sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Adeus 2016...Pronta? Vamos recomeçar...

Iniciou dezembro e eu ensaiava e dizia a mim mesma que eu começaria a escrever o texto de despedida desse final de ano. Não o fiz... de um dia deixei para o outro e hoje estou aqui..não que minha vontade não fosse deixar para amanhã...por que estou sem vontade nenhuma.

Foi um ano que não tive problemas no trabalho, quer dizer, tirando a parte da última semana que antecedeu as férias que me incomodei pelo ano todo. Foi um ano tranquilo com Saponildo. A Lígia está crescendo e essa sim me deu e ainda me dá trabalho... 

Antes pensava que eu tinha muita coisa o que contar... mentira. Teria sim,, se fosse reclamar e contar nos minimos detalhes dessa merda de ano improdutivo. Então é isso... não quero deixar passar em branco.

Estou cheia de esperanças de um ano melhor, estou com uma postura melhor.. já faz uns 2 meses que as coisas começaram a melhorar lentamente, digo minha saúde.. Carrego comigo que é somente uma data..mas é uma oportunidade que a vida da pra recomeçar...


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Corra e diga aos anjos...


...que agora está tudo bem...



Esse ano não é um dos meus melhores. E nem um dos piores (salve!). Também não passo por um bom momento, já estive no fundo do poço algumas vezes nos últimos meses, mas somente agora ensaio um retorno, uma retomada das coisas que me dão um pouco de prazer.

A vida anda devagar. Ando pensativa e triste ... por conta dos meus próprios pensamentos e a galerinha próxima a mim não contribui muito,  as criticas e cobranças estão proporcionais ao meu desanimo com a vida.

É um ano tranquilo em relação ao meu trabalho. Simplesmente cumpro meu horário, faço o que precisa ser feito. As vezes melhor do que devo e outras o suficiente para executa-lo. Entro muda e saio calada. Estou de poucas amizades, de pouca conversa. Não compro brigas desnecessárias, na verdade não compro briga com ninguém, por que meu nível de intolerância chegou ao ponto que discutir se faz desnecessario...e eu sinto que estou a ponto de partir pra agressão física.

É dificil retornar a escrever um texto que escrevi a parte de cima ontem, mas meu note acabou a bateria e eu nao estava afim de me locomover para pegar o cabo. Então fica sem conclusao de raciocio...por que depois de um dia cheio, eu volto a terminar pelo celular mesmo, apenas para não ficar mais um abandonado nos rascunhos.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Por onde eu começo? Walk...



[...]
Estou dançando na minha cova, correndo pelo fogo
Sempre, a qualquer momento, eu não quero morrer nunca
Eu não quero partir jamais, eu nunca direi adeus
[...]


Eu escrevo esse texto mentalmente por vários dias. Não me sinto a vontade pra falar de mim.. da minha vida. Estou passando uma fase negra. Enfrento novamente problemas de saúde e já passei da fase da negação... mas não entrei na fase da aceitação. Sim, já chorei e pensei.. "Merda! Eu só tenho 34 anos!".

Mas vamos lá, cabeça erguida como sempre! Assim como o cara aí de cima... minhas cordas vocais alojam um cisto, descoberto a quase dois meses, antes mesmo de saber do "Show das poderosas". Uma perda de voz constante... junto com um cansaço. Bom eu julgava andar com preguiça de falar, antes fosse somente isso. Segundo a otorrino.. vamos observar o comportamento dele.

Ahhh! Minha tireoide também resolveu virar hospedaria, existe outro cisto de 3mm fazendo residência no meu pescoço pelo lado direito. Segundo a endócrino...vamos observar o comportamento dele...

No mais eu vou levando a vida.

Ou a vida vai me levando?

Pretendo voltar a escrever, preciso.. mas nos últimos tempos realmente eu me isolei, foi necessário.



domingo, 11 de setembro de 2016

...

Eu descobri o quanto fones de ouvido são libertadores. Eles me levam para um lugar onde eu sou inatingivel.

Pode falar meu bem, nem que eu quisesse eu iria ouvi- lo. Estou protegida...

O que meus ouvidos não escutam...não fere meu coração.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Em terra de rei...

Eu ando com preguiça de gente. Ando com preguiça de falar e também de ouvir. Ando curta e grossa...e tem pessoas que tem a capacidade de potencializar a minha intolerancia.

No trabalho, em plena era tecnológica reedescobriram um velho talento meu.."ampliar desenho a olho". No começo era até uma brincadeirinha legal, mas agora já está a me saturar, talvez a minha tal preguiça de gente derive daí, do tempo que eu preciso ficar sozinha pra me dedicar a esse trabalho.

Semana passada ela entra pela minha sala, com umas folhas nas mãos, oculos caido pelo nariz e dizendo que me amava e precisava de mim. Meu coração sentiu o golpe.

Nas mãos dela nada menos do que 4 desenhos que deveriam virar paineis do tamanho da parede. E junto com os papeis a indagação "será que você consegue?"

Não diz um treco desses pra mim, não pra mim. Sou obstinada e altamente competitiva. Jamais duvide da minha capacidade tão claramente. Obviamente que aceitei o desafio..e impus algumas regras a ela..

Só ia trabalhar uma hora do dia nesse projeto. Afinal eu não faço só isso e que ela deveria conversar com as demais pra não me sobrecarregar enquanto não terminasse e que ela pedisse pra alguem aplicar o papel na parede, por que eu iria perder muito tempo com isso e também queria uma escada disponivel só pra mim.

Todas as manhãs assim que cheguei, eu fechei a porta pra não ser interrompida. Deu certo, por incrivel que pareça eu ampliei um desenho por dia!

