terça-feira, 31 de agosto de 2010

Ainda O mar.

O mar é presença constante em meus sonhos. Sonhos que me deixam preocupada, em que eu acordo assustada. Tenho minhas teorias a respeito disso, mas é melhor não alardear para ninguém.

O certo é que não tenho medo de água, nem mar. Sei nadar, mas é sempre o mesmo tipo de sonho, eu lutando contra um mar revoltado, invandindo casas e praias desconhecidas.

Existe uma variante, as vezes a luta acontece também com piscinas. Geralmente eu venço esse confronto, mas as sensações pós sonhos são bem reais: angustia e desespero.

Dizem que sonhar com mar agitado, significa conflitos. Talvez esse seja o melhor conceito: Conflitos internos.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

manhosa...


"Humm... Está voltando a ser manhosa! Que bom.."


...cara, o sujeito vivia reclamando que eu parecia criança pequena que fazia manha e dengo pra tudo, pelo jeito sentiu falta! Não ando manhosa, ando quieta, querendo colo, remoendo problemas só meus, introspectiva...Depois dizem que mulheres é que são complicadas de agradar...

sábado, 28 de agosto de 2010

♪ Desassossegos...

Desassossegos - João Chagas Leite



Meus desassossegos sentam na varanda,
pra matear saudade nesta solidão,
cada por de sol, dói feito uma brasa,
queimando lembranças,no meu coração.

Vem a noite aos poucos, alumiar o rancho,
com estrelas frias, que se vão depois.
Nada é mais triste, neste mundo louco,
que matear com a ausência, de quem já se foi.

Que desgosto o mate, cevado de mágoas,
pra quem não se basta, pra viver tão só.
A insônia no catre, vara a madrugada,
neste fim de mundo, que nem Deus tem dó.

Meus desassossegos sentam na varanda,
pra matear saudade nesta solidão,
cada por de sol, dói feito uma brasa,
queimando lembranças,no meu coração.

Então me pergunto neste desatino,
se este é meu destino, ou Deus se enganou?
Todo desencanto para um só campeiro,
que de tanto amor se desconsolou.


saudades...

(uma das músicas que fazem o peito apertar e doer...)

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

...ele se despede.

Não precsei ler em lugar algum que o nome que se dá ao sexto sentido é a intuição e também não lembro de quando eu comecei a dar ouvidos a minha.

Apenas eu sinto que "ele" se despede, e que mais uma vez vai partir, mas eu também sinto que ele vai voltar como as outras vezes. Isso é confortante.

Não me disse nada. Eu apenas sinto eu não sei explicar. Talvez o desinteresse, as poucas palavras, a distância...

Acredito que histórias não terminam pela metade, sem motivos, mas sim transformam-se como as nossas vidas.

É o que meu silencio diz. [...]


Caso partas, sinceramente, meu coração agora diz que prefere que vá para sempre.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Surpreendida...

O prazer de escrever está unido ao prazer que eu sinto em ler também, um dos motivos que eu mantenho meu blog, que com o passar dos dias, meses e anos tomou proporções imagináveis para mim, o importante é que ainda me surpreendo com ele e com os leitores que aqui chegam.

Hoje não vou falar daqueles leitores anónimos, aqueles que deixam propaganda, aqueles que te insultam gratuitamente ou os curiosos que saem com a mesma velocidade que entraram.

Hoje vou falar daqueles leitores que entram e ficam, aqueles que nos inspiram, impulsionam que passam a compartilhar suas ideais comigo. Aqueles que me motivam a manter o Inspire me.

Hoje fui surpreendida por um desses comentários, que de inicio não me entusiasmei, mas quando entrei no blog, do Valter Cardoso:  Seguidores de Blogs e vi lá o meu blog como indicação, olhinhos ficaram felizes.

Saber que as pessoas lêem, acompanham, comentam é gratificante. Saber que a pessoa teve o trabalho de dar um "print", ler  e recomendar é recompensador, principalmente quando eu sou entendida, percebi pelas palavras descritas pelo o autor do blog : "[...] Muito bem organizado, bonito visualmente, a autora escreve o que pensa,[..]"

