quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Depois de partir

Como já comentei aqui anteriormente a minha paciência em ver filmes é inversamente proporcional a minha paixão por livros, mas quando assisto um filme que prende minha atenção, acho bom até registrar.

Sim e hoje vou contar toda a história, então quem se interessar pelo filme, não leia até o final.

O filme tem uma história. Yes! Isso é bom. Não tem lutinhas e nem piadinhas imbecis. Vale a pena assistir e nos traz grandes momentos de reflexão.


Claro que o ator bonitinho ajuda. Romain Duris, mas isso não é foco principal, já que ele tem uma aparência madura e não é o tipo que tem fãs clubes teens pelo mundo afora.

Eu só fui perceber o seu charme a uma altura do filme que já tinha me prendido pela história, foi quando ele deu um sorrisinho de lado, que eu pensei, que homem lindo! E olha que ele tem barba e eu abomino barba.

Ao procurar imagens dele pelo google, ceus!! Vi cada coisa, mas que eu não gostei, a imagem dele está bem melhor nesse filme, alguém diga a elepra se manter assim, cabelo curtinho e com essa barba, por que ele de cabelão a "lá juba" e sem barba, fica muito efeminado.

Parando o momento mulherzinha, vou contar o filme.

Depois de partir


O filme inicia com duas crianças a beira de uma lagoa brincando. Uma menina e um menino. A menina chama por um cisne em uma velha ponte de madeira, quando ela volta a ponte quebra e ela cai e grita para o menino ir chamar seu pai.

O menino corre, corre e quando chega a estrada é atropelado por um carro. Ele fica em coma, dado como morto, e quando acorda afirma que havia morrido para uma voz que o entrevista, essa voz pergunta a ele: "O que te fez voltar". Essa é uma pergunta a qual se deve prestar atenção.

O filme, mostra Nathan, já adulto como um grande advogado, parece mal humorado e amargo.Um estranho médico o vem procurar, alertando-o sobre a morte e a vida. Kay. Depois desse encontro Dr. Kay, tenta convence-lo que consegue ver as pessoas que vão morrer mas não pode fazer nada além de proporcionar conforto. Ele se denomina "o mensageiro" e que ve uma forte luz, emanar do corpo de quem vai partir.

Nathan não entende o por que o Dr. o procura, faz exames clinicos, aparentemente está tudo bem. Dr. Kay  pede a ele que procure uma amiga da faculdade que trabalhava na lanchonete, Nathan a procura, acreditando que poderia impedir que ela morresse, em um momento ele conseguiu livra-la de um choque, mas levou ela até um banco onde teve um tiroteio e ela morreu e ali ele se sentiu culpado, mas compreendeu que ninguém pode fazer nada.

Eis que entra a segunda parte da história, e a mais bonita. Nathan era divorciado. Sim um dia ele casou, mas o engraçado ele sempre se referia a mulher ainda como esposa. Porém ele estava convencido de que o Dr. Kay sabia que ele ia morrer.

Nathan se casou com Claire, a menina que aparece com ele no inicio do filme, tiveram dois filhos. Um menino morre ainda bebe, e ele culpa a si e a mulher pela perda do menino, e grita com ela e abandona. Dr. kay traz isso a lembrança dele e também fala de um menino que entrou em coma depois de um atropelamento após tentar salvar sua amiga e que aquela menina ia visitar aquele menino todos os dias, segurar sua mao e prometer a sua vida a ele.

Nathan então lembra que Dr. Kay foi a voz que aparece no inicio do filme, foi o médico que o entrevistou e o único que acreditou no que ele dizia, que havia morrido e voltou e novamente Dr. Kay pergunta a ele, o que te fez voltar? E Nathan responde: Claire, o rosto de Claire.

Nathan então decide viajar e rever a ex mulher e a filha. Tentar consertar o passado, apagar magoas. Passa dias bonitos e acreditando que ira morrer logo, tenta viver cada momento da melhor forma possivel. E infelizmente em um dia ele ve a luz em torno de sua mulher, e descobre que ele também é um mensageiro.

E quando ele decidiu voltar da morte por causa dela, ele se tornou um mensageiro, voltou por ela e agora ia perde-la.


Não contei detalhes, mas é uma história que me emocionou.

Um comentário:

Ana Lu disse...

Ei Lucí! Minha paciência para ver filmes também é bem pequena, hahaa. A história desse parece realmente bonita!
Mas que final mais tenso!
Beijos