Eu trabalho bem, estou ficando boa nisso, mas eu dito as regras...é bom ela saber, que em terra de rei eu sou rainha!

segunda-feira, 30 de maio de 2016

frio?

Hoje eu mal sento para tomar café...
"Luuu aquele teu marido não sente frio??!!!"

Tipo...eu olho para um lado, olho para o outro..
"Oi? É comigo?" (pensei  mesma)

Sorri. Afinal a pessoa que perguntou é uma sem noção...

"Pior que não menina! É um trabalho pra colocar roupa nele!"...respondi.

E ela vem me dizer que vem reparando...quando ele vem trazer eu e a Lígia...que com aquele frio.., de manhã cedo de camiseta e bermuda..

Meu pisca alerta detectou mulher solteira na área reparando no corpinho do meu marido. Tirando o fato do meu ciúme ter esse mesmo tom de brincadeira, realmente ele não usar a roupa compativel com o clima me incomoda demais. .

As vezes é assim: "ou tu coloca roupa ou eu não vou até a esquina com você!". Protestando ele coloca...mas reclamando muito!

quinta-feira, 26 de maio de 2016

o batom...

Nessa mesma época do ano passado, mais a frente, eu sentei no consultório dela primeira vez. Com a roupa desalinhada, de rabo de cavalo, unha roída, sem maquiagem no rosto, despida de joias e com olheiras que me denunciavam que algo não andava bem.

Depois de me sentar, chorar e dizer que eu não queria estar ali, mas que eu precisava e não sabia por onde começar e o que estava acontecendo comigo já que eu não tinha nenhum problema aparente e já tinha superado tantas adversidades.

Entre conversas ela pega um espelho e pede para eu me olhar. Eu me olho e ali estava todas as minhas respostas.

Ela me questiona sobre vaidade. Eu digo a ela que não tinha. Ela pede que eu observasse minha pele, meu cabelo e minha sobrancelha. Sim eu tinha vaidade. A conversa transcorre por esse caminho.

Ela sugere que deviamos começar por mim, pra eu voltar a me amar...já que eu não sabia como..que deveria passar um batom todos os dias. Um ato bem simples, até a nossa próxima consulta.

Eu saí de lá, com a sensação de tempo perdido. Mas com a pulga atras da orelha. Na manhã seguinte antes de ir trabalhar, na frente do espelho eu lembrei da conversa e resolvi tentar. 

Passei o batom. A mágica aconteceu...

...aconteceu por dentro. Por que eu tinha só um batom? Ja que eu usava tanta maquiagem! O por que e quando eu deixei de usar? Eu so tinha por que era obrigada a ter um! Pq mesmo destacando os olhos as vezes eu tinha aquele marrom cor de boca pra quebrar o galho.

Olhei a minha volta entre tanta maquiagem, cremes de corpo,rosto, cabelo, muitos esmaltes, joias...o por que de só um batom?

Fui trabalhar com essa questão na cabeça. No meio do trabalho me veio a cena "da gente discutindo, ele me virando as costas..de eu ir atras dele..dele sentado onde a gente pegava o onibus, palavras ditas e não ditas, ele ameaçando ir embora e eu rebolando a embalagem de um brilho labial nas maos".

O fato é que essa pessoa nao gostava do meu batom e do meu brilho e mesmo assim eu usava. A relaçao nao terminou por causa disso. Meu inconsciente interpretou dessa forma, ao ponto de eu evitar. 

Depois daquele dia, de encontrar a resposta dentro de mim... passei a todos os dias a usar batom. E todo resto entrou em harmonia, voltei a me enfeitar. Comprei muitos outros e ontem coloquei fora, por que terminou...aquele que por tanto tempo foi meu filho único e me veio a tona toda essa história.

Mandei uma mensagem a psicologa, agradecendo por tudo o que ela tinha feito, já que eu nunca mais voltei lá...e ela me respondeu "a culpa nunca é do batom".

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Uma dose de gentileza...

Passando de um bloco para o outro, vejo de longe um senhor, baixinho...esfregando avidamente uma mão na outra, roupa surrada. Bem próximo ao portão dos fundos. Parecia estar tempo ali...pensei que ele tivesse esperando alguém ou ia pedir alguma coisa.."tomara que ele não me chame"...

Me chamou...lá fui eu com passos lentos e curtos, analisando a situação, prejulgando. Quando me aproximo dele...notei que ele realmente queria pedir uma coisa. Nas palavras dele e de forma muito envergonhada e educada "a senhora teria um papel e uma caneta pra escrever pra mim..".

Sorri. Ele só queria um bilhete e não sabia escrever.

Fui até a sala mais próxima achei um papel, uma caneta e voltei ao portão. As outras olhando com desconfiança...sem saber ao certo o que acontecia..

Com papel e caneta em mão escrevi o que ele me pediu: "Fui a N. resolver uns problemas da minha esposa, volto amanhã. Ass..L" Ele ditou certinho o queria...

Entrego o papel na mão dele, um olhar de agracimento e a sensação maravilhosa de ter feito o bem a outra pessoa.

E depois a explicação pra quem viu de longe e não entendia...o sorriso foi contagiando. Posso ser doce quando é preciso.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Um email que não será enviado...

É com dor e sentimento que escreverei as palavras que seguem...Demorei muito tempo para tomar a decisão que comuniquei a ti. Eu fui ao meu limite, o limite de se esperar qualquer tipo de reação.

Naquela madrugada de sábado, quando por qualquer razão eu acordei e fui olhar a hora no celular e vi uma notificação de email, imaginei que fosse qualquer coisa, menos você! Que por diabos não me ignorou essa vez? Seria tão mais fácil pra mim.

