quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

É tentador...


Canta pra mim Dinho...




Você é tão acostumada
A sempre ter razão
Você é tão articulada
Quando fala não pede atenção

O poder de dominar é tentador
Eu já não sinto nada
Sou todo torpor

É tão certo quanto calor do fogo
Eu já não tenho escolha
E participo do seu jogo, participo

Não consigo dizer se é bom ou mau
Assim como o ar me parece vital
Onde quer que eu vá o que quer que eu faça
Sem você não tem graça

Você sempre surpreende
E eu tento entender
Você nunca se arrepende
Você gosta e sente até prazer

Mas se você me perguntar
Eu digo sim, eu continuo
Porque a chuva não cai
Só sobre mim

Vejo os outros
Todos estão tentando
E é tão certo quanto calor do fogo
Eu já não tenho escolha
E participo do seu jogo, participo




quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Bingo!!

Pois é...como ando na expectativa de logo...logo... mais um ano de vida a bater em minha porta, parece que os meus cabelos brancos conspiram contra a minha pessoa. Bem, eles resolveram brotar no topo da minha cabeça, o que antes eu tinha que procurar, pois ficavam ali meio que escondidos pelos outros, agora eles resolveram assumir a maior idade e se rebelaram de vez, perderam a vergonha e nascem em qualquer lugar.

Preocupada em esconder alguns brancos que estão mais saidinhos, comentei com Saponildo que na próxima semana iria dar um jeito na juba, afinal será meu aniversário (e o que eu mais quero é passar linda!) e também depois eu volto a trabalhar ficará mais complicado ir no salão...

Ele todo faceirinho, quis saber o que eu vou fazer no meu cabelo. Até fiquei meio admirada com o interesse dele, por que ele não se mete nesse tipo de coisa, a única recomendação é a de sempre "Curto não, por favor!".

Expliquei da forma mais simples possível, por que sabe como é homem, eles entendem de cabelo o mesmo tanto que diferenciam o rosa do vermelho. Disse que pretendo cortar um pouco (curto não, por favor!) e que vou manter como esta, com a Ombré na mesma altura e pintar os brancos sem mexer no fundo do meu cabelo...ele me olha com uma cara de espantado...

"-Por que tu não faz uma coisa diferente? É pro teu aniversário!"

(como se cabelo fosse assim, como trocar de brinco..)

E eu mais espantada ainda com a audácia dele, joguei um pedaço de corda pra ele se enforcar ainda mais..

"Diferente como?"

Precisavam ver a cara de alegria de Saponildo, achando que eu ia acatar a sugestão dele... "tipo, puxa loiro desde a raiz!"...

(longas gargalhadas... meu sonho ficar loira! Dá muito trabalho, estraga o cabelo e eu não tenho muito saco pra tanto trabalho, com shampoo pra desamarelar, hidratação, nutrição e umectação e reconstrução e todos "ção" possíveis!). Gasto financeiro e gasto de tempo.

Mas como eu sou maléfica quando eu quero...

"- É tens razão querido! Preciso mesmo mudar, acho que vou encarar aquele vermelho igual o da vizinha, o que tu acha?".

Saponildo sem saída...

Mas o teu tá bacana assim, pensa bem!

Bingo!

PS: Só pra esclarecer, o cabelo é meu.. e eu vou fazer o que eu bem entender!

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Reconstruir-se

Nossa! Final de janeiro bate a porta... o tempo está a passar rápido demais!
Ainda bem...

Logo chegará meu aniversário. Estou feliz com isso, fazia anos que não me sentia tão bem, pelo fato de ficar mais velha. Aceitar o inevitável, isso ganha-se com o acumulo de anos.

Nos últimos dias tenho pensado bastante sobre tempo, sobre se ter tempo. Acho que foi o meu grande aprendizado do ano que se terminou. |Ter se tempo para tudo, a sensação do tempo que corre e a reclamar da falta de tempo, na verdade não é bem a falta de tempo, é querer realizar, produzir coisas demais em 24h, seria mesmo necessário?

Quando cortei, relacionei o que realmente era e é importante pra mim, o tempo deu e sobrou. Foi uma questão de organizar a mente, reestabelecer prioridades. O que eu tenho mais de importante para mim? O que realmente é importante para mim? E foi assim que minha vida tomou outros rumos, outros projetos, novas conquistas.

Passei a cuidar melhor da minha família, da minha casa e de mim mesma. Esse foi o grande pulo do gato, em reestruturar como mulher, como mãe e esposa. Não foi fácil no começo...

Olhar-se no espelho, aceitar que se está envelhecendo. Mudar por dentro e por fora. Olhar para os lados, para aqueles que estão próximos a mim e que eles merecem uma pessoa melhor.

Não foi fácil, mas eu consegui!

Hoje eu tenho tempo para tudo! Para cuidar da minha família, da minha casa, da minha saúde, da minha beleza e do meu intelecto. E assim conquistei a paz perdida...

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

pai...

Hoje completa uma semana que sonho com meu pai todas as noites. De certa forma bom, ele ao menos assim parece tão real, tão presente. Dizem que os sonhos são reproduções de nosso inconsciente, então passei os dias a refletir de que maneira o meu pai foi para ali dentro.


Já fazem anos que meu pai partiu, a memória dele já não está presente no meu dia a dia. Só hoje ao acordar cheguei a conclusão de por que estou a sonhar tanto com ele. No natal, recebi via whattsapp, fotos antigas da família que um primo tinha em casa, respondi, agradeci, mas não dei muita bola, eu mal aparecia nelas e quem aparecia não me interessava, não vi meu pai nelas. E quando olhei as crianças, senti uma dorzinha no peito e olhei pra minha filha e pensei em como gostaria que ele tivesse convivido com ela. Apenas isso, e vieram os sonhos.


Discutimos, rimos e nos entendemos, assim como era. O de hoje em especial, estávamos naquela casa velha de madeira em que vivemos por anos, eu ouvia ele reclamando, resmungando pra minha mãe e ela quieta, eu estava no quarto e eles na cozinha. Não aguentando mais ouvir eu saio pra dizer umas verdades pra ele, de inicio ele ficou bravo pelo enfrentamento, depois começou a rir, como se visse ele mesmo em mim ou se eu tinha a atitude que ele esperava da minha mãe, e ele saiu rindo e eu acordo...


Eu encaro isso como uma prova dele aos meus pensamentos, uma forma dele me dizer que está presente todos os dias.


Agora deu pai, já pode parar de tulmutuar minhas noites!