Não tenho habilidades com os agradecimentos e os seus discursos longos, e também li por ai que a arte em acolher também é saber receber um elogio, um singelo e cheio de carinho: OBRIGADA!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

¬¬

Sim! Sou do tipo que liga pra policia as 2 da madrugada para reclamar da festa do vizinho em plena segunda-feira!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Como Deb?

Disseram-me por aí, que eu tinha um "quê" de Deb, inesplicável. Eu não me via dessa forma. Até...

Até semana passada.

Na faculdade, depois de uma prova rápida. Eu sentada em um banco, próximo a saída, esperando por "alguém" ir me buscar, mais de 2 horas, entre cantina, biblioteca e finalmente o banco. Cansada mesmo, sem ter o que fazer, irritada com a demora.

Passa por mim uma menina que trabalha comigo. "Oi Lu!! Como você está?? (disse: estou bem, apesar de por dentro dizer, estou cansada de esperar! meu marido é um cachorro!) Olha Lu como estou chic! (Dou uma olhada no geral, aquilo pra mim é cafona, mas...) Bem diferente daquele nosso uniformizinho, aquele tênis. Tchau Lu, até amanhã tá!...

Ela sai e eu fico acompanhando ela com os olhos. Logicamente se eu tivesse visto ela antes dela me ver, bem provavel que eu me escondesse de alguma forma pra evitar conversinhas sociais. Foi inevitável.

Pra quem não tinha o que fazer, achou naquele momento: refletir.

A menina trabalha o dia todo, faz duas faculdades e estava naquela animação toda, aquela hora da noite. Ai eu pensei comigo, o que há de errado comigo? Acho que eu nasci desanimada ou anti-social, eu não sinto prazer algum em trocar duas palavras com as pessoas que eu encontro, mas também não sou má educada, só me sinto tão desconfortável, que só consigo despachar meia duzia de sorrisos amarelos.

O que pegou foi ela falar do "tênis". Eu olho pro meu pé e adivinhem, eu estava com o mesmo que eu fui pro trabalho, uma calça jeans larga e um moletom branco, bem semelhante ao do uniforme. Foi ai que começou toda uma viagem mental e que eu incorporei a Deb, e percebi como eu sou como ela. Em definitivo, eu sou desajeitada.

Saber que eu sou desajeitada eu sempre soube, o duro é se sentir assim as vezes.

A verdade  é que eu não sinto vontade de me arrumar, não curto ficar meia hora escolhendo roupa. Gosto do conforto, de calça jeans, tênis. Não me vejo com roupas super apertadas, botas e brincos de argolas. Sei que ela não fez o comentário por maldade, não faz esse tipo de pessoa.

O momento serviu pra eu despertar. Eu preciso cuidar mais de mim. Comer direito, que eu estou engordando, cuidar da minha pele que está feia, junto com minhas quilométricas olheiras, cuidar das minhas unhas.

Ela me inspirou, sem saber.

sábado, 14 de agosto de 2010

...

...psiu...

eu só queria te contar meus sonhos!

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Lacunas negras

Eu ainda consigo me surpreender. Quando eu penso que eu estou bem resolvida, minha mente trabalha contra mim.

Na semana que se passou, trabalhei bastante. Substitui a menina da manhã. Ha muitos anos eu não acordava tão cedo com um objetivo de sair de casa.

Surpresa, Lucí! O mundo não para enquando você dorme!

Muita gente na rua, carros, bicicletas. Vida!

As lembranças vieram, a dor no peito, um misto de lágrimas. Onde eu estive todo esse tempo?

A resposta: Lacunas negras.

Foi o que veio a minha cabeça, os espaços negros em minha vida. Aqueles em que eu pensava e dizia a mim mesma que não iam me doer, que eu tinha me conformado, que eu aceitei.

Não. Minha racionalidade me jogou tudo isso na cara, em um trajeto de menos de 15 min.

Onde eu estava?

Eu pensei que não ia me cobrar...

mas...