Apos meia dúzia de palavras impessoais e escritas as pressas, perdi meu sono e perdi a conta de quantas vezes eu as reli, procurando nas entrelinhas palavras que você não escreveu.

É fácil recordar o que te convinha, mas lembrar em quantas vezes eu disse que sentia saudades, as vezes que eu lembrei de você e as tantas outras que você mesmo assumiu que conseguiu ignorar, com maestria.

Eu não. Eu explodo em sentimentos e assumo o que eu sentia. Por isso minha cabeça erguida por que eu tentei e você com certeza vai carregar o peso de quem preferiu se omitir.

Eu não tentarei mais..
Diferente de ti, minha dor crônica mora no coração...
E de qualquer forma você terá exito.

Eu vou continuar a sentir saudades, vou continuar a lembrar de ti...

E você não vai precisar ter o trabalho de me ignorar, por que isso é desumano, é desrespeitar a mim e a história linda que tivemos.

Eu merecia ao menos um pedido de desculpas...

domingo, 22 de maio de 2016

Um olhar....

Fiz o prato da Lígia e fui fazer o meu. Esbarro com ela na volta para a mesa, peço desculpas e não percebo que ela estava sentada a mesa da frente.

Aquela sensação estranha de ser observada, não era sensação era aquela mulher me olhando. Pergunto para Saponildo se meu batom estava borrado, ele diz que não, por garantia resolvo tirar tudo. E ela continua a me olhar.

Olhei de volta pra ver se a reconhecia de algum lugar, sou péssima fisionomenista. Mas não, sua aparência não me recordava de ninguém, não tinha nada de especial, uma mulher de meia idade, loira, magra e com um olhar angustiante.

Eu a comer e ela me olhando, pensei em várias coisas...meu cabelo, minha roupa... meu rosto. Saponildo estava a minha frente e não seria tão estupido de não me avisar se houvesse qualquer coisa errada comigo...

...mas não.

Eu nunca havia me sentido tão constrangida com um olhar, menos ainda de uma mulher.

Mistérios...

quinta-feira, 19 de maio de 2016

dias de luta...

Pelos últimos dias, várias colegas de trabalham andam a perturbar meu ouvido, algumas que raramente conversam comigo, outras que tenho como pessoais o motivo é a falta de coragem delas em falar.

Aconteceram problemas no trabalho, que dividiram os funcionários em dois grandes grupos. Já estive do outro lado, hoje não tenho mais lado, mas o fato é que não adianta ficarem reclamando pra mim, eu não tenho poder algum, só minha boca grande. Eis a questão...

Elas estão esperando por mim, por minha liderança...

Sabe o que é? Não to afim!

Não to afim de comprar briga que não é minha! Pra mim está tudo tranquilo, pra que eu vou me indispor? Se elas estão insatisfeitas que vão a luta!

Em outros tempos, tomaria as dores e partiria pro ataque. Hoje não mais! Amadureci? Amoleci?...

Não! Endureci!

Racionalizei. Estou passando por uma fase assim... agindo com a cabeça e não com o coração!

Prevejo que logo terei batalhas, afinal ali é assim... você tem que ter um lado. Se você não é contra  é a favor.

Mas se a briga for minha.. ahhhh... eu me acabo com o maior gosto do mundo!

terça-feira, 3 de maio de 2016

Mais uma vez...

Hoje novamente a orientadora da escola da Lígia me ligou, dizendo que precisava falar com um dos responsáveis, a terceira vez somente nesse ano, tentei arrancar dela do que se tratava o assunto por telefone, para eu ir me preparando com as respostinhas, mas ela é dura, que o assunto seria conversado somente pessoalmente, pensei em pedir que Saponildo fosse até lá, mas fico com medo de elas perceberem de onde vem toda a ma criação e a boca grande da menina.

Eu me arrepio toda quando entro na sala dela, o lugar de energia pesada ou é a minha que baixa. Ela começa a dar rodeios até ir direto ao ponto.

Lígia andou contando alguns ocorridos em casa e elas acreditam que o comportamento dela é reflexo do que anda acontecendo em casa (ela tem presenciado algumas discussões feias!).

Eu não tinha respostas prontas, mas a forma como ela colocou me deixou tão puta que foi no piloto automático

"O pai dela não é perfeito. Eu não sou perfeita. Nossos problemas são nossos e ninguém tem nada a ver com isso!".

Passei na sala da Lígia para busca-la. Acredito que por um bom tempo não vão me ligar mais!

Obviamente que depois eu chorei um pouco, por que estou cansada dessa situação. Já conversei, já repreendi, já deixei sem o que ela gosta, e isso deixa ela pior. Então estou levanto na boa.. não é defeito ser falante, ela fala o que pensa.. em horas erradas! Acha que já é dona de si, independente, autoritária.

Eu penso que fiz errado, jamais concordo com as atitudes dela, ela tem que se enquadrar dentro da organização que é imposta a ela, ela é novinha, só tres anos, talvez ela consiga entender, talvez não, mas para mim não tem filha melhor, ela é carinhosa, doce, companheira...e eu não vou ficar brigando com ela por coisas que ela faz longe de mim, que eu não vi... eu apenas digo que fico triste, quando ela não se comporta bem! E ela entende...

segunda-feira, 2 de maio de 2016

...

As vezes eu só queria que você percebesse que eu estou aqui, percebesse que eu estou sofrendo calada, que eu choro pelos cantos e visse toda a insatisfação que carrego dentro de mim. Da tua real falta de companhia, não do teu corpo calado, da companhia de um companheiro, que me olhasse por dentro.

