescentam na minha vida, apenas para dar satisfação.
 
Peço desculpas para os meus seguidores, se algum entrou aqui e sentiu-se desrespeitado pela minha ausencia, mas quem me acompanha ja deve ter em mente que eu nao sigo regras e padroes e que detesto me sentir pressionada.
 
(ponto)

sexta-feira, 3 de maio de 2013

É tempo....

A minha vida deu uma reviravolta nos últimos anos, de uma total desesperança para o renascimento, mas eu nunca poderia imaginar que ela estaria como está, por isso por um bom tempo eu não planejo nada, por que o que eu planejei não aconteceu e o que nao foi, aconteceu melhor que a encomenda.
 
Estou destreinada em escrever, ter um blog requer treino, dedicação, leitura, nao me falta vontade e nem tempo, tenho até algum, apenas nao consigo por pra fora tudo aquilo que escrevo em pensamento, preciso mudar as coisas por aqui, mudar a cara, mudar perfil, simplificar.
 
Tenho que pensar em uma nova descrição de perfil, mas ai penso que o que eu escrevi nao podia estar mais atual, mesmo fazendo alguns anos. Eu ainda sorrio em aberto e choro em silencio.
 
A vida anda boa, a minha pequena enfim virou um bebe normal que dorme, mas ainda permanece em mim, as olheiras quilometricas e os quilos ganhos, que nao me apetece perde-los, mas pela primeira vez em muito anos, olho no espelho e gosto do que vejo, acho que com a maternidade veio a maturidade, aceitar que minha pele nao é mais a mesma dos 15 e que por tudo que passei, os meus 31 ainda me caem bem.
 
Quando olho pra ela me sorrindo, eu nao preciso de mais nada, para acreditar que um ótimo futuro nos espera entao pra que e preocupar com aparencia, se o que realmente importa sao as pessoas que amo e que me amam e que ja acostumaram com minhas olheiras, com meu mau humor e meus silencios.

Onde estiver espero que esteja feliz
Encontre seu caminho,
Guarde o que foi bom e jogue fora o que restou
 
Tem horas que não dá pra esconder no olhar,
Como as coisas mudam e ficam pra trás,
O que era bom hoje não faz mais sentido.
É, uma hora isso ia acontecer.
A vida cobra e a gente tem que crescer.
Me pergunto se você pensa em mim como eu penso em você.
 
  Pois acredito nos meus sonhos
Eu acredito na minha vida
E no meio dessa guerra.
Nenhum de nós pode ganhar
.
Sonhar, e não desistir.
Cair e ficar de pé,
Dar valor depois que passou.
É duvidar da sua fé,
Eu vejo a vida tem vários caminhos.
E entre eles o destino improvisa,
Nos pequenos detalhes da vida,
A resposta está escondida.
 
(Nx Zero - Onde estiver)
 
[Finalmente consegui fazer uma despedida decente.. Feliz Aniversário, só agora consegui lidar com tudo isso]

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Um email que não será enviado...II

(...)
 
As vezes dá umas saudades de ti. Ai eu reviro o google, acho algumas coisas perdidas. Dói. Cai algumas lagrimas, mas eu tive que fazer a melhor escolha pra todo mundo ficar bem e digamos que eu acho que a maioria está bem, a minha saudade eu sei como lidar. As vezes eu esqueço e por muitas outras eu lembro, vontade de compartilhar coisa boa, coisa ruim, mas se as coisas continuasse como estavam, nada ia acabar bem pra ninguém e haveria muito sofrimento, muita raiva e isso ameniza a saudade. O silencio me faz presente.. sempre lembre disso. Nunca mais prometo nada, por que nao há mais o que prometer,não há futuro, somente o passado inacabado, talvez a saudade tenha origem nisso...
 
Sim, eu sinto a sua falta.
Sim, eu leio o que me escreve.
Sim, eu fico feliz quando você lembra de mim mesmo na minha ausencia.
Sim, eu vou continuar em silêncio.
 
É o melhor pra todo mundo, não é mesmo?

terça-feira, 23 de abril de 2013

...

Uma conversa entre pratos ...
 
-Gosto de ver como você é carinhosa com ela..
 
-?????
 
-É que você não é carinhosa com ninguém.

***

(minha moral está mesmo baixa diante dos olhos dos outros!)

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Viver, reviver!

Ontem no final da tarde, descascando uma laranja... veio aquele cheirinho ... cheirinho de inverno! Laranja me lembra inverno, laranja me lembra infancia! E laranja me lembrou o blog.
 
Estive ausente, sem mais explicações. Vivendo e revivendo. Tanto que passou, tanto para escrever, tanta coisa boa, tanta coisa acontecendo e não só de alegrias... mas a vida é assim para uma "jovem mae de 31 anos".
 
Ela foi amada e desejada por demais. Minha pequena Lígia chegou, saudavel nos enchendo de alegrias e noites sem dormir e com ela trouxe a reaproximação da familia, muita doçura e muita personalidade em um ser tão pequeno.
 
Prometo aparecer com mais frequencia por agora, senti falta de escrever e realinhar meus pensamentos, acho que perdi o jeito, a pratica... e ainda bem que tenho um blog!
 
Eu nunca sonhei com você
Nunca fui ao cinema
Não gosto de samba não vou a Ipanema
Não gosto de chuva nem gosto de sol
 
E quando eu lhe telefonei, desliguei foi engano
O seu nome não sei
Esquecí no piano as bobagens de amor
Que eu iria dizer, não ... Lígia Lígia
 
Eu nunca quis tê-la ao meu lado
Num fim de semana
Um chopp gelado em Copacabana
Andar pela praia até o Leblon
 
E quando eu me apaixonei
Não passou de ilusão, o seu nome rasguei
Fiz um samba canção das mentiras de amor
Que aprendí com você
É ... Lígia Lígia
 
*Você se aproxima de mim
Com esses modos estranhos e eu digo que sim
Mas teus olhos castanhos
Me metem mais medo que um dia de sol
É... Lígia Lígia
 
**E quando você me envolver
Nos seus braços serenos eu vou me render

Mas seus olhos morenos
Me metem mais medo que um raio de sol
É... Lígia Lígia
 
Lígia (Tom Jobim)...
 
*Seu nome foi soprado em meus ouvidos em um sábado de inverno..*