segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Síndrome de Down

Ao assistir ao Teleton esse final de semana e uma discussão amigável em casa, em que meu marido críticou a forma como o programa expõe as crianças e eu debati que essa era uma forma de sensibilizar pessoas saudáveis que reclamam da vida em ajudar.

Veio uma lembrança muito gostosa. Meu pai e uma prima que tem Síndrome de Down. Eu sei que o programa não é direcionado as pessoas com essa deficiência, mas só o fato de falar em algum tipo de deficiencia despertou algo adormecido.

Eu tenho uma prima, Maria. Ela já deve estar com 40 anos. Filha da irmã de meu pai. Ela se dava muito bem com meu pai. Era uma das sobrinhas que meu pai mais demostrava afeto e carinho.

Ela tem algumas manias. Anda sempre com um rádio a pilha ouvindo música. Um gato como companheiro e não fica sem banana.

É essa lembrança que me veio : meu pai chegando em casa, dizendo que tinha comprado pilha ou banana pra levar pra Maria quando fosse ve-la, isso ao menos 3 vezes na semana.

E aquela alegria do encontro dos dois. Saudade. Senti orgulho de meu pai.

É nessas horas que penso, meu pai fez muita coisa errada, mas também acertou em muitas coisas.

17 comentários:

Vivian disse...

...olá linda!

lindo post!
tbm concordo contigo
que se não expusermos
os problemas, as pessoas
demoram para acordar
seus sentimentos.
e o Teleton age assim
por uma causa mais que nobre.

e quanto a seu atencioso
com sua prima,
de fato ele deve tê-la
feito muito feliz
em todas as visitas
com os presentes,
tão simples, mas de tanto
valor.

lindo isso...

bjus, menina!

Tata disse...

Oi Lucí,

Nossa que demosração de afeto do seu pai!!!! Que legal!!!!

Nossos pais são assim.....
fazem besteiras levam seus tombos, enfim dão seus passos errados dois quais nós também estamos sujeitos á dar,mas quando se vê uma atitude dessas é sensacional!

Um beijinho linda!

*Lusinha* disse...

A gente precisa de tão pouco para agradar às vezes, né?
Seu pai não fazia muito, mas era mais do que importante para a sobrinha dele.
Bjitos!

Carol disse...

Que legal esse carinho do seu pai para com a Maria!

Bjinhos...

;***

Nanda Assis disse...

belo exemplo o do seu pai.
e o seu por compartilhar conosco.

bjosss...

Girl disse...

Amiga,

Tudo bem?
Sabe que esse post me lembrou uma frase que eu escutei a muito tempo atrás, nem lembro mais de quem.

"O mundo não se divide entre os bons e os maus. Todos nós temos luz e trevas dentro de nós"

Portanto, seu pai pode sim ter feito coisas ruins, mas não é por causa disso que deixou de fazer coisas boas.

Girl

Tay disse...

OI Luci concordo emuitas coisas do texto q por sinal esta super lindo,eu por exemplo adoro recalamar da minha vida :(,ñ na verdade tenho meus motivos q talvez ng saiba,mais é a vida ne,uns dias la emmabixo outro encima.
Olha vc ja sabe noticias da Youko??moro aki em ssa e ate hj ñ sei dela,se chegou bem essas coisas e to preocupada,enfim....
gostaria de te conhecer melhor pois ela me fala muuuiot bem de vc...bj
me add no msn se quiser e puder ta:
tayfisio_83@hotmail.com

KA disse...

Poxa, fiquei uma semana sem vir aqui e vejo que perdi uma semana inspiradíssima...Lindos posts..

Eu to sem tempo e criatividade.

Òtima semana!
Bjs

Luciana disse...

Pois é,e quem foi que nunca fez algo errado????

Bjos

Erick Júlian de Medeiros Feitoza disse...

seus posts assim como seu título; são realmente inspira dores;

falar sobre isso é 1 assunto complexo porem eu realmente me revolto como o mundo não consegue ver o caos que existe nele, as vezes somos tão egoístas ao ponto de se julgar sem nada, quando na verdade não sabemos que temos tudo;

Dias disse...

A diferença é por natura algo com que não se consegue lidar sem esforço.

Muito fixe a naturalidade do teu Pai, e lindissimo o Post, parabéns.

Abraço

Pelos caminhos da vida. disse...

Amiga os brutos tb amam.

Bom dia.

beijooo.

ex-controlador de tráfego aéreo disse...

Oi Lucí,

Seu pai foi especial, se errou em algo é porque isso faz parte do crescimento humano. Mas o que deve ser guardado, e você demonstra no texto tê-lo feito, é esse carinho que ele tinha por uma pessoa que lhe retribuía em intensidade igual, era recíproco, acredito.

Um beijo com carinho!!!

*** Cris *** disse...

Oiiiiii!!! Adorei conversar contigo!!!
Sabe, acho que ninguem eh perfeito,todos erram e muitos na mesma intensidade em que acertam.
Adoro-te!
Bjs!

Dora disse...

Lucizinha, antes de mais nada, vou te confessar uma coisa: ontem passei por aqui e espiei. Vi esse post, acredita que fiquei com lágrimas nos olhos?! Esse jeitinho do seu pai é muito especial. É uma atitude simples, mas é o que mais encanta. Os erros que a gente comete são importantes para nosso amadurecimento, mas nesse caso (eu já disse uma vez e vou dizer de novo), o melhor é você avivar o que havia de bom. E uma coisa eu sei que seu pai acertou em cheio: deixar uma Lucizinha dessas pra nós.
Um cheiro bem grande.

Dora disse...

Ah! E que memória, hein?! Lembrava de cada detalhe... é mesmo, antes você achava que o blog era unissex ou assexuado... rs rs rs... e fico muito feliz em poder te acompanhar de um certo modo...
E sobre a camuflagem nos textos, tem mesmo... eu sou meio fechada. Infelizmente. Mas alguém observador como nós, percebe logo... rs rs rs
*CR

Ju Pietra disse...

O legal é sensibilizar as pessoa sem permitir que sejam expostas... ATé porque existe uma necessidade de conscientização pela maioria de que as pessoas especiais, são REALEMNTE especiais... A convivência é fantástica, Luci...

"É nessas horas que penso, meu pai fez muita coisa errada, mas também acertou em muitas coisas."
Tenho a mesma visão do meu pai. E morro de saudades dele.
Beijo
Ju