Um companheiro que me visse, que elogiasse meu cabelo, que sentasse do meu lado e perguntasse o que eu estou fazendo. Que não reclamasse ou criticasse tudo que tento fazer, as vezes é só uma tentativa inutil, mas eu queria apenas o apoio, nem que seja pra dar tudo errado no final.

Na alegria e na tristeza, não era pra ser assim?

Meu olhar anda vazio. Meu coração está se desligando e novamente passei a procurar o que me faz falta, não é culpa somente minha, eu tento e só eu sei como tento, mas eu também canso..

Sou insensatez, intensa. 

Você me oferece tão pouco e acredita que está fazendo muito.

Quando todo domingo, a gente senta naquela mesma mesa, daquele mesmo restaurante e vejo você comer a mesma comida, eu só desejo sair dali o mais rápido possivel, eu já não consigo mais disfarçar, estou impaciente e irritada.

Já gritei, já chorei... mas você não me ouve!

E ainda diz que a culpa é minha.

Não, a culpa é nossa!

Toda nossa!

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Que dó!

Hoje após ao trabalho decidi ir até a loja de uma conhecida pagar uma conta, coisa que era pra ter feito durante o feriado mas a preguiça não me permitiu. Eu evito ir lá, por que V. é danada de esperta, já conhece meu gosto, acaba trazendo coisas pra loja que sabe que eu vou gostar, sabe meu tamanho, ela tem bom gosto, é uma boutique adorável, mas cara...cara, que eu sempre saio de la com uma sacola e um aperto no coração.

Quando parei o carro na frente, avistei a menina dela que andava por lá. Realmente confirmei o que andavam falando de A., ela estava muito magrinha, uma aparência bem diferente do que a vi a última vez, não faz nem um mês atras.

Entramos na loja, Lígia e eu e ela veio correndo ao nosso encontro. Me abraçou, me beijou e ficou me olhando bem seria. Ela é bem falante...

"Luuu, você é gorda ou magra?"

Eu já sabendo das neuroses que ela andava passando...

"Nem uma coisa, nem outra. Sou saudável!".

Ela sorri pra mim, pega a Lígia pela mão e a chama pra brincar lá dentro...e diz..

"Você é magra! Minha mãe disse que só pessoas magras são bonitas!".

Meu coração se despedaçou por dentro, um aperto, meus olhos marejaram. Que dó! Ela só tem 5 anos! Já haviam me falado que ela estava deixando de comer, por que ela queria ficar magra e bonita! A mãe dela não faz nada, sofre do mesmo problema. Uma mulher lindíssima que vive de cirurgias estéticas! Acabei somente pagando, nesse dia eu não tinha mais animo para comprar nada!

terça-feira, 26 de abril de 2016

Má, sou melhor ainda!

Saponildo chega em casa contando que reencontrou fulano "N" e que voltaram a trabalhar juntos, não me recordo quantas vezes vi esse sujeito, no máximo umas 3.. lembro que ele era feio e baixinho, falante e que na época a esposa dele estava grávida, eles mudaram de cidade, mas que Saponildo e ele eram bem parceiros, na verdade Saponildo, tinha um afeto de irmão por ele, por ainda ser um garotão, aprendiz e bem imaturo.

Segundo Saponildo, agora ele mudou, é pai de família e toma banho, só não faz a barba, engordou, está parecendo um barril, mas amadureceu. Saponildo conta que durante a hora do almoço um ficou mostrando as fotos das filhas, um para o outro.

"Nossa! O "N" disse que a Lígia é linda, é tua cara... não tem nada de mim!".

Calei-me. Sorri, feliz e com o ego bem massageando.

Outro dia, a mesma histórinha... eles falando de filho na hora do almoço e..

"Nossa! O "N" disse que a Lígia é tua cara, só os olhos que não são os teus!".

Não calei-me.

"Ele acha a Lígia linda?
Sim.. ela é linda.
E ela é minha cara? Então por tabela também sou linda e ele me acha linda!
Sim, você também é linda...

E tu não acha estranho, um camarada teu, que viu tua mulher umas 3 vezes na vida, depois de 7 anos, lembrar dos olhos dela ao ponto de afirmar que a filha dela é igual a ela, mas com outros olhos?"

Ahhh soltei a pulguinha atras da orelha dele. Não ta merecendo!

Ficou bem pensativo! Mas pelo menos depois dessa não chegou mais em casa dizendo bobagens! Estranhamente o nome "N" eu nunca mais ouvi por aqui!

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Acabou-se...

Encerrei a série de posts programados e inacabados. Eram textos que estavam salvos no meu rascunho. Deletei a maioria, publiquei alguns sem concluir. Não valiam mais as linhas que faltavam, fiz isso apenas por que julguei ser uma perda de tempo, te los escrito e eles ficarem ali esquecidos e quem sabe um dia terminar, sabendo que esse dia não chegaria.

A maioria escrito ano passado, de janeiro a julho. Um período de tentativa de me reestruturar emocionalmente. Se consegui?Talvez. Apenas parei de lutar contra mim e passei a lutar a favor, aceitar por que dói menos.

Também exclui alguns comentários que eu não tinha publicado, uns que eu amava de paixão lê-los, porem continham nome e sobrenome de quem comentou e apesar de tudo não quero prejudica-lo, apaguei.. pois sem querer poderia clicar e eles iriam ser publicados, ficaram apenas as copias no meu e-mail.

Deletei vários comentários  anônimos que de anônimos não tem nada, reconheço cada um deles, mas que se expunham demais e me colocariam em situações ridículas. Apenas gostariam que retornassem, mas que colocasse uma assinatura.

