sábado, 5 de novembro de 2011

Dewey - Um gato entre livros

Um dia desses, passando pelos corredores da biblioteca municipal, sem nenhum foco, somente a procura de um livro qualquer que chamasse minha atenção. Sim por que eu não vou a biblioteca com pré listas de livros, por que o que eu gosto mesmo é de andar pelos corredores e ser achada por algum livro, por que foi assim que já li os melhores livros até hoje, os livros que me acharam.

Foi assim com Dewey -  Um gato entre livros, passando avistei a capa, aquele lindo gatinho, foi amor a primeira vista, o livro só poderia ser bom, unia animais e livros, minhas duas paixões.

O livro realmente me surpreendeu, mesmo eu gostando de animais, eu evito ler livros e ver filmes sobre eles, por que geralmente são histórias bem tristes. A de Dewey, começou bem triste, pois ele foi abandonado em uma caixa coletora de livros em uma madrugada fria, mas parou por ai, a escritora teve a sensibilidade de contar somente coisas bonitas e quem tem gato tão logo se identificou com tudo, pelas atitudes semelhantes típicas de todos felinos.

Como era de se esperar na metade do livro eu mesma já estava esperando o pior, por que é sempre assim, mas ela manteve o tom e Dewey morreu com dignidade, não ouve apelo emocional, não me senti mal ao terminar o livro, como geralmente me sinto, quando li outros do mesmo genero, a carga emocional foi contida.

E pra quem não lembra também sou a dona do Cascão, que também adora dormir em cima da minha impressora, de jogar minhas canetas pelo chão, de amar ver a água sair da torneira, de dormir no sol, se esfregar na planta de erva gato, de dormir em cima da roupa da gente e encher de pelo, aquele que ama a sua caixa de areia com areia nova. Acredito que todos que já tiveram uma relação incondicional com gatos, viram em seus bichanos um pouco de Dewey e compreenderam o amor da escritora por ele.

Um comentário:

Lay Santana disse...

AMOOOOO gatos. O meu filho tem quase 5 anos, Lucí. Ele é a coisa mais linda! Ainda bem que gatos - quando bem cuidados - vivem bastante.

Agora fiquei com vontade de ler esse livro justamente por ele fugir dos finais trágicos.

Beijos.