sexta-feira, 6 de junho de 2014

Pelo em ovo

Sabe aquela frase... "senta que lá vem história."?
 
É o que tenho vontade de fazer quando escuto alguém reclamando da vida ou encontrando dificuldade em pouca coisa. Nunca usei a minha vida como exemplo, nunca usei meus problemas para me promover ou muito menos para justificar alguma falha. Sim, eu também reclamo, reclamo da vida corrida.. reclamo da falta de tempo, do cansaço.. mas ninguém vai me ver reclamando da dor do dedão do pé, das costas, da dor de ouvido da cachorra da tia da vizinha. (no máximo comentando com alguém que tenho alguma relação mais intima), mas jamais usando como desculpa para alguma falha.
 
Sei lá, tem gente que nem tem problema e fica inventando. Achar que discutir com o marido por causa da cor da parede da sala isso é problema? Chover dois dias?
 
á vontade de dizer.. senta aqui que eu vou te contar umas coisinhas que vc ainda nao sabe de mim..
 
Eu tenho que agradecer todos os dias pela oportunidade de viver mais um pouco.
 
Eu ja cansei de dizer aqui que eu so queria um pouco mais de tolerancia, eu tento..tento e nao consigo, volta e meia e meia volta, eu explodo com alguem e acabo falando demais, quem sou eu pra julgar alguem... mas eu nao consigo, principalmente com gente que se preocupa demais com o que os outros pensam e ficam achando problema onde nao tem.

domingo, 1 de junho de 2014

...

O melhor dia para se escrever é quando se tem tempo e nem sempre quando se tem tempo é um melhor dia. Os dias vão passando. Passando rápido. Eu as voltas com a minha pequena, que de pequena não tem nada é uma gigante, cheia de dentes, falas.. porem sem ainda andar e a me preocupar com isso.
 
Preocupações. Tentar não pensar no futuro. Tentar sempre ser uma pessoa melhor. Tentar não lembrar o que deixei pra traz. Tentar não me cobrar tanto. Tentar arrumar tempo...
 
Um longo suspiro.
 
Definitivamente não estou em um bom dia.
 
Sabe?
 
Daqueles dias angustiantes? Vem de dentro.. um sei lá o que.. que fica ali um pouco acima da boca do estomago e um pouco abaixo da garganta, fica rebolando em nos..É uma mão que esfrega o cabelo, outra que coça o olho...
 
É tanta coisa.
 
Ano já vai pela metade. Sinto que não fiz nada ainda, além de ser mãe. A maternidade esta acabando comigo, com minha sanidade. Dizem que isso vai melhorar com o tempo, a única coisa que penso é que ainda bem que vivi intensamente tudo até aqui e quando olho para aqueles olhinhos no berço a brincarem comigo de "achei"...passa.
 
Ainda procuro por mim, se alguém me encontrar por aí me avisa.
 
Abraços.