As vezes faz se necessário tomar atitudes assim, a roda tem que continuar girando, é preciso renovar e nada melhor que decidir o que fica ou o que sai da vida da gente! No caso, o que se publica ou não...

domingo, 24 de abril de 2016

Ela será amada...

Hoje eu preciso que você cante pra mim Adam...



Nem sempre são arco-íris e borboletas
É o compromisso que nos deixa juntos
Meu coração está cheio e minha porta sempre aberta
Você pode vir qualquer hora que você quiser

sexta-feira, 22 de abril de 2016

textos inacabados

Mais um texto inacabado, o engraçado que ao reler, eu lembro todo o sonho, inclusive a continuação que não escrevi e também o sonho que seria o numero 2. Hoje apenas nao me faz mais sentido relatar eles, eles ficaram na minha memoria, pela grandeza de realidade que me trouxeram. Esse foi datado nos primeiros dias de janeiro de 2015.


SONHO 1

Um dia, não uma manhã, tenho certeza que era manhã bem cedo, um sol lindo. Eu saí para comprar algo, (não lembro o que!), as ruas são de calçamento antigo, não é asfalto. Lembram as ruas próximas ao porto, as casas baixas, sem jardim, com as faixadas diretamente voltadas pra rua, as calçadas estreitas, as pinturas desbotadas. Eu estava feliz. Eu me sentia feliz em andar por ali, com o sol, não tenho certeza, mas as ruas por mais que hoje me pareçam com as que eu conheço, no momento eram desconhecidas por mim, eu seguia meu caminho, em um momento eu chego ao final de uma rua em que eu tinha que optar se eu ia pra direita ou esquerda.. (por isso me faz lembrar as ruas do porto, existe uma rua assim), eu optei pelo caminho a esquerda. Existe uma passagem de tempo ai que não me recordo, eu sei que eu já estava de volta, mas não lembrava ao certo o caminho que deveria seguir, mas eu estava acertando, até que chego ao local onde iniciei o sonho, mas eu queria ir pra casa e eu já não sabia onde eu estava, começo a andar a procura de um lugar que me parecesse familiar pra eu ir pra casa.

Ainda tem sol, era um sol gostoso, parece aquele sol de inverno, que aquece, sem dar calor. Eu entro em uma rua, muito bonita, com varias casinhas baixas, no mesmo estilo das anteriores, que davam com a porta pra calçada, porem eram bem mais bonitas, coloridas, enfeitadinhas, com vasos de flores e bancos de madeira. Em uma das casas, encontro um homem com uma criança, eles pareciam me conhecer, eu estava prestes a entrar em uma casa, que tinha uma porta de madeira, vazada com vidros e uma cortina branca. O homem dizia para a menina ir me dar um beijo, a menina não queria, mas foi obrigada a ir ao meu encontro, me deu um abraço e um beijo e correu de volta para aquele que eu julgo ser seu pai. A menina vestia um uniforme, como aqueles antigos, saia.. camisa branca, era branquinha de cabelos castanhos longos e claros, que estavam repartido ao meio e arrumados com fitas cinzas, assim como sua saia, tinha meias longas, mas ela parecia triste ao me ver, eu sorri pra eles antes de entrar na porta da casa, pra pedir ajuda, disse algo a eles como "criança é assim mesmo, não tem problema".

Ao entrar na casa, que me parecia conhecida, entrei e logo avistei uma salinha e uma porta que daria para a saida

terça-feira, 19 de abril de 2016

Só quem tem criança...

Lígia adora uma colega minha, em especial. Por esses dias, ela nos comunicou que está grávida... conversando com a Lígia, disse que a C. tem um bebe na barriga dela...
Pensei que ela nem tivesse prestando atenção na minha conversa..

"Mamãe, mamãe... como o bebe vai sair da barriga dela?"...

Com a maior velocidade do raciocinio possivel...
"Ela vai até o hospital e o médico tira ele da barriga dela".

Ufa... e fez se o silêncio, sinal que ela ficou satisfeita com a resposta. Por ora, estou salva... ainda bem que ela não se preocupou em saber como o bebe foi parar la dentro! Já tenho que ir me preparando...por que essa hora vai chegar!

segunda-feira, 18 de abril de 2016

texto inacabado

Outro texto inacabado, que encontrei nos meus rascunhos, datado de inicio de janeiro de 2015

...

Na maioria das vezes você tem que fazer um esforço enorme para continuar no caminho que você julga certo. Aquele caminho que te traz um pouco de paz. Aprendi a sentir os sinais que minha consciência envia ou seria meu sexto sentido, não sei bem o que é,  algo interno que me direciona e nem sempre sou direcionada para aquilo que eu realmente gostaria,  eu vou ao encontro do que é mais correto.

Dar a outra face. Essa foi a minha descoberta interna mais importante nos últimos tempos, poucos sabem o poder de se dar a outra face, não é humilhante é libertador. Liberta-se por somente quem dá a outra face sabe que chegou ao seu limite e quando chega-se a esse limite, sabe-se que é o fim, que se fez o máximo que poderia ser feito.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

As faces de um não. (texto inacabado I)

[...]
-Onde tu anda?
-No mesmo lugar. Pq?
-Odeio quando tu some. Vamos almoçar juntos amanhã?
-Não e eu não sumi.
[...]
Mais um pequeno texto inacabado que encontrei no meu rascunho, data de março do ano passado. Meu caro amigo, meus nãos... desculpe, foram necessários, nossas vidas são enroladas demais pra gente se enrolar ainda mais!

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Texto inacabado

Um dos muitos textos que encontrei nos meus rascunhos, esse está datado em meados de junho do ano anterior. 

[...]

Novamente hoje me peguei chorando pelas coisas que me disse e pensei quantas outras vezes só nessa semana eu também chorei pelos mesmos motivos e como isso tudo é rotina na minha vida. Dói tanto cada palavra que elas nunca mais saem de mim. Ficam aqui presas e caem pelos cantos dos olhos.

Dias como hoje é que eu peço coragem a Deus, que ele me de forças pra me tirar dessa situação que se repete e eu vou deixando passar achando que amanhã vai melhorar. Eu sei que não vai, assim como a minha coragem não vem.

Vivo buscando a paz, por que não a tenho. Não tenho paz dentro da minha própria casa. Tu me lembra todos os dias minhas imperfeiçoes e por mais que eu me esforce ou ate mesmo tente ser menos imperfeita não é fácil agradar quem não ve seus próprios erros. Você a... (texto inacabado)

sábado, 9 de abril de 2016

As mesmas certezas, as mesmas dúvidas...

Estava ultra concentrada, ampliando uns desenhos, quando ela sentou na minha frente e começou a falar das decepções da vida. De inicio não estava afim de conversar, pensava apenas em terminar meu trabalho que estava ficando muito bom e eu estava com meu ego satisfeito, também não gostava dela, afinal ela já tentou me prejudicar, então me contive nas sequencias de "arram".

E ela continuava a falar... quando escuto que aquele dia era aniversário do filho dela, ai tudo bem em sequencia ela diz que também é dia da morte do pai dela,,, largo meu lápis, olho nos olhos dela e me compadeço, sento e dou a atenção que ela merecia. Falei pouco, ouvi muito...afinal a dor era toda dela.

Uma vida rodeada de perdas e ganhos em pequeno período de tempo, até o momento em que ela começou a falar do grande amor da vida dela, sim e não era o marido atual dela e muito menos o ex, pai dos filhos dela.

Um daqueles estranhos que entram na vida da gente e seguem. Uma história tão linda...e carregada de culpa. Ela carregava nos ombros, todas as duvidas e culpas de só quem tem uma grande paixão carrega. Tive a curiosidade de saber se o gajo mora na cidade, pensei na tristeza do coração dela em ter que cruzar com ele pelas esquinas, mas não... ele é um velho marinheiro que passa a maior tempo no mar... as palavras dela fixaram na minha cabeça.

",,,eu amo ele, e eu tenho toda a certeza do mundo que ele também me ama..."

O jogo do mais forte, do orgulho, das vaidades... e ela me diz que ela sonha com o dia em que eles vão ficar junto... mas é só um sonho, uma doce ilusão. Ele casou com outra, teve um filho...mas de vez em quando ela corta caminho e passa na frente da casa dela.

Por dentro eu sentia todas as dores dela e queria dizer a ela, que eu podia ser a pessoa que mais entendia, pois sofro das mesmas!

Vamos sonhar, enquanto esperamos o destino agir!

sexta-feira, 4 de março de 2016

Tão eu...tão você! Minha vida...

Era pra ser dia de festa, de bagunça, mas você...princesa da minha vida está dodói. Meu coração se espedaça com isso, você agora dorme no teu quarto rosa, na tua cama com lençois da Peppa, agarrada no teu neném, o sono de todos os anjos em um corpinho só! Um sono justo, um sono de quem duas noites não dorme bem!

E eu aqui a te vigiar, no silêncio, pronta a pular a qualquer gemido, qualquer choro! Pronta pra virar a noite, monitorando teu sono, tirando a tua temperatura de hora em hora, suspirando e superando forças que nem eu mesma sei de onde saem.

Deus, 3 anos! Obrigada!

Hoje na mesa, na hora da janta eu te olhava e lembrava daqueles dias que antecederam o teu nascimento! De como foi difícil nosso primeiro ano de vida, de toda a minha inexperiência e de todas as minhas preocupações. Inúteis... por que você é perfeita!

Que o meu coração se derrete todo quando você diz que é a princesinha da mãe e o bebezinho do papai. Quando você me pergunta se eu estou feliz por te ver fazendo qualquer coisa que você julgue correto... (brincando, ir ao banheiro, guardando as coisas) e como você fica feliz com a minha afirmativa.

Você fica feliz em me ver feliz. Todos os dias eu agradeço por você ter saúde, E em dias como hoje em que você não comeu nada boa parte do dia, eu te levo em supermercado, padaria e digo pra escolher o que você quiser comer, nessa hora eu só quero ver você comer, deixo pra la o papo de alimentação saudável, você escolhe chocolate da caixa azul, uma lata de refrigerante laranja e um pacote de salgadinho enorme do vermelho e eu pago feliz da vida, por que pelo pior que seja, pelo menos você está comendo, é energia.

Nosso mês não anda muito legal, nova rotina, estamos nos adaptando, papai voltou a trabalhar longe, A crise, e você nem sabe o que é isso, só sabe que é  pouco tempo juntos, trabalho redobrado da mamãe aqui, pra tentar suprir a falta que ele te faz. Estamos tentando, e eu explodo de felicidade, quando você escuta o barulho do carro na frente de casa, o portão se abrindo, você corre pra janela da sala: "- Papai! Eu te amo muito, senti muito tua falta!" E os gritos de alegria correm pela casa...

Os finais de semana em que você acorda e corre pra nossa cama e diz que não quer mais dormir e deita no meio da gente e realmente não dorme mais e não dos deixa mais dormir, o nosso dia começa mais doce.

E cada dia que passa, mais você se parece comigo, eu me reconheço em cada gesto, modo de falar e no topete de enfrentar a vida de frente, e graças ao bom senhor, herdou a doçura e equilíbrio do pai, que em meio a tempestade, sabe acalmar um coração.

Quando me vê brava, logo vem sorrindo, pedindo desculpas e pedindo beijo, nao tem como nao sorrir e nao te amar ainda mais. Ou você diz "não foi nada mamãe, ja vai passar!". 

Felicidades minha filha, que você tenha o direito de fazer escolhas e de se arrepender, de recomeçar e em mim você sempre encontrar o apoio pra seguir em frente. Nos te amamos, mais do que a nos mesmos!

quinta-feira, 3 de março de 2016

Até o próximo almoço.

Quando eu te ligar e tu me ver entrando por aquela porta, apenas mande servir a tua melhor massa e largue tudo e me faça companhia, sorria e me olhe nos olhos e me faça esquecer de tudo o que passa la fora.

Não estarei ai por que estou com fome e procuro uma boa comida.. Não sou tua cliente e muito menos vou pagar pelo o que comerei, eu apenas quero a melhor companhia e o conforto que a tua comida carrega....

Talvez o dia que eu faça isso seja o dia em que eu mais precise, não me julgue, não me vire as costas e muito menos entenda isso como o sinal de que dias melhores virão, você melhor que ninguém sabe que não e que minhas feridas são incuráveis.

Apenas me permita que meus olhos marejem, que eu sinta o que eu sinto sem precisar confessar nada para ninguém, apenas me seja a companhia justa e serena que sempre és. Ofereça-me um copo de suco de abacaxi gelado e finja que não sabe o por que eu te procuro. Apenas me deixe fugir um pouco, fugir de mim mesma...

Não olhe as horas, se eu estou ai, eu nao tenho pressa.

Você me amou com todos os defeitos que eu tinha e com todas as qualidades que você inventou.
Isso me basta.

Apenas isso.


sábado, 6 de fevereiro de 2016

Bem vindo...34!


Será mais um daqueles textos programados, porém é por uma boa causa. Sábado (hoje) é meu aniversário! Olha a animação da pessoa aqui ... é, escrever de véspera nem sempre é tão legal, não é nada legal, mas esse ano não sei, estou com energias boas. Não passei por nenhum inferno astral antes, espero que daqui pra frente também não.

Bem provável que nessas alturas das horas eu já tenha feito meu cabelo, e espero estar gostando dele, sempre sinto frio na barriga quando entrego ele a mãos desconhecidas, ainda não encontrei profissional nessa cidade pra chamar de meu e assim eu vou mudando, posso estar arrependida...mas cabelo cresce flor! E o teu cresce bem rápido.. então sem neuras!

A programação... bom durante a tarde preciso comprar algumas coisas de rotina, dia de feira. A noite a planejada pizza, a parte boa... a gente vai se acabar na pizza. Amo..amo, melhor que isso, só dois disso.

Espero passar um dia em paz com minha família, reza a lenda que Saponildo irá fazer um bolo pra mim, está prometendo o mês todo, da ate um pouco de medo da sujeira que ele vai deixar minha cozinha, mas não irei impedi-lo de fazer esse agrado, está aí uma coisa que ele sabe fazer bem, bolo de chocolate... bichinho tem uma mão!

A Lígia fala que vai me dar um presente "uma pulseira e um brinquinho". Preciso confiar no bom gosto da minha filha, por que o do pai dela..."céus!", posso esperar por algo bem brega, com cara dos anos 80!

Mas nada importa.. espero que hoje o dia seja de alegrias e sorrisos!

Apenas obrigada!

E eu esperava ao menos um email de felicitações...entre tantos outros! Mesmo que pra olhar, apagar.. e pensar....

"alguém lembrou de mim!"....

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

só uma menina...

Quando nossos olhos se cruzaram, eu estava naquele corre corre de sempre, nem lembro ao certo o que estava falando, só lembro de ter olhado pra longe, vendo se já estava próxima ao banco, ao me aproximar da esquina, eu a vi... ali sentada, exausta, triste...meus olhos percorreram seu rosto, um leve sorriso entre nós e não pude deixar de reparar na barriga que ela carregava.

A única coisa que pensei foi: "Deus!".. e continuei o meu caminho....

Carrego os olhos dela, antes dela me olhar...Vazios, tristes e cansados...

É só mais uma menina mãe...

Meu coração ficou em pedaços.  Não é minha amiga, conhecida de longe. Ela foi minha vizinha, tinha uma irmã muito querida, que ficou minha amiga, uma menina de 5 anos, e eu estava gravida na época. Essa moça que me refiro, já tinha uma bebe de uns 8 meses naquele tempo, engravidou com 13 anos, lembro de ver ela passando na rua com o namoradinho, os dois umas gracinhas, lindos. Eu já fiquei com uma dó quando a vi gravida pela primeira vez, antes mesmo da Lígia nascer eles se mudaram e nunca mais os tinha visto, ate aquela tarde.

Não é fácil, mas quem sou eu pra julgar... ela é só uma menina!


...

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

É tentador...


Canta pra mim Dinho...




Você é tão acostumada
A sempre ter razão
Você é tão articulada
Quando fala não pede atenção

O poder de dominar é tentador
Eu já não sinto nada
Sou todo torpor

É tão certo quanto calor do fogo
Eu já não tenho escolha
E participo do seu jogo, participo

Não consigo dizer se é bom ou mau
Assim como o ar me parece vital
Onde quer que eu vá o que quer que eu faça
Sem você não tem graça

Você sempre surpreende
E eu tento entender
Você nunca se arrepende
Você gosta e sente até prazer

Mas se você me perguntar
Eu digo sim, eu continuo
Porque a chuva não cai
Só sobre mim

Vejo os outros
Todos estão tentando
E é tão certo quanto calor do fogo
Eu já não tenho escolha
E participo do seu jogo, participo




quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Bingo!!

Pois é...como ando na expectativa de logo...logo... mais um ano de vida a bater em minha porta, parece que os meus cabelos brancos conspiram contra a minha pessoa. Bem, eles resolveram brotar no topo da minha cabeça, o que antes eu tinha que procurar, pois ficavam ali meio que escondidos pelos outros, agora eles resolveram assumir a maior idade e se rebelaram de vez, perderam a vergonha e nascem em qualquer lugar.

Preocupada em esconder alguns brancos que estão mais saidinhos, comentei com Saponildo que na próxima semana iria dar um jeito na juba, afinal será meu aniversário (e o que eu mais quero é passar linda!) e também depois eu volto a trabalhar ficará mais complicado ir no salão...

Ele todo faceirinho, quis saber o que eu vou fazer no meu cabelo. Até fiquei meio admirada com o interesse dele, por que ele não se mete nesse tipo de coisa, a única recomendação é a de sempre "Curto não, por favor!".

Expliquei da forma mais simples possível, por que sabe como é homem, eles entendem de cabelo o mesmo tanto que diferenciam o rosa do vermelho. Disse que pretendo cortar um pouco (curto não, por favor!) e que vou manter como esta, com a Ombré na mesma altura e pintar os brancos sem mexer no fundo do meu cabelo...ele me olha com uma cara de espantado...

"-Por que tu não faz uma coisa diferente? É pro teu aniversário!"

(como se cabelo fosse assim, como trocar de brinco..)

E eu mais espantada ainda com a audácia dele, joguei um pedaço de corda pra ele se enforcar ainda mais..

"Diferente como?"

Precisavam ver a cara de alegria de Saponildo, achando que eu ia acatar a sugestão dele... "tipo, puxa loiro desde a raiz!"...

(longas gargalhadas... meu sonho ficar loira! Dá muito trabalho, estraga o cabelo e eu não tenho muito saco pra tanto trabalho, com shampoo pra desamarelar, hidratação, nutrição e umectação e reconstrução e todos "ção" possíveis!). Gasto financeiro e gasto de tempo.

Mas como eu sou maléfica quando eu quero...

"- É tens razão querido! Preciso mesmo mudar, acho que vou encarar aquele vermelho igual o da vizinha, o que tu acha?".

Saponildo sem saída...

Mas o teu tá bacana assim, pensa bem!

Bingo!

PS: Só pra esclarecer, o cabelo é meu.. e eu vou fazer o que eu bem entender!

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Reconstruir-se

Nossa! Final de janeiro bate a porta... o tempo está a passar rápido demais!
Ainda bem...

Logo chegará meu aniversário. Estou feliz com isso, fazia anos que não me sentia tão bem, pelo fato de ficar mais velha. Aceitar o inevitável, isso ganha-se com o acumulo de anos.

Nos últimos dias tenho pensado bastante sobre tempo, sobre se ter tempo. Acho que foi o meu grande aprendizado do ano que se terminou. |Ter se tempo para tudo, a sensação do tempo que corre e a reclamar da falta de tempo, na verdade não é bem a falta de tempo, é querer realizar, produzir coisas demais em 24h, seria mesmo necessário?

Quando cortei, relacionei o que realmente era e é importante pra mim, o tempo deu e sobrou. Foi uma questão de organizar a mente, reestabelecer prioridades. O que eu tenho mais de importante para mim? O que realmente é importante para mim? E foi assim que minha vida tomou outros rumos, outros projetos, novas conquistas.

Passei a cuidar melhor da minha família, da minha casa e de mim mesma. Esse foi o grande pulo do gato, em reestruturar como mulher, como mãe e esposa. Não foi fácil no começo...

Olhar-se no espelho, aceitar que se está envelhecendo. Mudar por dentro e por fora. Olhar para os lados, para aqueles que estão próximos a mim e que eles merecem uma pessoa melhor.

Não foi fácil, mas eu consegui!

Hoje eu tenho tempo para tudo! Para cuidar da minha família, da minha casa, da minha saúde, da minha beleza e do meu intelecto. E assim conquistei a paz perdida...

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

pai...

Hoje completa uma semana que sonho com meu pai todas as noites. De certa forma bom, ele ao menos assim parece tão real, tão presente. Dizem que os sonhos são reproduções de nosso inconsciente, então passei os dias a refletir de que maneira o meu pai foi para ali dentro.


Já fazem anos que meu pai partiu, a memória dele já não está presente no meu dia a dia. Só hoje ao acordar cheguei a conclusão de por que estou a sonhar tanto com ele. No natal, recebi via whattsapp, fotos antigas da família que um primo tinha em casa, respondi, agradeci, mas não dei muita bola, eu mal aparecia nelas e quem aparecia não me interessava, não vi meu pai nelas. E quando olhei as crianças, senti uma dorzinha no peito e olhei pra minha filha e pensei em como gostaria que ele tivesse convivido com ela. Apenas isso, e vieram os sonhos.


Discutimos, rimos e nos entendemos, assim como era. O de hoje em especial, estávamos naquela casa velha de madeira em que vivemos por anos, eu ouvia ele reclamando, resmungando pra minha mãe e ela quieta, eu estava no quarto e eles na cozinha. Não aguentando mais ouvir eu saio pra dizer umas verdades pra ele, de inicio ele ficou bravo pelo enfrentamento, depois começou a rir, como se visse ele mesmo em mim ou se eu tinha a atitude que ele esperava da minha mãe, e ele saiu rindo e eu acordo...


Eu encaro isso como uma prova dele aos meus pensamentos, uma forma dele me dizer que está presente todos os dias.


Agora deu pai, já pode parar de tulmutuar minhas noites!